Elsa pode ser lésbica e Damares não tem nada a ver com isso

Eu sou lésbica e sempre achei que Elsa também era

A ministra Damares Alves, responsável pelas pastas Mulher, Família e Direitos Humanos do Governo Bolsonaro, declarou que a princesa Elsa, personagem principal do filme Frozen, terminou a trama sozinha em um castelo de gelo porque é lésbica. No vídeo Damares ainda diz que “O cão está muito bem articulado e nós estamos alienados”.

Logo após o vídeo ser divulgado, a internet se levantou para questionar a ministra e dizer que Elsa não é lésbica. E essa defesa feroz de que Elsa é hétero está me incomodando demais.

Frozen veio para quebrar a velha história de que toda princesa precisa de um príncipe encantado para ser feliz. Na trama Elsa é uma irmã mais velha que nasceu com o dom de criar gelo e neve. Ainda criança, enquanto brincava com a irmã mais nova Anna, um acidente machuca a caçula. Como precaução os pais decidem separar as irmãs e pedem aos Trolls que apaguem as memorias de Anna sobre o acontecido. Elsa então se isola de todos para aprender a controlar seus poderes até o dia de sua coroação. Neste dia dois eventos importantes acontecem: 1) Anna, uma menina que cresceu sozinha, sai do castelo, conhece um rapaz e, como na maioria dos contos de fadas, acredita ter encontrado seu amor verdadeiro; 2) Quando Anna comunica à irmã que irá se casar com aquele rapaz que acabou de conhecer, Elsa se zanga por ver a ingenuidade da irmã e acidentalmente congela toda a cidade.

É neste momento que Elsa foge e se refugia em um castelo de gelo construído por ela mesma. Anna vai atrás da irmã e acaba atingida por um raio de gelo que congela seu coração. A única forma de a jovem sobreviver é um ato de amor verdadeiro. Ela então volta correndo para o castelo na esperança de que seu prometido lhe beije e descongele seu coração. O príncipe então diz que deixará que ela morra e que matará Elsa para se tornar rei. Elsa retorna em busca da irmã e quando o príncipe tenta matá-la, Anna, praticamente congelada, entra na frente e toma a espadada.

Este é o ato de amor verdadeiro, o amor de irmãs. Anna daria sua vida para salvar Elsa. Não tem beijo, não tem romance, não tem nada. Damares acusa Elsa de ser lésbica porque ela decidiu se isolar no castelo de gelo. Eu discordo. Elsa pode ser lésbica por outras razões, mas não por ter medo e se refugiar em um castelo sozinha. Mas Damares pode estar certa quando diz que Elsa é lésbica. E daí?

Elsa pode ser lésbica porque toda mulher pode ser lésbica. Do mesmo jeito que uma mulher pode ser hétero e não ter um príncipe num conto. Essa defesa de que Elsa é hétero só reforça que as pessoas vêem a lesbianidade como algo indefensável, como algo que precise ser dito que não é, que não é e que não é.

Sempre vi Elsa como uma mulher bem-resolvida, forte e LÉSBICA. Já passou da hora de os contos infantis retratarem a lesbianidade como algo normal. Alguns portais sobre cinema especulam que Elsa pode ser a primeira rainha lésbica da Disney na continuação da animação e eu acho isso o máximo.

Sua canção de libertação diz:

Este momento do filme, pra mim, sempre retratou o alívio de deixar pra trás toda a frustração de viver escondida. A metáfora me parece bem clara, o que aprisiona Elsa não é o gelo e sim a lesbianidade. O medo de machucar a irmã e os pais, o medo de não ser compreendida e aceita. O gelo é a materialidade do medo vivido por Elsa e por todas as mulheres lésbicas na sociedade: o medo da não aceitação. E perceber tudo isso me fez ter Frozen como animação preferida. Já me senti como Elsa e hoje Livre Estou.

Ministra Damares, parece que este tema pra você é uma obsseção. Não é a primeira vez que você fala sobre isso de forma tão “indiganada”. Torço para que a você se liberte desta obsessão e, se for o caso, possa se libertar, sair do armário deixando as frustrações pra trás e cantar Livre Estou. Te garanto a vida do lado de cá é uma delícia.

O medo das mulheres lésbicas não é restrito ao Brasil

No início de 2013, quando o filme foi lançado, diversos pastores o acusaram de “induzir crianças a homossexualidade”. O longa que ganhou o Oscar de melhor animação foi criticado pela primeira vez pelo pastor norte-americano em um programa de rádio. Kevin Swanson afirmou que Frozen trazia “perigosas mensagens da homossexualidade e da bestialidade para as crianças”. “Eu acho que esse filme bonitinho vai doutrinar minhas alunas de 5 anos de idade a se tornarem lésbicas” afirmou o pastor.

Categorias
AnáliseArtigoDebateDestaquesLésbicasLesbofobiaMulheres lésbicasOpinião