Vitórias em candidaturas progressistas

Mesmo com o avanço do bolsonarismo na política brasileira, bancadas progressistas tiveram importantes conquistas

Após uma decepção diante dos resultados contrários aos que indicavam as pesquisas e eleições de candidatos aliados ao bolsonarismo, algumas outras vitórias serviram como  luz no final do túnel. A esperança para um Brasil mais democrático e inclusivo está nas conquistas de candidaturas progressistas, que fizeram história nas eleições de 2022. 

Por Beatriz Pecinato e Raquel Tiemi

No estado de SP, Guilherme Boulos (PSOL) foi o candidato a deputado federal mais votado com mais de 1 milhão de votos. Além disso, seu partido, Partido Socialismo e Liberdade, bateu recorde ao eleger a maior bancada da sua história com 14 deputados federais. Ao encontro desse avanço, grandes expoentes da direita não conseguiram se eleger, como Nise Yamaguchi (PROS) e Eduardo Cunha (MDB). 

Candidaturas existencialistas eleitas 

O avanço também foi registrado através de nomes inéditos na política que representam grupos marginalizados pela estrutura histórica vigente no país. As apurações deste domingo (02) destacaram a vitória de candidaturas existencialistas. 

Algumas candidatas LGBTQIA+ eleitas foram Erika Hilton, primeira deputada federal trans negra (PSOL-SP), e Duda Salabert (PDT-MG), também primeira trans eleita ao Congresso Nacional. Outro nome importante foi Fábio Felix (PSOL) que, mesmo em uma região com grande força bolsonarista, conseguiu conquistar o posto de parlamentar mais votado do Distrito Federal. 

Em candidaturas indígenas, a vitória mais notável consagrou Sonia Guajajara (PSOL-SP) como deputada federal e a mulher indígena mais votada do Brasil. 

A representação negra na política também foi outro grande expoente ao eleger mulheres, como Dandara Tonantzin (PT-MG), Olívia Santana (PCdoB-BA), Andréia de Jesus (PT-MG), Carol Dartora (PT-PR), Jack Rocha (PT-ES).

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra também conseguiu eleger seus candidatos. Entre eles, Rosa Amorim (PT-PE), Marina do MST (PT-RJ), Valmir Assunção (PT-BA), Marcon (PT-RS), Adão Pretto (PT-RS) e Missias do MST (PT-CE). 

Entre as candidaturas PcD, não houve vitórias, porém, a deputada estadual Andrea Werner (PSB-SP) ativista pelos direitos dessa parcela da sociedade foi eleita. 

Já em candidaturas feministas, alguns nomes eleitos foram Livia Duarte (PSOL-PA), Denise Pessôa (PT-RS), Daiana Santos 6565 (PCdoB – RS), Laura Sito 13300 (PT – RS). 

Mesmo com um desfecho incerto sobre o segundo turno da presidência e um avanço do bolsonarismo na política do país, essas vitórias mostram que o Brasil não está perdido. Ainda há esperanças por um futuro melhor.

COMENTÁRIOS

Uma resposta

Os comentários estão desabilitados.

POSTS RELACIONADOS

Capa

Os inimigos do governo Lula

Os inimigos do governo Lula já fazem perceptível sua presença dentro e fora do governo, instalados em posições importantes.