Diário do Bolso: como me incomoda o dedodurismo

E esse vídeo do Pazuello apertando mão dos caras que iam vender a Coronavac pelo triplo do preço? Precisava espalhar? Vídeo de reunião secreta e pum em elevador a gente não solta.

Por José Roberto Torero

Diário, tem uma coisa que me incomoda mais que o meu intestino presidiário.

É o dedodurismo.

Pô, não tem nada que ficar dedurando os outros. Já não basta o tal do exame de próstata?!

No Brasil, o dedodurismo se espalha mais rápido que a covid.

Pra começar, olha os irmãos Miranda. Eles tinham que contar que tinham me contado da corrupção na compra da Covaxin? Claro que não. Deixa quieto!

Depois tem o tal de Dominghetti. Ele até parecia que ia ajudar, mas acabou incriminando meia dúzia de coronéis.


E esse vídeo do Pazuello apertando mão dos caras que iam vender a Coronavac pelo triplo do preço? Precisava espalhar? Vídeo de reunião secreta e pum em elevador a gente não solta.


Mas não é só comigo que praticam o dedodurismo. A viúva do Adriano também abriu o bico e dedurou que quem mandou matar a Marielle foi a milícia que controla a comunidade Gardênia Azul. Pô, se ela for falar tudo o que sabe do Adriano, cara que o Flavinho homenageou e que eu defendi em discurso na Câmara, isso aí vai dar problema.

Outro exemplo: a mulher do DJ Ivis precisava dedurar o cara com aquele vídeo? Pô, em briga de marido e mulher, ninguém mete a câmera! Aliás, gosto muito daquela música dele chamada “Esquema preferido”.


Tem até dedo-duro eletrônico, que é o placar de votação. A Carla Zambelli fez um discurso ótimo contra o aumento do fundo eleitoral, dizendo que aquilo era “inaceitável” e que a população “não merecia esse escárnio”. Mas aí mostraram que ela votou a favor do treco. Dedodurismo digital!


E isso sem falar nos dedoduristas históricos, como o Paulo Marinho, que contou que o Flavinho sabia da investigação da rachadinha; como o Moro, que contou que eu queria interferir na PF; e como a Joice Helmanns, que contou que eu falei, uma semana antes do negócio com o Adélio, que se eu levasse uma facada ganhava a eleição.

Diário, o dedodurismo é um mal que se espalha pelo Brasil de Nordeste a Sudeste (não é de Norte a Sul porque essas regiões aí ainda estão comigo, talkei?).


Pra encerrar bonito a página de hoje, vou colocar aqui um versículo que está na minha bíblia (porque eu escrevi ele a mão, no cantinho): “Se não conhecereis a verdade, ela não me incomodará”.

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.


#diariodobolso

O dedurismo

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

eprodução da capa do site Outsports

Olimpíada sem sexo? Conte outra que essa não cola

Tóquio em tempos de pandemia estão tentando de tudo para impedir que os atletas façam sexo durante as duas semanas de competições. Como se, ao proibir sexo, fosse possível evitar, ou mesmo minimizar, o contágio pelo coronavírus.

>