Alunos da UFMT conquistam primeiras vitórias na luta contra aumento no Restaurante Universitário

O valor atual subsidiado de R$ 1,00 garante a permanência na Universidade de estudantes de famílias de baixa renda e mais de 5.000 alunos são beneficiados diariamente

Fechamento e ocupação da Guarita I, terça-feira (24/04).

Texto e fotos por: Tylcéia Tyza e Vitória Gomes, especial para os Jornalistas Livres

Devido aos recentes cortes nos repasses do governo para as universidades federais, muitas instituições estão buscando cortar custos. Na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá, a proposta da atual reitora Myrian Serra era aumentar os valores pagos pelos alunos no Restaurante Universitário (RU). O movimento estudantil se organizou em protestos que duraram toda a última semana de abril e acabam de conquistar uma primeira vitória: o reajuste programado para maio está adiado. Mas a luta deve continuar até a revogação total da proposta.

O DCE ocupou o prédio da reitoria do principal campus da UFMT

A reitoria afirma que o objetivo da mudança é reduzir os gastos com a alimentação, que no ano passado chegou a R$ 15 milhões, sendo R$ 3 milhões acima das despesas. Atualmente os alunos pagam R$ 0,25 pelo café da manhã e R$ 1,00 para almoço e janta. Com a aprovação da nova política os valores passariam a ser R$ 2,50 pelo café da manhã e R$ 5,00 para almoço e janta. A reitoria alega também que os alunos que não possuem renda suficiente (1,5 salário mínimo) e que atualmente são auxiliados pela Pró-reitoria de assistência estudantil (PRAE), deixarão de receber essa renda, tornando-se isentos de qualquer custo no Restaurante Universitário. Entretanto, os alunos assistidos alegam que o valor recebido da PRAE não só custeia o valor do RU, como também custeia suas refeições dias de domingo e feriados, quando o Restaurante Universitário não funciona.

Estudantes de Várzea Grande ocuparam o Bloco Didático II no Campus Cuiabá

Ao saberem desse ajuste os estudantes logo começaram a se organizar para impedir que a proposta fosse estabelecida definitivamente. Na terça-feira (24/04), um dia após a audiência pública para tratar da nova política de Alimentação Estudantil, os alunos do Campus de Cuiabá bloquearam a principal entrada que dá acesso à Universidade (Guarita I) em forma de protesto, já que na audiência da data anterior os administradores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) mantiveram a proposta do reajuste nos preços.

Outros Campi da UFMT que também sofrerão com o reajuste no valor do Restaurante Universitário abraçaram a causa e se posicionaram contra a nova política de alimentação. Os campi da UFMT de Rondonópolis e Barra do Garças (Araguaia) iniciaram o movimento de ocupação dos espaços da Universidade Federal na sexta-feira (20), e em Sinop, além da ocupação, foi decretada greve estudantil.

O Reitor em exercício, Evandro Silva, redigiu na sexta (27/04) um compromisso de suspensão do aumento

No fim da manhã de sexta-feira (27/04) os alunos de Cuiabá conseguiram que o vice-reitor, naquele momento atuando como reitor em exercício, redigisse em uma folha de papel um pequeno texto suspendendo “a implantação da nova política de alimentação da UFMT, para o mês de maio de 2018, em atendimento à reivindicação dos estudantes”. Contudo, na conversa com os alunos, ele afirmou que a implantação da proposta seria retomada em junho.

O reajuste deixaria os alunos da Universidade Federal em incerteza e medo, tendo em vista que o RU não é apenas uma fonte alimentícia, mas faz parte de uma política maior de garantia da permanência dos alunos na Universidade. Assim, os estudantes da UFMT pretendem continuar mobilizados para ter acesso às planilhas totais de gastos de modo a colaborar para encontrar outras fontes de despesas que não atinjam o direito à universidade pública gratuita. A suspenção temporária do aumento foi uma vitória, mas o objetivo maior é sua revogação total e o fortalecimento das políticas de inserção, inclusão e permanência de estudantes das mais diversas origens.

Veja mais em:

http://www.adufmat.org.br/2015/index.php/comunicacao/noticias/item/3014-estudantes-vencem-a-primeira-batalha-mas-a-luta-contra-o-aumento-do-ru-continua

http://www.adufmat.org.br/2015/index.php/comunicacao/noticias/item/3004-estudantes-tecnicos-e-docentes-da-ufmt-se-colocam-contrarios-as-alteracoes-na-politica-de-alimentacao-propostas-pela-reitoria

http://www.adufmat.org.br/2015/index.php/comunicacao/noticias/item/3010-nota-de-apoio-a-luta-dos-estudantes-pela-manutencao-do-restaurante-universitario-universal-a-r-1-00

Categorias
CidadesDestaquesEducaçãoEscolas em LutaEstudantesManifestaçõesMovimento Estudantil
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta