Demarcar terras indígenas é proteger o Brasil

Por Sonia Guajajara

Querem nos tirar do zoológico e nos mandar para a quitanda. Primeiro, o presidente eleito fala dos povos indígenas como se não fôssemos racionais, não tivéssemos a capacidade – e nem o direito – de cuidar sozinhos de nossas vidas; depois, revela a intenção de transferir a Funai do Ministério da Justiça para o da Agricultura. É como se repetisse a História do Brasil como farsa: nos anos 1500, primeiro nos viram como animais e depois, como mercadoria. Fomos tutelados pelo Estado por muitos anos; só que em 1988 conquistamos direitos e – é sempre bom frisar – deveres iguais aos de qualquer cidadão brasileiro. O senhor Jair Bolsonaro é legislador desde 1991; ainda assim, parece ainda não conhecer muito bem as leis e a Constituição que regem o país a que serve. Sugiro, respeitosamente, um intensivo até o dia da posse.

Nunca morei numa jaula. O indígena é livre para viver onde quiser; pode sair de sua aldeia para tentar a vida na grande cidade, e assimilar novos hábitos e conhecimentos como qualquer um. Eu me formei em Letras na Universidade Estadual do Maranhão e rodei o mundo como coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), e representante brasileira do movimento internacional Guardiões da Floresta. Fui candidata à Vice-Presidência da República. Moro na Terra Indígena Arariboia, no Maranhão, onde nasci, por escolha. E por dever. Porque nós, povos indígenas, não temos só o direito constitucional de viver em nossas terras, mas também o dever de protegê-las. É uma responsabilidade que nos cabe, enquanto cidadãos brasileiros e do mundo. Sabemos que a sobrevivência da espécie humana depende da preservação das florestas.

 

Em seu discurso feito tão logo foi declarado vencedor da eleição, o futuro presidente assegurou ao povo brasileiro que respeitaria a Constituição. Seu governo herda de cara 54 Terras Indígenas para demarcar. São processos já concluídos, que datam de 2007 a 2018. No momento, há 129 processos em andamento. Cerca de 120 mil pessoas vivem nesses territórios. A Constituição de 1988 dava um prazo de cinco anos para demarcação de todas as Terras Indígenas do país; ou seja, estamos com 25 anos de atraso. Que ele se esforce para cumprir esta tarefa.

As 436 Terras Indígenas demarcadas e regularizadas representam aproximadamente 12,5% do território nacional, segundo o IBGE. De acordo com o Censo Agropecuário 2017 do mesmo instituto, o agronegócio ocupa 41% da área do Brasil. Então não há necessidade de crescerem os olhos para nossas terras, cujos recursos naturais podem ser usufruídos, desde que de forma sustentável. Não somos contra o desenvolvimento do país, mas acreditamos que o modelo adotado – e ao que tudo indica continuará sendo – está ultrapassado.

O presidente eleito também deu a entender que poderia nos conceder o direito de vender nossas terras. Agradecemos, mas declinamos. A Constituição garante que as Terras Indígenas são bens da União inalienáveis e indisponíveis justamente para não pôr em risco a integridade territorial do país. Assim como o povo judeu é definido por sua herança cultural, e por causa dela reivindicou o seu território de origem, nós o somos por causa de nossos costumes ancestrais e pela terra onde nascemos. Eles são a razão de nossa existência. Só que um judeu nascido no Brasil não é israelense, assim como eu sou Guajajara, mas sou brasileira. Nós, povos indígenas, temos orgulho de ser parte deste país tão grande, belo e diverso.

*Sonia Bone Guajajara é coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil e foi candidata à Vice-Presidência do Brasil.

 

*imagens por Helio Carlos Mello©

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria