Diário do bolso: a capivara do Cascavel na Saúde

Em resumo: ele fez grilagem, vendeu sem licitação, levou multa por crime ambiental, foi pego tentando subornar um funcionário público e é um fazendeiro que não entende patavinas de medicina. Tá, isso são fatos. Mas dizer que por causa desses detalhes o Cascavel não pode ser um dos bambambãs do Ministério da Saúde é interpretar as coisas. Aí não pode, pô!
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero*  Diário, o Pazzuelo tá certo: a imprensa não tem que interpretar nada. Tem só que contar os fatos e pronto! Ainda mais falar da capivara do Cascavel no Ministério da Saúde….

Por exemplo, a agência Sportlight disse que o braço direito do Pazzuelo, o tal de Airton Cascavel, quando era prefeito de Mucajaí (RR),foi acusado de tentar subornar o delegado de agricultura com cinco mil cruzados para conseguir uma caminhonete modelo D-10.

E fez isso por escrito. Ele deu um cartão de visitas pro cara e escreveu no verso: “Dôo-lhe CZ$5.000(cinco mil cruzados) para me doar a D-10 2421306. Estude”.

O cartão foi submetido a exame grafotécnico e viram que ele foi mesmo escrito pelo Airton Antônio Soligo, que é o nome do Cascavel.

O Ministério Público de Roraima fez a denúncia, mas o Cascavel conseguiu enrolar o treco até ele caducar.

Fora isso, o Cascavel também é acusado por grilagem da “Fazenda Brasilândia” junto com o Rodrigo Jucá, filho do Romero Jucá.

E nessa fazenda ele produziu polpa de fruta que foi vendida sem licitação para merenda escolar.

Tem mais: para impedir a entrada dos sem-terra na sua fazenda, ele cavou uma vala em área de preservação, cometendo crime ambiental.

A Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Femarh) multou o Cascavel. Mas aí (olha só como são as coincidências da vida) ele foinomeado pelo interventor de Roraima para comandar aprópria Femarh.

O Cascavel (por que será que ele tem esse apelido?) chegou a tomar posse do cargo, mas a Assembleia Legislativa recusou sua indicação por 14 votos a 9. A culpa foi dos servidores da Femarh, que disseram que denunciaram oconflito de interesses e no dia da votação lotaram o plenário da ALERR.

Em resumo: ele fez grilagem, vendeu sem licitação, levou multa por crime ambiental, foi pego tentando subornar um funcionário público e é um fazendeiro que não entende patavinas de medicina. Tá, isso são fatos. Mas dizer que por causa desses detalhes o Cascavel não pode ser um dos bambambãs do Ministério da Saúde é interpretar as coisas. Aí não pode, pô!

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

a capivara

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do bolso: esse Lira eu toco

É que em 2012, seu assessor parlamentar Jaymerson José Gomes foi detido pela Polícia Federal no Aeroporto de Congonhas com dinheiro escondido embaixo da roupa.

E, por causa disso, seis anos depois a Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou o Lira por lavagem de dinheiro e corrupção. Mas até agora não deu em nada. Isso mostra que ele também é experiente em enrolar a justiça, o que é muito importante.

Diário do bolso: Clipe do desgoverno. E daí?

O que importa é que o treco tem muito desenho e foto, e conta um monte de coisa que eu disse e fiz.

Essa homenagem foi como um exame de próstata: me tocou fundo. Até chorei…

Vou mandar a Secom espalhar em tudo quanto é canto. Essa beleza tem que viralizar! As pessoas precisam conhecer o meu verdadeiro eu, pô!

Diário do bolso: sonho com o novo Brazil

Começou que não veio vacina nenhuma pro Brasil. Aí, todos os esquerdovacinistas pediram asilo na Argentina. E os mariquinhamascaristas se mudaram para Portugal. Só sobramos nós, os bolsocloroquinos.

Morreu uma montanha de velhos, gordos e pobres. Mas tudo bem. Esses comorbidosos atravancavam o progresso do Brasil.

>