DORIA DISTRIBUI RAÇÃO PARA OS POBRES

O prefeito de São Paulo lança o programa “Alimento para todos”, que consiste na distribuição de alimentos liofilizados para paulistanos pobres. Como o próprio prefeito afirmou, são alimentos que seriam jogados no lixo, e são “reaproveitados” com toda a “segurança alimentar”. Uns chamam de ração, o Doria chama de “comida de astronauta”, e a pergunta fica: Doria acha que pobre é bicho, ou ele vive em outro mundo?

É interessante, porém, ele falar em “segurança alimentar”, inclusive afirmando – verdade ou não – que já comeu o “alimento”. O problema é que Doria Jr traz aos alimentos aquela velha – e errada – oposição entre “segurança” e “dignidade”. Um alimento pode ser seguro, e até nutritivo, mas não respeitar o principio da dignidade da pessoa humana. E os astronautas?

Quando falamos em direitos é imprescindível ter em conta o contexto social. Uma coisa é precisar comer “alimento liofilizado” (ração) no espaço, um ambiente inóspito, e outra coisa é comer ração num país que é uma potência na produção de alimentos. O Brasil é um país onde não só não se pode aceitar que alguém passe fome, como não se pode aceitar que alguém coma mal. A situação se agrava quando se trata da cidade mais rica do País.

Churrascarias, jantares a luz de velas, feiras gastronômicas ou santas ceias são a prova de que se alimentar é muito mais do que encher o estômago e absorver nutrientes. Comer é um fenômeno social-cultural. Criar uma distinção em que determinada classe come mais como um animal do que como o prefeito de São Paulo.

Não basta não deixar morrer de fome, é preciso garantir uma vida digna a todos. O sistema de seguridade social que é previsto na nossa Constituição Federal, que tem como um de seus três eixos a Assistência Social, não é compatível com a passividade do cidadão dependente da assistência Social. O que diferencia o “Alimento para Todos”, do Doria, do “Bolsa Família”, do governo Lula, é que o programa [de transferência de renda] Bolsa Família garante autonomia aos beneficiários, no “Alimento para Todos”, não. Administração familiar de dinheiro é uma coisa, de “granulado” é outra.

Distribuindo à população alimentos que nem seus cinco cachorros comem, João Doria tenta resolver a questão de “dar a vara” ou “dar o peixe” da pior forma possível: ele dá a “isca amarrada no anzol”.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.