Polícia legislativa agride estudantes em audiência com Weintraud

Ministro se negou a falar com presidentes da UNE e UBES

Na tarde dessa quarta-feira (22), ocorreu mais uma audiência pública na comissão de educação da câmara, onde o ministro da educação apresentou as políticas da pasta e as diretrizes do MEC.

De acordo com o presidente da UBES, Pedro Gorki, havia sido acordado com a presidente da comissão desde o começo da audiência que os representantes dos movimentos estudantis presentes teriam direito a fala.

Ao final, quando a presidente da comissão, deputada Marcivania (PCdoB/AP), iria cumprir com o acordo de que os estudantes expusessem suas opiniões, deputados do PSL começaram a gritar, histéricos, contra o direito de expressão dos estudantes.

O delegado Waldir (PSL/GO), ativo defensor do lobby das armas, mostrou que argumento não é com ele ao gritar e xingar um professor universitário que nunca viu na vida de ‘maconheiro’.  A deputada Dayane Pimentel (PSL/BA), mesmo sendo professora não ouviu os estudantes. Até a presidenta da sessão a questionou sobre isso: ‘deputada, a senhora é professora, não vai ouvir os alunos?’

O ministro Abraham Weintraub, fiel ao receituário fascista de seu guru, Olavo de Carvalho, disse que não queria ouvir as entidades. Quando os estudantes tentaram chegar perto da mesa para perguntar o que estava ocorrendo, os policiais legislativos, instigados pelos deputados do PSL, começaram a agredi-los, empurrando os estudantes e quase rasgando a camiseta da presidente da Marianna Dias, presidenta da UNE.

Pedro, presidente da UBES, relatou que ‘os deputados do PSL instigaram os seguranças para nos tirarem da comissão da educação, nos tirarem do plenário, nos empurraram, deram mata-leão, nos agrediram fisicamente. Os deputados da oposição nos acolheram, nos salvaram da agressão.’

Veja abaixo o vídeo que mostra o momento da agressão:

Categorias
#EleNão