Diário do Bolso: levei uma surra do Lula

É que ontem eu levei uma surra do Lula. Daquelas com fio de ferro de passar roupa. É que eu fui olhar a audiência da minha live no Youtube e só tinha 167 mil views. Pô, o que aconteceu com o meu público? Morreu todo mundo? Já a conversa do Lula com o Reinaldo Azevedo, que foi no mesmo horário, tava com mais de um milhão e quatrocentos mil views. Eu sou ruim de conta de cabeça, mas acho que isso aí dá mais que o dobro.

Por José Roberto Torero* Diário, meu Diarinho, que tristeza…É que ontem eu levei uma surra do Lula. Daquelas com fio de ferro de passar roupa.

É que eu fui olhar a audiência da minha live no Youtube e só tinha 167 mil views. Pô, o que aconteceu com o meu público? Morreu todo mundo? que surra

Já a conversa do Lula com o Reinaldo Azevedo, que foi no mesmo horário, tava com mais de um milhão e quatrocentos mil views. Eu sou ruim de conta de cabeça, mas acho que isso aí dá mais que o dobro e que surra levei.

E eu tenho que confessar que eu fui um dos que viu. Só para ver o que o Nove Dedos falava.

Ele veio com aquela bobagem de que o Brasil tem que crescer, com aquela palhaçada de que se o pobre tiver dignidade todo mundo sai ganhando, essas coisas de esquerdalha.

Disse também que, mesmo sem dinheiro, se você tiver credibilidade e previsibilidade você consegue tocar o país o frente. Pô, e tem alguém com mais credibilidade e previsibilidade do que eu? Tem? Me responde, Diário! Tem? Me responde!

* * * * * * *

Foi mal, Diário, eu não devia ter jogado você no chão. Mas odeio quem não responde o que eu quero.

Bom, voltando à vaca fria, o Reinaldo Azevedo, que inventou o termo “petralha”, parecia apaixonado pelo Nove Dedos. Um verdadeiro lulático! Até imitou o cara. E o Lula chamou ele de “companheiro”.

Pô, por que os calhordas da imprensa não me tratam bem assim? Por quê? Olha, Diário, se eu pudesse, eu pegava todos os jornalistas e…

* * * * * *

Desculpa te amassar, Diário. É que o Lula me deixa meio desacorçoado…

Sabe que ele até me mandou um recado? Falou assim: “Deixe de ser ignorante, presidente. Pare de brigar com a ciência, pare de tentar falar com os seus milicianos. Fale para 210 milhões de pessoas”.

Ignorante? Eu sou ignorante? Já li muita coisa, pô! Pode perguntar qual o nome do cachorro do Sargento Tainha que eu respondo na hora. Pode perguntar qual o nome dos amigos do Recruta Zero que eu sei todos de cor!

Olha, Diário, o cara ainda jogou pra turma da direita, prometendo transformar várias estatais em empresas de capital misto e disse que, se o mercado tivesse juízo, iria até Aparecida do Norte para fazer promessa para ele voltar.

Desse jeito, em 2022, o Estadão, em vez de fazer um editorial que nem aquele “Uma escolha difícil”, vai fazer um com o título “Uma escolha muito fácil”.

Talkei? Não, não tá, não! foi uma surra

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

Bolsonaro vê entrevista de Lula

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: o jantar dos ricaços sem mulher

Diário, ontem teve um jantar chique em São Paulo com uns ricaços.
A gente não chamou o veio da Havan, que aquele terno verde ia estragar a foto. E também não convidamos nenhuma mulher, nem as nove bilionárias brasileiras, senão a gente não podia contar piada suja.

Diário do Bolso: batendo recorde atrás de recorde

Enfim, Diário, com um loquidaum nacional, a gente parava essa mortaiada maluca. Mas, como não posso assumir que errei, a crise vai ser bem mais longa do que podia ser.
E vão morrer mais uns sei lá quantos mil.

Diário do Bolso: pesquisa mostra Lula na frente

Saiu uma pesquisa daquele banco, o XP (o que será que quer dizer“XP”? Xô, Pobres?), e, no tocante à minha pessoa, os números foram horríveis.
Olha, Diário, eu nem ligo muito pra minha aprovação. O chato mesmo é que a parte eleitoral da pesquisa diz que o Nove Dedos passou na minha frente.
No primeiro turno, eu perco de 29% a 28%. E, no segundo, de 42% a 38%.