O Jejum “santo” de Bolsonaro

Há tempos venho dizendo que Bolsonaro é o idiota útil usado por muita gente inteligente que usa a sua imbecilidade “popularesca e tupiniquim” para, através de discursos muito bem pensados por esses, parecer ser o que quiser ser: bronco, justiceiro, machista, moralista, “tiozão do pavê” e, claro, evangélico. Sua figura macunaímica casa muito bem com o “brasileiro médio”.

Pois a grande sacada do momento é a convocação para o “santo jejum nacional”.

Para quem está há tempos na igreja evangélica, sabe o que isso significa: é o momento mais esperado desde a década de 80, quando começa a surgir no Brasil, ainda que timidamente, a ideia de que “precisamos de um presidente evangélico”, acompanhada, entre outras coisas, de frases do tipo: “já imaginou o presidente começando e encerrando seus pronunciamentos com ‘a paz do Senhor’?” ou “que sonho um presidente convocando o povo para um jejum antes de qualquer decisão”…

Bolsonaro não sabe disso, mas gente próxima dele sabe, e sabe bem.

O povo evangélico tem o sonho de um “presidente-messias-rei” desde que explodiu no país a “teologia de dominio espiritual”, quando se começou a pensar em ter “servos de Deus” ocupando os espaços de poder e que isso, por consequência, abençoaria o país. É desse espírito e dessa “teologia” que surgem frases de efeito como “o Brasil é do Senhor Jesus. Povo de Deus, declare isso!” e a explosão de placas e outdoors em entradas de cidades declarando que aquele município, agora, “pertence ao Senhor Jesus”.

A convocação para um jejum reforça a ideia messiânica que Bolsonaro quer implantar desde o começo de sua campanha e, principalmente, brincando com a fé evangélica, batizando-se no Rio Jordão e “aceitando Jesus” em vários eventos do mundo gospel brasileiro. E a igreja evangélica, ávida por poder e ansiosa para impor a todos a sua moral, nada de braçadas nesse lamaçal de sujeira, abraçada ao seu “capitão”.

E ainda é só o começo…

Mas, para o azar dessa gente, eles não contavam com uma inesperada inconveniência: a clareza bíblica quanto ao jejum que agrada a Deus:

Senão, vejamos o que diz o profeta Isaías no capítulo 58 versículos 6-9

“O jejum que desejo é este: que soltem as correntes da injustiça, desatem as cordas do jugo, ponham em liberdade os oprimidos e rompam com toda a injustiça.
Partilhe sua comida com o faminto, abrigue o pobre desamparado, vista o nu que você encontrou, e não recuse o direito humano ao seu próximo.
Aí sim, a luz irromperá como a alvorada, e prontamente chegará a cura; a sua retidão irá adiante de você, e a glória do Senhor estará na sua retaguarda.
Aí sim, você clamará ao Senhor, e Ele responderá; você gritará por socorro, e ele dirá: Aqui estou. “Se você eliminar do seu meio o jugo opressor, o dedo acusador e as notícias falsas”.

Ah! Se esse povo lesse a Bíblia…

José Barbosa Junior – escritor, teólogo e pastor da Comunidade Cristã da Lapa, no Rio de Janeiro.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

13 respostas

  1. Livro do Profeta Isaías 58:5-7
    “O que é que eu quero que vocês façam nos dias de jejum? Será que desejo que passem fome, que se curvem como um bambu, que vistam roupa feita de pano grosseiro e se deitem em cima de cinzas? É isso o que vocês chamam de jejum? Acham que um dia de jejum assim me agrada?
    “Não! Não é esse o jejum que eu quero. Eu quero que soltem aqueles que foram presos injustamente, que tirem de cima deles o peso que os faz sofrer, que ponham em liberdade os que estão sendo oprimidos, que acabem com todo tipo de escravidão. O jejum que me agrada é que vocês repartam a sua comida com os famintos, que recebam em casa os pobres que estão desabrigados, que deem roupas aos que não têm e que nunca deixem de socorrer os seus parentes”.

  2. Infelizmente, “o brasileiro médio” não gosta de ler, então muitos farão o jejum em nome de Deus e do Mito.

  3. Você,?teólogo?
    Precisas urgentemente voltar a estudar, pois não aprendestes nada sobre o Estudo da Palavra de Deus. Coitada das pessoas que o tem como pastor.
    Você pode até ler a bíblia, mas não é a Sagrada. “Vulgar é o ler; e raro é o refletir” Rui Barbosa.
    Este jejum aqui aventado pelo nosso Presidente, não é esse que você citou, por sinal errado. O jejum aqui proclamado, é aquele que está em Jn.3. Os versículos, procure, leia e reflita.
    Assina um leigo.
    É melhor ser e não perecer; do que parecer e não ser.
    Estuda menino, estuda, para estufar o peito e dizer: sou teólogo. Você não é, você está. EU SOU, só existe um que conheço.

  4. Entenda, fora de suas conveniências, o proclamado jejum. Sua convicção política interrompe o amplo sentido e ação do jejum, para, intencionalmente, fazer as pessoas desavisadas e as que pensam conforme suas próprias e limitadas concepções, suas arrogâncias acadêmicas. A Bíblia mostra outras fontes sobre o jejum, como descrito em Ester capítulo 4 e em Jonas capítulo 3. Assim, você se demostra perversamente proposto menos a contribuir a um estudo sobre o jejum a atacar o povo evangélico e, sim, ao presidente, que não é um salvador, mas prefere entregar a Deus o Brasil do que a demônio, como faziam os governos anteriores. O mais interessante: quando Lula e Dilma faziam junto aos seus guias religiosos, de matrizes bem distintas da fé evangélica, não víamos esse incômodo, essa oposição toda, teólogos como você, se posicionando contrário àquelas práticas e profissão de ritos e fé. Por quê?

  5. Um jejum convocado por um perverso travestido de justo, e vc vem querer dá lição aqui; vai procurar tua turma, Marcos Feliciano, Silas Malafaia, Edir Macedo, Valdomiro Santiago etc….

  6. Adamastor, conheço bem pessoas como vc que querem se travestir de uma humildade que, de fato, não possui. Basta reparar no tratamento que vc dispensa à pessoa que justificou (com grande propriedade bíblica, por sinal) o pensamento colocado pelo jornalista. Se apresentar como leigo não deixa mostrar o tamanho da sua arrogância e desrespeito. Quando vc se coloca nessa condição de que é melhor ser do que parecer, vc dá razão ao Rev. José Barbosa Jr. porque a ideia do jejum de Is. 58 é exatamente essa: A de que é melhor evitar a fome dos necessitados do que passar fome (jejum) tentando mostrar para Deus um coração que, na prática, vc não possui. Um coração que se preocupa com as necessidades daqueles que estão à sua volta. A isso costumamos chamar de AMOR…!
    Deus te abençoe e te ilumine…!

  7. Sou evangelica é bom ter um presidente evangélico porém não posso ficar no meu mundinho e não ampliar a visão, o Estado é laico outro presidente que não professa a mesma e quizer fazer um ritual os evangélicos são os primeiros a ficar de mimimi, os direitos são iguais é bom que não se esquecerem .

  8. a letra mata e o espírito vivifica. Não julgueis para que não sejais julgados, por na mesma medida em que jugardes será julgado. Não se sabe com certeza o que se passa no coração desse homem. E o jejum existe e o próprio filho de Deus nos ensinou a fazê-lo para fortalecer a alma e ficar próximo de Deus. Sendo assim, seremos ouvidos. Ester juntamente com o povo jejuou três dias para entrar na presença de rei e não ser morta.

  9. Mas creio que a maioria que está fazendo o jejum, não é pelo Bolsonaro ou por suas loucuras, para uns, e espertezas para outros. Faremos um jejum em prol do ser humano, para uma ação misericordiosa de Deus para com o mundo. A humanidade está longe de Deus, e isso é nítido, agora se uns estão usando isso com intenções egoístas, aí é o problema de cada um individualmente com Deus. Vamos parar de politizar, tanto progressistas como conservadores. Todos um dia teremos um encontro com o criador, e cada um dará contas de si a Deus.

  10. Então leia Jonas capítulo 3, versos 5 em diante e entenderá o significado de jejum com um propósito, e se diz teólogo, mas não entende nada de jejum, kkkkk.

  11. Parabéns caro José Barbosa pela colocação. A disputa em torno da interpretação da Bíblia segue muito atual. Para que este jejum msm? A qual autor bíblico cabe referenciar aqui: a Jonas, a Isaias? Essa não é a questão principal. Não se estimula a solidariedade e nem a caridade levantando a bandeira da hipocrisia, da injustiça e tão pouco do sectarismo. Nesse sentido o grupo religioso deveria questionar-se sobre este deus que servem ou seguem. Tenho dúvidas de seja O de Jesus Cristo.

  12. ola minha gente gostei! sou musico trompetista angustiado com a penumbra em que vivem muitos artistas. que demanda reprimida hein? e agora com essa pandemia ufa! – to aqui no capao preocupado em aglutinar a minha classe para tomada de posiçao. que bom saber desse espaço – encarecidamente me perdoe de não comentar sobre o jejum quero contribuir mouza lima

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Cultura não é perfumaria

Cultura não é vagabundagem

No extinto Reino de Internetlândia, então dividido em castas, gente fazedora de arte e tratadas como vagabundas, decidem entrar em greve.

O silêncio dos nada inocentes e a coragem de Lula

Em coletiva de imprensa na África, o presidente brasileiro disse o que muitos governantes têm medo de dizer: que o Estado de Israel comete, com cumplicidade da mídia e dos líderes ocidentais, um genocídio comparável ao dos nazistas