Diário do Bolso: salva de 21 tiros no dia do repórter

O que eu sinto pelos repórteres ficou bem explicado naquela frase que eu disse pro cara dO Globo em agosto do ano passado, quando ele perguntou por que o Queiroz tinha depositado 89 mil na conta da Micheque, quer dizer, da Michelle. A frase foi: "Vontade de encher tua boca com uma porrada, seu safado".
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero* Pô, Diário, esqueci que hoje é dia do repórter. Queria até fazer uma homenagem pra eles: uma salva de 21 tiros. Em cada um, kkk!

A verdade verdadeira é que repórter e jornal são coisas inúteis. Se já tem as assessorias de imprensa e os grupos de zap, pra que eles servem, pô!?

O que eu sinto pelos repórteres ficou bem explicado naquela frase que eu disse pro cara dO Globo em agosto do ano passado, quando ele perguntou por que o Queiroz tinha depositado 89 mil na conta da Micheque, quer dizer, da Michelle. A frase foi: “Vontade de encher tua boca com uma porrada, seu safado”.

Eu queria é imitar o Augusto Nunes, meu assessor de imprensa, que bateu naquele gringo, o Glenn Greewald.

Esses repórteres urubus só querem saber das rachadinhas do Flavinho, do dinheiro que eu mandei pro Centrão, das vacinas pra covid, e de outras coisas sem importância.

Por que eles não me perguntam coisas que realmente preocupam as pessoas, tipo quem eu acho que vai ser campeão brasileiro ou pra quem eu torço no BBB?

Aí sim, pô!

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: o meu centrão e a farra da picanha

E a esquerdalha anda reclamando porque as Forças Armadas compraram 140 toneladas de lombo de bacalhau, conhaque, uísque 12 anos, 80 mil cervejas e 700 toneladas de picanhamaturada e superfaturada em plena pandemia. E realmente tá errado isso daí. Tinha que ser uma cerveja por quilo picanha. Uma para cada dez é muita mesquinharia, pô.

Diário do Bolso: a corrida e o fim da Lava Jato

A grande notícia do dia foi que o Aras acabou com Lava Jato. Ela já tinha cumprido sua missão: tirar o Lula da disputa pela presidência. Aí eu fui eleito e paguei minha dívida com o Moro, o chefe da operação, dando o cargo de ministro pra ele. Mas o cara pensou que ia mandar em mim como mandava no Dallagnol e se deu mal. Aliás, no tocante à Lava Jato, estava na hora dela acabar mesmo, senão ia encher o saco do pessoal do Centrão. E agora o pessoal do Centrão é o meu pessoal.

Diário do bolso: a festa do Lira e Bia Kicis na CCJ

Essa é a Bia Beijinhos, Diário.

Com ela na CCJ a gente vai demolir a Constituição. Só tem que ver se vai ser na base da marretada, tirando tijolo por tijolo, ou na base da implosão, derrubando tudo de uma vez.

Outra coisa boa é que qualquer pedido de impitimam tem que passar pela CCJ, então agora estou mais seguro que branco de terno em batida policial.

>