Impeachment. Manifesto de alunos e ex-alunos da FGV

Alunos e ex-alunos da FGV reuniram nomes da esquerda e da direita em manifesto pelo impeachment de Bolsonaro
impeachment
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Abaixo-assinado pelo impeachment de Bolsonarose soma ao das Faculdades de Medicina, Direito e Escola politécnica da Universidade de São Paulo (USP), e outras instituições de ensino.

Na carta, os alunos e ex-alunos da FGV manifestam a “urgente necessidade de instauração do processo de impeachment do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro”, criticam o governo por “omissão e negligência”.

Alunos e ex-alunos da FGV conseguem reunir nomes da esquerda e da direita em manifesto pelo impeachment de Bolsonaro

O texto é assinado por mais de 650 alunos, ex-alunos e professores ligados à instituição. Entre os nomes estão os ex-ministros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Guido Mantega, ex-Diretor do Banco Central e BNDES André Lara Resende, vereador Eduardo Suplicy (PT-SP), ex-secretário estadual Daniel Annemberg (PSDB-SP), Deputada Estadual Marina Helou (REDE-SP), empresário e ambientalista Ricardo Young, professor e filósofo Silvio Luiz de Almeida, ex-secretária adjunta de Cultura Regina Pacheco, ex-Diretor do FMI (Fundo Monetário Internacional) Paulo Nogueira Batista Junior, juristas Carlos Ari Sundfeld e Lígia Maura Costa e Cientista Político, Professor Fernando Limongi e Oded Grajew, fundador da Rede Nossa São Paulo.

“Jair Bolsonaro governou apenas para alguns, colocando-se de costas para a maioria do povo brasileiro. Suas ações irresponsáveis foram combustíveis que retiraram a razão do debate público e minaram o diálogo como ferramenta política, substituindo-o pela perseguição à ciência e à opinião pública e, pela mentira como arma política propagada em redes sociais”, afirma o manifesto.

Outros abaixo-assinados pedindo o impeachment de presidente foram divulgados nos últimos dias, entre eles o dos ex-alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da USP. Outro foi elaborado por ex-alunos da Escola de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Um terceiro da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e o mais recente por ex-alunos da Escola Politécnica da USP.

A carta de alunos e ex-alunos da FGV é lançada justamente no dia seguinte ao fim de semana de manifestações que pediram o impeachment do presidente em carreatas em 23 capitais e no distrito federal. O ato do sábado foi impulsionado por partidos de esquerda, enquanto o de domingo, foi puxado por grupos à direita, inclusive aqueles ligados ao impeachment de Dilma Rousseff.

O manifesto, que fala ainda sobre o “desejo de uma nação unida pela superação das desigualdades, tolerante para a convivência entre visões políticas distintas”, finaliza cobrando que o Congresso Nacional cumpra seu dever “de proteger nossa Constituição, a própria República, suas instituições e valores, bem como o direito à vida de cada um das brasileiras e brasileiros”.

Alunos e ex-alunos da FGV conseguem reunir nomes da esquerda e da direita em manifesto pelo impeachment de Bolsonaro

.

Para acessar o Manifesto, entre aqui:

Manifesto pelo Impeachment

Leia também:

https://jornalistaslivres.org/religiosos-pedem-impeachment-de-bolsonaro/

https://jornalistaslivres.org/manifestacao-em-brasilia-pelo-impeachment-de-bolsonaro/

https://jornalistaslivres.org/gestao-de-bolsonaro-do-coronavirus-e-reprovada-por-64-e-45-se-dizem-a-favor-de-impeachment/

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

ABI pede debate sobre impeachments

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) conclama o presidente da Câmara dos Deputados a colocar em pauta os processos de impeachments, encaminhados por esta Entidade, dos principais responsáveis pela crise dramática por que passa o país: o presidente e ex-capitão Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello.

A imprevisibilidade da política como ação humana

Cientista político sério não cai na armadilha de fazer projeções sobre o futuro. O erro que podemos cometer é de identificação parcial de tendências quando deixamos de enxergar uma probabilidade política

>