Diário do Bolso: Pesadelo com Oswaldo Cruz e Lula

- Seu direito é levar uma surra, seu ridículo! – ele disse, jogando uma lata de leite condensado na minha cabeça. Passei a mão na testa para limpar um pouco. Depois, enquanto chupava os dedos, falei: - Posso ser ridículo, mas não sou mariquinha. Tem que enfrentar o vírus, pô! - Enfrentar o vírus é ficar em casa e usar máscara, mequetrefe! - Não vou tolerar ser xingado por uma nota de cinquenta cruzados. Você não vale nada! Aí o Oswaldo me deu um joelhaço no meio das pernas e eu caí no chão.

Diário, estou todo dolorido. Não sei se foi pesadelo, encosto ou assombração, mas essa noite eu levei uma surra de um ser misterioso.

Foi assim: eu estava dormindo no sofá da sala, porque fiquei jogando “Plague” até tarde (nesse jogo a gente tem que espalhar um vírus e destruir toda a humanidade). Lá pelas tantas, levo um tapão na cabeça e acordo. Pensei que era a Michelle, mas não. Era um cara com cabelo branco e bigode preto.

Não perdi tempo e já fui atirando nele.

– Não adianta disparar com o controle do videogame. Olhe bem pra mim. Não está me reconhecendo?

– Peraí… Já sei! É o cara da nota de cinquenta cruzados! Não fala, não fala, vou lembrar seu nome. É Einstein? Samaritano?

– É Cruz! Oswaldo Cruz!

– Arrá!,eu sabia que era o nome de um hospital. O que você veio fazer aqui?

– Vim tentar enfiar na sua cabeça que você precisa vacinar todo mundo.

– E vou comprar vacina onde? Só se for na casa da sua mãe!

– Mais respeito, vagabundo! – e aí ele me deu uma baita bofetada. Se eu fosse um desenho, minha cabeça tinha dado um monte de voltas. – Deixa de ser mentiroso! Você não comprou mais vacina porque não quis. A Pfizer te ofereceu 70 milhões de vacinas em agosto e você fez de conta que não escutou. Depois o consórcio da OMS ofereceu vacinas pra cobrir 50% da população. Mas você quis o mínimo: 10%.

– E daí? Mesmo assim o Brasil é o país que mais vacina, pô!

– Outra mentira! Estamos em 6º. lugar. E, na média por habitante, em 47º. Mas esse número ia ser bem pior se dependesse de você, porque três em cada quatro vacinas são da Coronavac.

– Calma, pressa pra quê?

– Pra não morrer gente, seu chupador de lata de leite condensado!

– Olha, eu não matei ninguém! Numa pandemia cada um tem que cuidar de si mesmo.

– É exatamente o contrário. Numa pandemia todo mundo é responsável por todo mundo!

– Você é comunista, Oswaldo Cruz?

– Não. Sanitarista! E em 1904 eu enfrentei um problema parecido. Boa parte do povo se revoltou contra a vacina.

– Por que o povo não quis tomar a vacina? – eu perguntei.

– Espalharam o boatode que quem fosse vacinado ficava com cara de vaca.

– Kkk! Ótimafeiquenius! Mas prefiro a do jacaré.

– O quebra-quebra durou uma semana. Bondes foram queimados, mais de 700 lampiões a gás foram quebrados, barricadas foram levantadas, houve assaltos, saques e tiroteios.

– Dessa balbúrdia eu gosto!

– O senador Lauro Sodré, que era capitão do exército e antivacina, tentouaté dar um golpe.Ele convenceu os cadetes da EscolaMilitar da Praia Vermelha a marcharem até o palácio do governo para depor o presidente Rodrigues Alves. Mas uma tropa legalista apareceu no meio do caminho. Os dois grupos trocaram tiros na rua da Passagem, que estava às escuras por causa dos lampiões quebrados. O Lauro Sodré fugiu e as duas turmas debandaram.

– Se os cadetes, o exército e a milícia estivessem do mesmo lado, tinha dado certo, pô!

– Se um golpe dá certo é porque o país deu errado. No final das contas, 945 pessoas foram presas, 30 morreram, houve 110 feridos e 461 deportados para o estado do Acre.

– E o Lauro?

– Foi anistiado. É sempre assim…

– Suspenderam a vacinagem?

– Sim. Mas em 1908 houve uma grande epidemia de varíola e o povo correu pra se vacinar.O pior é que já se passaram mais de cem anos e ainda tem gente contra a vacinação. 

– Eu sou um desses. Não me vacinar é meu direito, talkei?

– Seu direito é levar uma surra, seu ridículo! – ele disse, jogando uma lata de leite condensado na minha cabeça.

Passei a mão na testa para limpar um pouco. Depois, enquanto chupava os dedos, falei: – Posso ser ridículo, mas não sou mariquinha. Tem que enfrentar o vírus, pô!

– Enfrentar o vírus é ficar em casa e usar máscara, mequetrefe!

– Não vou tolerar ser xingado por uma nota de cinquenta cruzados. Você não vale nada!

Aí o Oswaldome deu um joelhaço no meio das pernas e eu caí no chão. Quase desmaiei. Mas deu pra ver ele desaparecendo e falando assim:

– Onde está, afinal, a civilização? Será que ela se restringia a uma delgada camada, revestindo precariamente a lava incandescente da barbárie?

#diariodobolso

PS: Pô, Diário, tapa na cara mesmo foi a volta do Lula. Ainda nem sei o que pensar. Será que é bom, porque aí polariza a coisa de vez? Será que é ruim, porque o Moro pode escapar de ser considerado imparcial e virar vice de alguém, tipo o Mandetta ou o Huck, e aí vai ter uma chapa antiLula eantieu? Será que é bom, porque aí o pessoal para de falar nas mortes da covid? Será que é ruim, porque segundo uma pesquisa aí, o Lula é o único cara que pode me vencer? Ah, Diário, o que será que será…?

Lula Livre. Ilustra de Ivo Minkovicius.
Oswaldo Cruz. Ilustra de Ivo Minkovicius.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

>