Diário do Bolso: Não foi uma gripizinha e o 1º de abril

Finalmente percebi a gravidade de nossa situação. Finalmente entendi que não se trata de uma gripezinha, mas de uma doença terrível que atingiu milhões de pessoas.

Por José Roberto Torero*  CARTA ABERTA À NAÇÃO- 1º de Abril

“Eu, Presidente do Brasil, neste triste dia em que perdemos mais alguns milhares de brasileiros para esta grave pandemia, proclamo luto nacional, enviando a todas as famílias o meu mais profundo sentimento de solidariedade.

“Finalmente percebi a gravidade de nossa situação. Finalmente entendi que não se trata de uma gripezinha, mas de uma doença terrível que atingiu milhões de pessoas.

“Eu não sou coveiro, mas sou presidente, e tenho que fazer todo o possível para vencer essa doença e impedir mais mortes.

“Tenho que convencer os brasileirosa não se aglomerarem, tenho que convencê-los da importância de usar máscara, de lavar as mãos, de manter distanciamento.

“Confesso que errei. Subestimei a covid-19 e isso custou milhares de vidas. Mas, de hoje em diante, deixarei de lado as diferenças ideológicas e conversarei com todos os partidos, com todas as forças políticas. A hora é de união, não de intrigas. A saúde exige prioridade máxima!

“Tentarei, também, aumentar o auxílio emergencial. Cento e cinquenta reais é uma merreca, digo, é insuficiente. E avisodesde já que a conta tem que ser paga por aqueles que têm mais. Todos estamos sofrendo. Todos ficaremos um pouco mais pobres. Mas, para quem já tem pouco, isso pode significar fome.E, para quem tem muito, talvez nada mude.

“Digo também que tentaremos recuperar o tempo perdido e vamos atrás de mais vacinas, sejam elas chinesas, russas, inglesas, indianas, americanas ou marcianas. O vírus não tem passaporte.

“Esta pandemia é um problema meu, seu e de todos. Só juntos, sendo realmente uma nação, conseguiremos vencê-lo.

“Contem comigo, pois estou conto com cada um de vocês.

“Assinado: eu.”

E aí? Gostou, Diário? do 1º de abril

Kkk! É primeiro de abril! Estou trolando você! É claro que eu não ia falar essas bobalhices. Não sou mariquinha e comigo não tem mimimi.

Vamos em frente que ontem não morreram nem quatro mil.

Todo mundo junto e sem máscara!Pau na esquerdalha e fogo na Amazônia!

#diariodobolso

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

PS: O texto de hoje sobre o 1] de abril foi feito a partir de uma ótima ideia da leitora Suzi Jacques.

Homenagem no 1º de Abril

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: o jantar dos ricaços sem mulher

Diário, ontem teve um jantar chique em São Paulo com uns ricaços.
A gente não chamou o veio da Havan, que aquele terno verde ia estragar a foto. E também não convidamos nenhuma mulher, nem as nove bilionárias brasileiras, senão a gente não podia contar piada suja.

Diário do Bolso: batendo recorde atrás de recorde

Enfim, Diário, com um loquidaum nacional, a gente parava essa mortaiada maluca. Mas, como não posso assumir que errei, a crise vai ser bem mais longa do que podia ser.
E vão morrer mais uns sei lá quantos mil.

Diário do Bolso: pesquisa mostra Lula na frente

Saiu uma pesquisa daquele banco, o XP (o que será que quer dizer“XP”? Xô, Pobres?), e, no tocante à minha pessoa, os números foram horríveis.
Olha, Diário, eu nem ligo muito pra minha aprovação. O chato mesmo é que a parte eleitoral da pesquisa diz que o Nove Dedos passou na minha frente.
No primeiro turno, eu perco de 29% a 28%. E, no segundo, de 42% a 38%.