As marcas deixadas pela extremadireita na Guatemala

País pode eleger a primeira mulher presidenta depois do aumento da desigualdade e das crises vividas ao longo do governo ultraconservador e militarizado de Jimmy Morales

Por Murilo Matias

Um presidente de extrema direita sustentado pela elite militar, empresarial, representante de um governo antipopular respons√°vel por ampliar as desigualdades e relacionado a acusa√ß√Ķes de corrup√ß√£o envolvendo o executivo e parentes pr√≥ximos. A Guatemala realiza elei√ß√Ķes neste domingo enquanto caminha para o fim da gest√£o de Jimmy Morales, o humorista de televis√£o que pouco fez o povo sorrir ao chegar ao poder em 2016 antecipando no maior pa√≠s da Am√©rica Central a onda de recha√ßo √† pol√≠tica que se repetiria nas pot√™ncias do norte e do sul do continente com as vit√≥ria de Trump nos EUA e de Jair Bolsonaro no Brasil.

Dentre mais de vinte candidaturas presidenciais apresentadas prevalece a agenda conservadora, incluindo o projeto de Sandra Torres da Unidade Nacional da Esperan√ßa (UNE), que lidera as pesquisas e pode tornar-se a primeira mulher eleita para o cargo no retorno √†s urnas. H√° quatro anos, o voto de puni√ß√£o dos guatemaltecos contra a classe pol√≠tica tradicional transformaria-se em um castigo √†s minorias e aos setores mais vulner√°veis, cujos n√≠veis de pobreza superam duas a cada tr√™s pessoas em algumas regi√Ķes do pa√≠s.¬†

A migra√ß√£o for√ßada pela falta de oportunidades de milhares em dire√ß√£o ao norte em um dos fluxos mais numerosos j√° registrados e a impunidade s√£o duas marcas do per√≠odo na vis√£o dos cr√≠ticos, que criaram o termo pacto de corruptos, ecoado nas ruas, em refer√™ncia √† a alian√ßa do executivo, legislativo e judici√°rio em pr√°ticas ilegais e de acobertamento de crimes. A morte em um inc√™ndio de 41 meninas adolescentes sob a tutela do Estado na institui√ß√£o Hogar Seguro em Solal√° pouco dias ap√≥s den√ļncias de abusos e mau tratos contra as menores e o falecimento de cinco crian√ßas guatemaltecas sob cust√≥dia do governo estadunidense na fronteira¬† dos EUA- mais de vinte mil foram detidos -retratam momentos de pico das crises.

“O estado assassinou essas meninas submetidas a abusos, prostitui√ß√£o e segue um manto de impunidade sobre o fato. Talvez seja nossa maior vergonha depois do genoc√≠dio da guerra. Esse governo implementou uma pauta regressiva de direitos humanos junto ao modelo econ√īmico de explora√ß√£o dos trabalhadores. Os direitos ind√≠genas, recursos naturais est√£o na periferia do debate, s√£o levantados pela esquerda, mas nem sempre alcan√ßa-se a dimens√£o desejada”, pontua o deputado Amilcar Pop, √ļnico parlamentar do partido indigenista Winaq, fundado pela Pr√™mio Nobel da Paz Rigoberta Mench√ļ e cujo significado √© ser humano integral.

Na esteira do executivo, o parlamento impulsionou leis punitivas diante da maioria conservadora de deputados, aos quais cabe tamb√©m a indica√ß√£o dos ju√≠zes de primeira e segunda inst√Ęncias a cada fim de mandato. “Sempre se fala de cotas de poder e negocia√ß√Ķes nesses casos. Al√©m disso, muitos partidos dizem defender a fam√≠lia e da vida, mas sugerem a reativa√ß√£o da pena de morte e rejeitam¬† o matrim√īnio igualit√°rio, por exemplo”, explica o jornalista Henry Bin, lembrando que a lei 5272 prevendo inclusive penaliza√ß√£o a mulheres que abortarem acidentalmente pode ser votada nos pr√≥ximos meses.

Em paralelo à linha dura nos costumes, o governo apostou em projetos de infraestrutura e no embate com organismos internacionais sob o pretexto da soberania. O mais rumoroso caso deveu-se à expulsão do país da Comissão Internacional contra a Impunidade (Cicig) que investigava possíveis desvios do irmão e do filho do presidente Morales, afora outros casos. A ênfase à autonomia não replicou-se em outras áreas a exemplo da transferência da embaixada de Israel para Jerusalém seguindo orientação dos EUA Рmovimento iniciado também pelo Brasil Рe da presença de militares estadunidenses dentro do território da Guatemala.

“V√°rios setores tentaram quitar a imunidade do presidente para desestabilizar o ambiente, mas incrementamos as for√ßas policiais, diminu√≠mos a viol√™ncia, recuperamos estradas, as v√≠timas do vulc√£o de fogo receberam assist√™ncia, moradias”, afirma a deputada Flor Chaj√≥n da Frente de Converg√™ncia Nacional (FCN). A sigla que abriga Morales apostou para a sucess√£o no militar Estuardo Gald√°mez, cujo fraco desempenho confirma o desgaste do oficialismo, desaprovado por 81% dos cidad√£os conforme o jornal Prensa Libre.

Favorita no interior, rejeitada na capital

A ex-primeira dama Sandra Torres tinha um tradutor no palco a esperando ap√≥s cumprimentar sem muito entusiasmo os locais antes de mais um ato de campanha no interior da Guatemala, que possui 25 idiomas. Em comunidades ind√≠genas e rurais n√£o se habla espanhol ¬†e s√£o essas regi√Ķes negligenciadas pelo poder central nas quais a candidata concentra sua popularidade especialmente em raz√£o do programa de bolsas solid√°rias para m√£es, idosos e deficientes de aproximadamente duzentos quetzales – 30 a 40 d√≥lares -, desenvolvido durante a presid√™ncia de seu ent√£o marido, √Ālvaro Colom.

“O trabalho do governo da UNE permitiu a Sandra demonstrar sua capacidade gerencial e sensibilidade social. Isso gerou uma lideran√ßa nacional que posiciona-se para conduzir o pa√≠s”, comenta o deputado da sigla Oscar Argueta, cr√≠tico sobre a campanha. “Foi um processo excessivamente judicializado, carente de propostas, cheio de esc√Ęndalos e pseudo not√≠cias”, em refer√™ncia aos ataques e den√ļncias que associam a pol√≠tica ao narcotr√°fico e √† corrup√ß√£o. Voltado ao eleitorado que historicamente rejeita a esquerda h√° materiais classificando a candidata como uma amea√ßa socialista., apelando √† desinforma√ß√£o, uma vez que a UNE, majorit√°ria no parlamento, alinha-se a grandes empres√°rios e aos valores tradicionais.

A desconfian√ßa gerada encontra eco maior na capital, incidindo na rejei√ß√£o que faz um em cada tr√™s votantes recha√ßarem a postulante. “Sandra apela ao assistencialismo, mas a pobreza n√£o se combate com uma bolsita de produtos ao m√™s, mas com emprego”, expressa o advers√°rio Alejandro Giammattei (Vamos), aspirante ao segundo turno. “A popula√ß√£o necessita dar um giro quando prova governos corruptos, demagogos e incapazes. A isso se deveu o fen√īmeno do triunfo de Bolsonaro no Brasil”, avalia o presidenci√°vel Roberto Arz√ļ (PAN – Podemos), ligado √† oligarquia – seu pai foi presidente e seu irm√£o chefia o Congresso.

Perfilados √† direita, Arz√ļ, Giamamattei, assim como Edmond Mulet (Humanista), beneficiaram-se do impedimento por descumprimento de normas eleitorais das promissoras candidaturas da ex-fiscal Thelma Aldana (Movimento Semilla) e da filha do ditador Efra√≠n Montt, Zury Rios (Valor). Em comum ao grupo sublinha-se √† defesa da fam√≠lia e do liberalismo econ√īmico, amplamente praticado na na√ß√£o e com poucos resultados na mobilidade social.

Na maior economia da centroamerica, com crescimento m√©dio de 3% ao ano, uma diarista recebe menos 30 reais por um turno de atividade. O sal√°rio m√≠nimo de 225 d√≥lares n√£o alcan√ßa a cesta b√°sica e a informalidade atinge 80%. Os shoppings e condom√≠nios na capital e os investimentos nas rotas tur√≠sticas de¬† Panajachel e Semuc Champey¬† comprovam que a economia se move, mas os privil√©gios permanecem ou agravam-se. A evas√£o escolar que, segundo o Minist√©rio da Educa√ß√£o, atingiu 2,5 milh√Ķes de jovens em 2016, dentro de uma popula√ß√£o de 16 milh√Ķes, retrata os problemas de inclus√£o desde a base educacional com consequ√™ncias no mercado de trabalho e na qualifica√ß√£o das novas gera√ß√Ķes.

” Sobrevivo com menos de um sal√°rio m√≠nimo, com d√≠vidas e n√£o consegui terminar a universidade, mas sigo em frente porque acredito que podemos realizar mudan√ßas de onde estamos. O governo segue centralizado, aqui h√° muito abandono, inunda√ß√Ķes, a energia el√©trica √© cara, as oportunidades est√£o quase todas na capital e n√£o √© f√°cil chegar chegar a Cidade da Guatemala. Para as mulheres h√° ainda menos chances, muitas engravidam na adolesc√™ncia”, conta a produtora audiovisual Veronica Sacalxot , desde Quezaltenango.

Os povos originários para além da esquerda

De forma in√©dita tr√™s representantes de origem Mayas concorrem √† presid√™ncia, Thelma Cabrera (Movimento pela Liberta√ß√£o dos Povos), Pablo Ceto, (Urng) e Benito Morales (Converg√™ncia). Novamente fragmentado, o campo progressista surpreendeu-se com a proje√ß√£o al√ßada por Thelma, que aspira reverter a l√≥gica que exclui os povos origin√°rios das esferas de poder mesmo com mais de 40% da popula√ß√£o declarando-se ind√≠gena. “A esquerda tradicional est√° obrigada a transformar seu discurso e apoiar a agenda dos povos, o processo constituinte popular, plurinacional e a nacionaliza√ß√£o dos bens privatizados”, assegura.

A dispers√£o de projetos populares em parte se explica pela repress√£o que grupos de esquerda e guerrilheiros enfrentaram durante 35 anos de ditadura e pela incapacidade de incorpora√ß√£o plena da luta ind√≠gena nesses processos. “Vivemos em uma sociedade produto do regime autorit√°rio. Depois dos acordos de paz de 1996 imp√īs-se a privatiza√ß√£o de bens estrat√©gicos com o aumento da pobreza e consolida√ß√£o de um sistema de m√°fias no poder que tem a capacidade de dirigir o estado. De nossa parte, precisamos uma renova√ß√£o profunda das esquerdas”, observa o deputado¬† Enrique Alvarez, do Converg√™ncia, nascido da luta armada.

A divis√£o de votos entre for√ßas oriundas da guerrilha e da luta campesina e ind√≠gena, somada ao preconceito e √† criminaliza√ß√£o contra movimentos sociais acresce problemas para os enfrentamentos na arena eleitoral. “H√° uma grande incerteza sobre o que acontecer√° no domingo.Houve amea√ßas de ex-militares sobre impedir as elei√ß√Ķes, o fiscal de delitos eleitorais saiu do pa√≠s em virtude de coa√ß√Ķes sofridas. As pessoas est√£o confusas “, resume o professor universit√°rio Secil Oswaldo de Le√≥n, direto da capital.

Al√©m do presidente, oito milh√Ķes de votantes escolhem 160 deputados e 340 prefeitos para os pr√≥ximos quatro anos na ponta do conflituoso tri√Ęngulo norte da Am√©rica Central. “A paz n√£o √© somente a aus√™ncia da guerra, enquanto haja pobreza, racismo, discrimina√ß√£o e exclus√£o dificilmente alcan√ßaremos um mundo de paz”, j√° ensinou a nobel Rigoberta Menchu.

Categorias
América Latina e MundoDestaques
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta