Novos dados sobre ato “Fora Dilma” expõem opiniões dos manifestantes

Segundo a pesquisa, mais de metade acha que o PCC é um braço armado do PT e outros 42% concordam que o partido trouxe 50 mil haitianos para votar em Dilma

As mobilizações contra a presidenta Dilma Roussef (PT) voltaram à Avenida Paulista. A onda verde e amarela esteve nas ruas, mais uma vez, no último domingo (12). Apesar de reduzida, a manifestação somou 100 mil cabeças, segundo o DataFolha.O perfil dos manifestantes não mudou: predominância da elite e forte presença da classe média; alto grau de escolaridade e faixa etária acima de 36 anos.

Nessa terça-feira (14), novos dados, coletados em pesquisa coordenada pelo professor da USP, Pablo Ortellado, e Esther Solano, da Unifesp, trouxeram a tona uma classificação mais detalhada daqueles que estiveram na Avenida Paulista no último domingo. Confira a pesquisa.

Após as mobilizações do dia 15, Otellado, em entrevista à Vaidapé, já havia sinalizado para a homogeneidade dos atos e da predominância da classe média alta.

O professor também apontou para o isolamento político da presidenta Dilma Rousseff: “Se os grupos de direita conseguirem consolidar esse nível de mobilização, que é o esforço deles, ela vai estar em uma situação muito mais difícil do que a do Maduro, por exemplo. Porque, se você olhar, o Maduro está em uma situação extremamente polarizada, mas com apoio da esquerda e dos grupos populares. Ela está perdendo as duas coisas.”

Pesquisa

A pesquisa buscou novas informações que elucidam o perfil dos manifestantes. Foram levantadas questões como a confiança em partidos, movimentos sociais, comentaristas políticos e veículos da imprensa, além de opiniões sobre programas governamentais.

Os dados apontam para um claro descontentamento com as atuais legendas. Mais de 98% dos manifestantes disseram confiar pouco ou nada nos partidos políticos.

O PT e o PMDB tiveram grande reprovação: 96% e 81,8%, respectivamente, não confiam nos dois gigantes do planalto central. Já o PSDB se destacou como o partido que gera menos desconfiança — apesar de o número ainda ser alto. Dos perguntados, 47,6% não confiam nos tucanos, menor número entre os partidos levantados na pesquisa.

Único partido da Câmara sem ligação com as empreiteiras investigadas na Lava Jato, o PSOL, não passou despercebido e pouco mais de 93% dos entrevistados afirmaram não confiar ou confiar pouco na legenda.

A maioria dos manifestantes também se dizem contrários às cotas em universidades e ao Bolsa Família. 60,4% acham que o programa iniciado na gestão do ex-presidente Lula (PT) só financia preguiçosos. Apesar de 77,4% dos entrevistados se dizerem brancos, 70,9% acreditam que a implementação do programa de cotas gera mais racismo.

Algumas suposições mais delirantes também reinaram no ato na Avenida Paulista: 53,20% vêem o PCC como um braço armado do PT e outros 42,6% concordam que o Partido dos Trabalhadores trouxe 50 mil haitianos para votar na presidenta Dilma Rousseff nas últimas eleições.

O levantamento também apontou o blogueiro da Veja, Reinaldo Azevedo, e a apresentadora, Raquel Sherazade, como os comentaristas políticos que passam mais confiança aos manifestantes, sendo que 39,6% disse confiar muito em Azevedo e 49,4% em Sherazade.

Apesar da forte cobertura às movimentações nos últimos atos, a aprovação da imprensa foi baixa. Enquanto 21% confia muito nos veículos, 78,6% dos entrevistados disseram confiar pouco ou nada.

Os veículos de mais confiança foram a Veja e o Estado de S. Paulo. Respectivamente, 51,8% e 40,2% dos entrevistados afirmaram confiar muito nas duas mídias. Outros, como a Carta Capital, ficaram no esquecimento: 30,7% disseram nem conhecer a revista.

A pesquisa foi feita com base em 571 entrevistados por toda a extensão da Avenida Paulista, entre às 13h30 e 17h30 do último domingo. A margem de erro é de 2,1%.

Força Política

Para Ortellado a queda no número de manifestante não significa um fracasso dos protestos anti-governo. “100 mil pessoas na Paulista é o dobro do que a esquerda tem conseguido colocar na rua, quando se une e quando se esforça”, afirmou o professor em seu perfil do Facebook.

No contexto do último ato, o coordenador da pesquisa já havia apontado a força política da mobilização: “Se eu tenho 200 mil pessoas de classe média mobilizadas na rua, isso é extremamente assustador. Porque elas são muito mais poderosas do que 200 mil trabalhadores. São pessoas que tem acesso a recursos, tem influência política. Isso não é uma fraqueza, isso é uma força do ponto de vista político”.

 

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Assista a live: artistas e sociedade pelo impeachment

Artistas e Sociedade pelo Impeachment.Para potencializar nosso manifesto, realizaremos nossa segunda live: RE-EXISTÊNCIAS: REFLEXÕES SOBRE NOVOS IMAGINÁRIOS na próxima segunda-feira (31/05), às 18h, com transmissão cruzada pelos Jornalistas Livres e por vários outros canais (coletivos e perfis dos mesmos).

Cessar um genocídio: artistas pelo impeachment

Artistas pelo Impeachment fazem lançamento público de seu Manifesto num Encontro Virtual na próxima Segunda (10), às 18hs, pelo face, twitter e youtube dos jornalistas livres.
Já estão confirmados para o Encontro Virtual de Segunda-feira (10), às 18hs, ao vivo com artistas apoiadores como Ailton Graça, Ailton, Krenak, Anna Muylaert, Avelin Buniacá Kambiwá, Dira Paes, Edgard Scandurra, Eliane Brum, Elisa Lucinda, Emicida, GOG, Ivan Lins, Lucas Afonso, Luis Miranda, Malu Gali, Marcello Airoldi, Março Ricca, Maria Bopp, Matheus Nachtergaele, Nuno Ramos, Paulo Betti, Preta Ferreira, Renata Carvalho, Sandra Nanayna, Taciana Barroso e Zeca Baleiro, dentre possíveis outros.

>