Agressão de Augusto Nunes contra Glenn Greenwald: Vergonha, Abraji!

Abraji emite nota covarde sobre agressão de Augusto Nunes a Glenn Greenwald
Abraji emite nota covarde sobre agressão de Augusto Nunes a Glenn Greenwald

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) emitiu uma nota covarde e abjeta, sobre a injustíssima agressão de Augusto Nunes a Glenn Greenwald, ontem (07/11), durante o programa de rádio Pânico, da Jovem Pan.

Esquivando-se de apontar o verdadeiro agressor (Augusto Nunes), a entidade dos “jornalistas investigativos” ainda teve o desplante de desmerecer: “A Abraji emite notas sobre ameaças a jornalistas no exercício da profissão. O debate ocorrido na emissora não corresponde a esse parâmetro”.

Não, dona Abraji, não é o “debate” que se configura em ameaça. É o tapa, o cala-boca físico do machão canalha, querendo se impor pela força física, depois de ser chamado de covarde por Glenn.

Para piorar, A Abraji tenta lançar a responsabilidade pela “violência” à “onda de reações que se seguiu ao episódio” —”episódio” é como a Abraji chama um soco. Ah, essa novilíngua.

É uma boa tentativa de passar o pano na covardia de Augusto Nunes, mas não engana ninguém. Os fascistas nas redes sentiram-se autorizados a partir para a hostilidade aberta contra Glenn Greenwald pela atitude infame de Augusto Nunes.

Qualquer veículo sério, em um país democrático, sentir-se-ia eticamente obrigado a demitir um jornalista que partisse para o ataque físico contra um entrevistado. É incrível, por isso, que a entidade que supostamente defende o jornalismo investigativo opte por emitir uma nota desprezível e medrosa contra uma agressão dessa monta ao jornalista investigativo mais relevante nesta quadra da História brasileira, Glenn Greenwald.

De novo, o que preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio conivente dos que se julgam bons. Vergonha, Abraji!

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Bolsonaristas ameaçaram matar repórter dentro do Senado

“Encostaram uma arma na minha cintura, dizendo que eu ia morrer. Outro encostou em meu ouvido e disse que tinha outra arma nas minhas costas. Senti algo, como um pequeno cano. E não paravam de me xingar com diversos palavrões. Comecei a implorar pela minha vida”