Tô fora

.

Dizem as más línguas

que ocorreu a interjeição

arrego.

Se assustou com a proposta, questionou.

Como posso eu, presidente, arriscar o pescoço a botoque,

boca tão grande?

Em águas, dessas bem claras,

não devem mesmo se arriscar incautos,

para tal proa vão jovens ou homens bem astutos, valentes.

Por que Bolsonaro não quer encontrar Raoni?

Será que Raoni quer encontrar Bolsonaro?

Tantos querem encontrar Raoni e o cacique já encontrou milhares,

talvez milhões;

sempre querem lhe dar a mão, um toque qualquer

sei bem.

O presidente não quer ver o cacique, 

pensa que ele não representa.

Triste presidente, não pensa.

Peito são coisas para mulheres.

Talvez não pouse também, tal borboleta da noite,

perdida entre lampiões, tonta, afoita.

Cacicagem é coisa séria, não desvanece,

canto que se sonhara, tal corpo nu

vestido, protegido em tinta preta,

para lá de dramático efeito.

Direito, a gente vai levando, reza de pajé,

canhota gema, natureza pura.

Categorias
crônica
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta