Diário do Bolso: o 31 de março e a invasão do Capitólio

-Eu chamo de “estado de mobilização nacional”. – Deixa pra lá. O importante é que já estou imaginando a beleza que vai ser o Palácio do Planalto invadido como o Capitólio. Mas, em vez daqueles palhaços vestidos de búfalo, vão ser milicianos e PMs armados. E o Exército só vai assistir e dar uma piscadinha de olho.

Por José Roberto Torero*  Uma nova invasão do Capitólio. Diário, a minha bexiga é pequena, então eu sempre acordo no meio da noite para fazer xixi. Hoje, quando eu levantei, tomei o maior susto: tinha um cara, em pé, no canto do meu quarto! E de óculos escuros!

– Quem é você? – eu perguntei.

– Não tá me reconhecendo, capitão? Ah, que dor! Estou chocado… Vou me afogar em lágrimas.

Dor? Chocado? Afogar? Claro, era ele!

– É o grande coronel Ustra, em carne e osso!

– Na verdade, em espectro e óculos escuros.

– A que devo a honra?

– Vim lhe dar uns parabéns e uns conselhos.

– Sou todo ouvidos – eu disse puxando as orelhas para fora.

– Vou começar pelos parabéns. Gostei muito das trocas nos ministérios. Tirar o Fernandinho da Defesa foi ótimo. O Braga Netto vai fazer o que você mandar. E trocar os comandantes das Forças Armadas também será bom. Vai deixar o pessoal com medo. Isso é importante. Como é mesmo aquele ditado que o nosso pessoal vive repetindo?

– “Que odeiem, desde que temam”?

– Isso mesmo! Também gostei das trocas na Justiça. O garoto da Advocacia Geral da União era muito certinho. E quem é muito certinho não faz as coisas certas, se é que você me entende.

– Entendo.

– Colocar um delegado da Polícia Federal no Ministério da Justiça foi outra grande sacada. Ele é amigo do Rachadinho, digo, do Flavinho e vai proteger o seu garoto. Mas, melhor que isso, vai te proteger na parte legal do negócio.

– Que negócio?

– O golpe.

– Eu chamo de “estado de mobilização nacional”.

– Tanto faz. A pólvora teria o mesmo cheiro se se chamasse rosa.

– Hein?

– Deixa pra lá. O importante é que já estou imaginando a beleza que vai ser o Palácio do Planalto invadido como o Capitólio. Mas, em vez daqueles palhaços vestidos de búfalo, vão ser milicianos e PMs armados. E o Exército só vai assistir e dar uma piscadinha de olho.

– Por isso que já estou falando mal das urnas eletrônicas.

– Ótimo! Continue assim. Tem que manter esse clima de conspiração eterna. Bom, tenho que ir. Feliz 31 de março! Viva a Gloriosa!

– Viva!

Aí ele desapareceu, deixando um cheirinho de enxofre no ar. Só então percebi que eu estava todo molhado. Mas não pelas lágrimas de emoção por ver o coronel ao vivo, quer dizer, ao morto. Estava molhado por causa de minha bexiga pequena. E uma nova invasão do Capitólio?

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

PS: A ilustra (viram o detalhe nos óculos?) é do Ivo Minkovicius

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.