Thiago Brennand, que agrediu modelo, é preso pela Interpol em Dubai

Brennard estava foragido há mais de um mês e responde por mais de 10 denúncias

O empresário e agressor Thiago Brennand teve prisão decretada pela Polícia Federal (PF) devido à agressão nos Emirados Árabes Unidos na tarde de ontem (13). A ação da PF aconteceu em conjunto à Interpol e conversas a respeito do transporte de Thiago ao Brasil estão sendo realizadas.

Por Júlia Galvão


Brennand é foragido da polícia desde o dia 3 de setembro, quando viajou para Abu Dhabi após ser denunciado pela agressão da modelo Helena Gomes. 

O caso aconteceu na academia Bodytech do Shopping Iguatemi. Thiago já havia sido agressivo com a modelo em outras ocasiões após ela recusar os convites feitos pelo empresário para sair em encontros com ele. Helena já havia denunciado o comportamento violento do herdeiro, mas nada tinha sido feito pela academia até o dia da agressão.

Após a cena de violência, a modelo denunciou o ocorrido para a polícia que abriu um inquérito de investigação sobre o caso. Thiago saiu do Brasil na madrugada de domingo (04/10), foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo e estava foragido desde então.

Após as circulação de notícias sobre o caso, surgiram mais de 10 novas denúncias, entre os anos de 2017 e 2022, a respeito de agressões parecidas de Thiago contra mulheres. A família do empresário também já declarou o medo e falta de afinidade que possuem por Brennand.

O empresário estava com o retorno ao Brasil programado apenas para o dia 18 de outubro, segundo seus advogados. No dia 9, a promotoria deu um prazo de 10 dias para que ele retornasse, o que não aconteceu. Assim, Thiago teve sua prisão decretada por não ter se apresentado na data marcada. 

O empresário segue negando todas as acusações, mesmo com a presença de vídeos que mostram a agressão. Ao voltar ao Brasil, Thiago Brennand terá que responder por lesão corporal, tentativa de feminicídio e corrupção de menores. 12:01

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Bolsonaristas ameaçaram matar repórter dentro do Senado

“Encostaram uma arma na minha cintura, dizendo que eu ia morrer. Outro encostou em meu ouvido e disse que tinha outra arma nas minhas costas. Senti algo, como um pequeno cano. E não paravam de me xingar com diversos palavrões. Comecei a implorar pela minha vida”