Quanto vale um estudante para o Brasil?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Hoje, às 20h30 Daniel Cara entrevista José Marcelino Rezende, professor da USP

Bem na semana da vitória histórica do FUNDEB, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica, completamos 3 meses de encontros com mais de 15 programas, desde o início da pandemia, com o cientista político Daniel Cara, um forte defensor de uma educação pública e de qualidade, por isso, hoje (20h30), comemoramos essa marca com o Professor Titular José Marcelino de Rezende Pinto (USP) num papo sobre Custo Aluno Qualidade no FUNDEB.

Sem dúvida, essa é a melhor oportunidade para quem deseja entender o CAQ e fortalecer o próximo período de defesa do FUNDEB, que passará por votação final, em breve, no Senado Federal.

Na vitória dessa semana, o texto-base da PEC que aumenta a participação da União no fundo de 10% para 23% até 2026 e o torna permanente obteve vitória expressiva.

No primeiro turno, a aprovação foi por 499 favoráveis contra sete.

O texto foi obviamente rejeitado pelos seguintes bolsonaristas: Bia Kicis (DF), Chris Tonietto (RJ), Filipe Barros (PR), Junio Amaral (MG), Luiz Orleans e Bragança (SP), Márcio Laber (RJ), todos do PSL; e Paulo Martins (PSC-PR). No segundo turno, a votação ficou em 492 x 6. Os contrários foram Kicis, Tonietto, Barros, Amaral, Martins e Dr. Zacharias Calil (DEM-GO)

E como sabem: #FundebPraValer É #FundebComCAQ. No YouTube e Facebook dos JLs.

Assista:

COMENTÁRIOS

  • Gostei de ouvir, muitos falando da importância da educação infantil, maravilha a educação infantil ser qualificada com o CAQi. Alegria.

  • POSTS RELACIONADOS

    DEUTERONÔMIO: “Constituição de 1988” para o povo?

    A história demonstra que só com luta social permanente se conquista direitos e se impede retrocessos de direitos conquistados com suor e sangue pela classe trabalhadora. Se o povo se acomoda, vai sendo violentado aos poucos, até ser sacrificado

    As universidades públicas e o Fundeb

    A Universidade pública se pensa mais como referência para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia do que propriamente para as políticas públicas de educação no Brasil, em especial de educação básica

    >