Policial é suspeito de enforcar criança que teria dito palavras de apoio a Lula

Um policial militar de 55 anos é suspeito de enforcar uma criança de 6 após ela dizer “Lula lá, em Minas Gerais, no dia das eleições (30/10)

Um policial militar reformado é suspeito de enforcar uma criança que teria declarado apoio a Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O caso aconteceu em Divinópolis, município localizado na região centro-oeste de Minas Gerais, no dia das  eleições (30/10). O menino chegou a desmaiar com a agressão do policial.  

Reisla Naiara Gomes, mãe da criança, utilizou as redes sociais para denunciar o ocorrido. Segundo o Boletim de Ocorrência, a criança teria ido até uma padaria próxima de sua casa, quando foi abordada pelo policial. O homem, de 55 anos, perguntou ao menino, de 6 anos, sobre política. A criança respondeu “Lula lá”, e foi enforcada pelo policial militar, que só parou quando o menino ficou inconsciente. 

“Lá estavam o agressor, a mãe do agressor e o pai do agressor. Eles estavam discutindo Lula e Bolsonaro. Meu menino passou, o agressor passou a mão na cabeça dele e falou: ‘Você é Bolsonaro, você tem cara de ser Bolsonaro’. Aí meu menino falou: ‘Eu sou Lula lá’. No que ele falou, ele pegou meu filho pelo pescoço e enforcou meu filho, deixando ele sem ar até ele desmaiar. Quando ele desmaiou, que ele soltou meu filho. Machucou o cotovelo dele”, relatou  a mãe ao jornal O Estado de Minas. 

Em nota, a Polícia Militar, que foi a primeira a prestar socorros a criança, confirmou que foi chamada na noite de domingo (30), e que a agressão ocorreu às 9 da manhã. “De imediato, os policiais militares prestaram assistência à criança e a conduziram para o atendimento médico. As equipes se deslocaram até a residência do suposto autor com o escopo de adotar as providências, porém, este não foi localizado. O registro foi encerrado e entregue à Delegacia de Polícia Civil, tendo em vista o suposto fato se tratar de crime comum.”, informou a polícia.

A Polícia Civil de Minas Gerais informou que abriu um inquérito para investigar o ocorrido. 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A nova fase do bolsonarismo

Por RODRIGO PEREZ OLIVEIRA, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia O ato de 25/2 inaugurou um novo momento na história da

Cultura não é perfumaria

Cultura não é vagabundagem

No extinto Reino de Internetlândia, então dividido em castas, gente fazedora de arte e tratadas como vagabundas, decidem entrar em greve.