Confusão e desinformação atrasam apuração de eleição da Bolívia

Na falta do resultado oficial, a grande mídia acaba por inventar um.

Foto: Leonardo Milano / Jornalistas Livres

Por Martha Raquel Rodrigues e Leonardo Milano, direto da Bolívia, especial para os Jornalistas Livres 

A primeira parcial das eleições presidenciais da Bolívia saíu antes das 20h. Com 83% das urnas apuradas, Evo Morales, do Movimento ao Socialismo e atual presidente, tinha 45,28% dos votos. Seu principal concorrente Carlos Mesa, do Comunidade do Cidadão, tinha 38,16%. Segundo Antonio Costas, vice-presidente do Tribunal Supremo Eleitoral da Bolívia, a segunda parcial deveria sair às 22h e contaria com 90% dos votos apurados. O fato é que até agora ninguém sabe de quanto é a vantagem de Evo sobre o segundo colocado e, portanto, se haverá segundo turno.

Depois de mais de duas horas de atraso, um anúncio gerou muitas dúvidas na população e nos veículos de mídia que acompanhavam a apuração dos votos e aguardavam pelo resultado no Hotel Real Plaza, em La Paz. A contagem vinha sendo feita através dos relatórios de cada posto de votação. Mas os tribunais departamentais receberam, já no final da noite, a informação de que deveriam realizar a recontagem dos votos oficiais e por isso não poderiam fazer os dois processos ao mesmo tempo.

Outro fato que causou estranheza em quem acompanhava a apuração foi que a TREP, Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares, já havia divulgado, desde as 20h, o resultado da votação em outros países. De forma oficial, a contagem dos votos começou a ser anunciada depois das 23h.

As dúvidas geraram um clima de terrorismo. Enquanto diversos canais de televisão exibiam resultados não-oficiais em que diziam estar confirmado o segundo turno, Carlos Mesa tratou de dizer que temia fraudes nas eleições. Um pequeno grupo de menos de 10 pessoas apoiadoras de Carlos Mesa chegou a entrar no Hotel com palavras de ordem contra Evo Morales. A pequena panelinha chamou o atual presidente de assassino e diziam que a fraude já era certa.

Os grandes jornais, na falta do resultado, acabaram por inventar um: noticiaram que as eleições da Bolívia iriam para o segundo turno.

Quase perto de virar a noite veio o anúncio diretamente da presidenta do TSE, María Eugenia Choque: todos os votos deverão ser recontados e o resultado pode levar entre 2 e 7 dias para ser divulgado.

Categorias
América Latina e MundoBolíviaDemocraciaDestaques
2 comentários:
  • Adolar Adams
    21 outubro 2019 at 8:01
    Comente

    Quando tem um governo que trabalha em prol dos desassistidos , já vem a canalhada da direita inventar fraudes , coisa em que são especialistas

  • Rivelino
    21 outubro 2019 at 17:32
    Comente

    Se não houver uma reação mundial da esquerda,essa situação vai tornar-se comum, alguém acredita q se Haddad houvesse ganho a eleição, os milicianos aceitariam? A democracia está seriamente ameaçada.

  • Deixe uma resposta