Diário do Bolso: Ludhmila é carta fora do baralho

É isso mesmo, Diário. A Ludhmila é carta fora do baralho. Totalmente! Na conversa de ontem tava toda metida a sabida, dizendo "tem que fazer isso", "não pode receitar aquilo ...". Pô, não é porque ela é médica que entende mais de medicina do que eu, talkei

Por José Roberto Torero*  Diário, haja o que hajar, essa Ludhmila Hajjar não vai ser minha ministra. Ela é contra a cloroquina, a favor do loquidaum, conversou com a Dilma, me chamou de psicopata num áudio aí, tirou foto com o Rodrigo Maia e não gosta de palavrão. Pô, já pensou como ela ia ser chata numa reunião ministerial?

Imagine que a Ludhmila nem riu da minha piada sobre exame de próstata. E era das boas. Eu até fiquei de pé pra contar. Ela era assim: “O médico tava fazendo exame de próstata no paciente. Aí o paciente disse: ‘Doutor, eu vou gritar’. O médico respondeu: ‘Não grite, não, por favor, que vai assustar o pessoal que está esperando na recepção’. Mas o paciente não aguentou e gritou: ‘Ooooooooooo, isso aqui tá bom demais!’”.

Pô, fiz uma cara ótima quando disse o “oooooooo”. Revirei os olhos, fiz biquinho e joguei as duas mãos pra trás. Eu e o resto do pessoal caímos na gargalhada. Ela nem tchuns. Aí não dá. Quem é que vai querer um ministro que não ri das piadas do presidente?

Fiquei três horas falando com a mulher. Em pleno domingo! Perdi o jogo das quatro e as videocassetadas. Eu tava bem otimista com ela. Tanto que o meu pessoal já começou o dia soltando o boato que o Pazuellotava doente e ia pedir demissão. Mas aí a conversa com a doutora não deu certo e o Pazuello teve que desmentir o boato e dizer que estava bem.

Acho que vou escolher o tal do Queiroga ou o Doutor Luizinho. Eles são mais políticos. O Queiroga se elegeu presidente dos cardiologistas. E o Doutor Luizinho já é deputado. Essa turma vai ter mais jogo de cintura e não vai dizer que eu fiz tudo errado até agora.

É isso mesmo, Diário. A Ludhmila é carta fora do baralho. Totalmente! Na conversa de ontem tava toda metida a sabida, dizendo “tem que fazer isso”, “não pode receitar aquilo …”. Pô, não é porque ela é médica que entende mais de medicina do que eu, talkei?

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

A queda de Pazuello?

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.