Brasilândia. Ato em frente ao Hospital Municipal cobra abertura total dos leitos

Hospital da Brasilândia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Ato organizado pela Rede Brasilândia Solidária ocorreu na manhã desta quinta-feira, em frente ao Hospital Municipal da Brasilândia, onde foram colocadas diversas cruzes no local, simbolizando as vítimas do distrito da região norte que concentra o maior número de óbitos da pandemia na cidade de São Paulo.

Planejado para ter mais de 300 leitos e inaugurado em maio, com quatro anos de atraso, o hospital opera apenas com 32 leitos, de acordo com o último relatório situacional da Secretaria Municipal de Saúde, divulgado em 29 de maio. Enquanto isso, o distrito da Brasilândia registra 209 mortes por coronavírus e a vizinha Freguesia do Ó, 124 mortes.

Hospital da Brasilândia Hospital da Brasilândia

A adequação das instalações do CEU Paz e CEU Paulistano para isolamento também é outra reivindicação da Rede Brasilândia Solidária. Além da formação de parcerias com hotéis locais para acomodar e alimentar adequadamente pessoas em situação de rua e para o isolamento de idosos, visando protegê-los, e de infectados, para evitar a disseminação do vírus dentro das famílias e domicílios.

A Rede Brasilândia Solidária solicitou uma reunião com o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, para discutir o problema, e aguarda um retorno. Um Documento com Reivindicações para combater a pandemia na região foi elaborado pelo coletivo para ser apresentado ao prefeito.

Hospital da Brasilândia Hospital da Brasilândia

O que é a Rede Brasilândia Solidária: É uma rede horizontal de enfrentamento da pandemia, composta por mais de 300 voluntários, com atuação em várias frentes, como convencimento da população sobre a importância do isolamento social, distribuição gratuita de máscaras, captadas em campanhas de doações da rede e também confeccionadas por voluntárias.

Os integrantes do coletivo também operam em ações educativas de saúde, na busca de parcerias para a distribuição de alimentos, produtos de higiene e em atividades de apoio para a obtenção do auxílio emergencial pela população. Mas nada disso é suficiente sem uma forte atuação do poder público, a partir de um planejamento estratégico para a região e ações urgentes, como a abertura total do Hospital da Brasilândia.

Texto: Nilma Padilha

Fotos: Paulo Pepe, Observatório Metrópoles

saiba mais: https://www.facebook.com/brasilandiasolidaria/

Hospital da Brasilândia

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

DEUTERONÔMIO: “Constituição de 1988” para o povo?

A história demonstra que só com luta social permanente se conquista direitos e se impede retrocessos de direitos conquistados com suor e sangue pela classe trabalhadora. Se o povo se acomoda, vai sendo violentado aos poucos, até ser sacrificado

>