Deputado que quebrou placa de Marielle ameaça diretora de escola

Daniel Silveira, deputado federal pelo PSL-RJ, gravou vídeo ameaçando entrar e fiscalizar o Colégio Pedro II sem autorização, e criminalizar escola com partido e senso crítico político

Foto: Reprodução

Por Viviane Ávila

O deputado federal pelo PSL-RJ, Daniel Silveira, aquele que quebrou a placa com nome de Marielle Franco colocada na Cinelândia, no Rio de Janeiro, gravou um vídeo no último sábado, dia 24, ameaçando Andrea Nunes Constâncio, a diretora do Colégio Pedro II, localizado em Petrópolis (RJ), de fiscalizar e entrar na escola sob sua gestão sem autorização, assim como, segundo o deputado, ele pode fazer em qualquer outro estabelecimento.

“Diretora, eu sou um deputado federal, e o meu caráter é fiscalizador. Eu posso entrar em qualquer estabelecimento sem permissão. Entenda isso. Que isso fique muito claro. Não é você que pode me proibir. Logo você, que há dois anos entregou as chaves da escola Pedro II para vagabundos da esquerda invadirem a escola e atrapalharem as aulas”, disse Silveira, se referindo ao período de ocupações das escolas feitas pelos secundaristas entre 2015 e 2016.

Na época, os estudantes reivindicavam uma Educação Pública com mais qualidade, mais inclusiva e humana, já que o projeto de reorganização escolar previa fechamento de escolas, separação de ensinos, migração escolar de estudante sem consulta aos pais, ensino à distância, demissão e perda de direitos de professores, entre outras questões. Ou seja, um processo de precarização escolar para futuramente entrar em processo de privatização.

Ainda em vídeo, o deputado continuou sua ameaça à diretora, em tom sarcástico e palavras inclusive de baixo calão. “Se você tem todo esse medo, que um deputado federal esteja na sua escola, ainda mais com a minha vertente conservadora que combate a ideologia socialista comunista, isso me cheira a merda. E, se me cheira a merda, eu vou fazer um favor para você. A sua escola será a primeira a ser auditada. Eu vou solicitar uma auditoria desde o princípio da sua gestão, e ver se está tudo certinho, e se você realmente detém a moralidade como diz que detém.”

Silveira também manda um recado a toda a classe trabalhadora da Educação, frisando a diferença de tratamento a professores conforme suas vertentes políticas, criminalizando a esquerda, como se fosse proibido ter ideologia. “Professores tem o meu respeito. Professores de esquerda tem o meu desprezo. Eu quero deixar isso muito claro”.

No final do vídeo, ele pede para que compartilhem a ameaça até chegar à diretora e manda um último recado. “Eu quero que esse vídeo chegue muito claro pra que você entenda, diretora, que o marxismo cultural não será implantado, e não existirá mais escola com partido. Iremos criminalizar”. 

A Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino no Estado do Rio de Janeiro (Feteerj) e os Sindicatos Filiados emitiram uma nota em defesa e apoio à diretora do CENIP, Andrea Nunes, no site da Feteerj.

“A Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino no Estado do Rio de Janeiro (Feteerj) e os Sindicatos filiados repudiam a virulenta e absurda declaração feita pelo recém-eleito deputado federal Daniel Silveira (PSL) contra a professora Andrea Nunes Constâncio, diretora do Colégio Estadual Dom Pedro II em Petrópolis, o CENIP.

A declaração mostra o total despreparo do recém-eleito parlamentar que, não contente em desqualificar os profissionais de educação, ainda faz ameaças à diretora. O CENIP é um colégio tradicional de Petrópolis, cujos servidores há décadas batalham contra a falta de investimentos e os baixos salários.

Na verdade, a professora Andrea pode ter certeza de que o ataque e ameaças que sofreu serão respondidos por todas as professoras e professores de nosso estado.

A Feteerj e os Sindicatos Filiados à Federação desde já se colocam à disposição da professora Andrea para ajudar nas medidas políticas e jurídicas cabíveis que o caso vai requerer.

Feteerj e Sindicatos Filiados”

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
EducaçãoGeralMarielle FrancoRio de Janeiro
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish