Diário do bolso: as sete coisas ruins

E, só pra encerrar, tem até poeta fazendo versinho contra mim. Dessa vez foi um tal de Augusto de Campos, que dizem que é concretista (será que é um pedreiro lá de Campos dos Goytacazes?). A poesia é assim: “Já ir/ Já foi/ Já vai/ Já era/ Jair”. Se não fosse comigo, até que eu achava engraçado.

Por José Roberto Torero* ¢@%@£#*! É isso mesmo, Diário. Hoje tive que começar com um palavrão. É que ontem aconteceram sete coisas ruins pra mim. Sete é conta de mentiroso, mas juro que foi isso mesmo.

Vai a lista das sete coisas ruins:

1-) Pra começar, o Fachin suspendeu o fim das taxas sobre importação de armas. Pô, o cara é economista agora? Vai se meter no meu negócio? Que raiva! Também, com um nome desses, ele deve gostar é de faca. Abaixo o Fachin, viva o revolvim!

2-) O Biden ganhou mesmo a eleição dos EUA. Vou ter que escrever um bilhetinho pro cara. Mas não quero dar mole, não. Acho que vou mandar um treco tipo: “Ok, você venceu, mas meu coração não é seu”. Até rimou, pô! É poesia de protesto que chama?

3-) Saiu o IDH de 2019, o tal do Índice de Desenvolvimento Humano. O Brasil caiu umas posições. Agora estamos em 84º lugar. Mas e daí? O que importa é o lugar em que a gente vai ficar na Copa do Mundo.

4-) Parece que vão me investigar no Tribunal de Haia. E por causa de índios! Pô, por um motivo tão pequeno… Se ainda fosse pela pandemia. Tem que ver isso direito.

5-) A Cármen Lúcia deu 24 horas pro Augusto Heleno e o Ramagem explicarem os relatórios feitos pro Flavinho. A gente vai dizer que a Abin não sabia de nada. Tanto que foi tudo digitado diretamente no zap-zap e o linguajar não é igual o dos agentes abinistas. O ruim é que as advogadas do Flavinho já confirmaram que o documento veio da Abin. E a gente seguiu três das cinco coisas sugeridas pelo relatório. Mas vamos fazer aquela cara de “Quem peidei? Não sei quem fui” e tudo bem.

6-) Uns famosos morreram de covid esses dias, tipo o técnico de futebol Marcelo Veiga, o ator Eduardo Galvão, e os caras do Roupa Nova e do Fundo de Quintal. Isso é ruim, porque fica na cara que a pandemia tá crescendo. Quando o defunto não é conhecido, tudo bem, porque não dá manchete. Mas esses famosos deixam o clima meio chato.

7-) E, só pra encerrar, tem até poeta fazendo versinho contra mim. Dessa vez foi um tal de Augusto de Campos, que dizem que é concretista (será que é um pedreiro lá de Campos dos Goytacazes?). A poesia é assim: “Já ir/ Já foi/ Já vai/ Já era/ Jair”. Se não fosse comigo, até que eu achava engraçado.

Fui!

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

Ilustração: Ivo Minkovicius

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.