Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro #89 – Roger Silva: Distopia

Roger Silva apresenta o 89º ensaio do Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro - Imagens que narram nossa história
Roger Silva. Distopia 8

DISTOPIA – “Nos deram espelho e vimos um mundo doente.”

Para onde estamos caminhando, afinal? Qual o rumo que nossa sociedade tem tomado? É tudo lindo e maravilhoso, como dizem? As belas imagens projetadas com o intuito de nos entreter são produzidas e reproduzidas em uma velocidade que nunca vimos antes. Mas, será que elas representam de fato o que vemos? Ou são apenas mais doces de digerir? Sou inquieto, um inconformado por natureza, não acredito que as pessoas não consigam ver o que realmente está aí. Na nossa frente, ao nosso lado! Vidas perdidas, florestas queimando, povos sendo dizimados, corpos no chão, vidas sem vida!

Distopia é um dos meus mais recentes ensaios de autorretratos, que tem como base, tratar dessas questões delicadas, mas necessárias. Não dá pra fotografar sem problematizar. Pelo menos no meu caso, não consigo. Meu olhar reflete esses fragmentos que são jogados no esquecimento. Nada contra as fotografias “belas”, só não consigo ver beleza ao ver o reflexo do mundo na minha retina.

Distopia tem alguns significados, um deles é lugar ou estado imaginário “em que se vive em condições de extrema opressão, desespero ou privação; antiutopia.” Pensando sobre esse conceito prévio, nasceu Distopia.

Dessa forma trago nesse ensaio, narrativas imagéticas compostas pelas técnicas de autorretratos e de sobreposição de imagens, essa é a parte técnica, mas lá no fundo, Distopia perpassa a técnica e retrata fragmentos de uma sociedade submersa no caos do neoliberalismo político social, fruto de uma luta histórica que nos atravessa, deixando corpos periféricos pelos caminhos e vielas.

Penso que esse ensaio são fragmentos emendados de sensações e opressões vividas por todos que, de algum modo, tem sido empurrado para esse abismo distópico chamado Brasil. Cada imagem carrega uma narrativa criada a partir de vivencias, análises empíricas e estudos históricos sobre o Brasil e suas políticas excludentes. Na minha página do instagram, os textos se encontram com suas respectivas narrativas imagéticas. A fotografia “O Caos e Vazio” são as únicas que os textos não estão publicados.

Roger Silva. Distopia3
Roger Silva. Distopia4
Desmatamento
Roger Silva. Distopia1
Bala achada
Roger Silva. Distopia5
Fome
Roger Silva. Distopia 7
Mulher
Roger Silva. Distopia2
O caos
Roger Silva. Distopia 6
LGBTQfobia
Roger Silva. Distopia 8
Racismo
Roger Silva. Distopia 9
Suicídio
Roger Silva. Distopia10
Tá ok
Roger Silva. Distopia11
Vazio

.

Minibio

Fotógrafo e Historiador Preto, 41 anos, homossexual e filho de uma funcionária doméstica com muito orgulho. Vencedor da Microbolsa de Fotojornalismo EL PAÍS e Artisan com o tema: Angústias da população negra periférica em tempos de isolamento social.

A fotografia é para mim, um refúgio em meio a dor do existir preto. Quando fotografo, me jogo no abismo das possibilidades! A partir da minha passagem pela graduação de História na UFAL, a fotografia passou a ser uma linguagem de denúncia social. Há seis anos consegui entender a fotografia como uma ferramenta de luta e a uso para dizer quem sou, o que penso, tento contribuir com sua luz para o enriquecimento da memória de quem a Vê.

.

Para conhecer mais o trabalho do artista

Instagram: https://www.instagram.com/rogersilvafotos/

E-mail: [email protected]

.

O projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro é um projeto dos Jornalistas Livres, a partir de uma ideia do artista e jornalista livre Sato do Brasil. Um espaço de ensaios fotográficos e imagéticos sobre esses tempos de pandemia, vividos sob o signo abissal de um governo inumanista onde começamos a vislumbrar um porvir desconhecido, isolado, estranho mas também louco e visionário. Nessa fresta de tempo, convidamos os criadores das imagens de nosso tempo, trazer seus ensaios, seus pensamentos de mundo, suas críticas, seus sonhos, sua visão da vida. Quem quiser participar, conversamos. Vamos nessa! Trazer um respiro nesse isolamento precário de abraços e encontros. Podem ser imagens revistas de um tempo de memória, de quintal, de rua, documentação desses dias de novas relações, uma ideia do que teremos daqui pra frente. Uma fresta entre passado, futuro e presente.

Outros ensaios deste projeto: https://jornalistaslivres.org/?s=futuro+do+presente

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria

Quem segura essa quebrada

Quem segura essa quebrada?

O Café com Muriçoca de hoje traz duas indicações de livros: “Viela Ensanguentada”, de Wesley Barbosa, e “O Pé que ficou naquela estação”, de Nina Barbosa.

A POSSE, COMO CULTURA

Augusto Boal (in memoriam 2002) nos lembra a importância da ocupação das ruas e espaços públicos pela cultura. E por meio dela, transmitir pelos sentidos – e não só pela razão – a transformação de palavras e promessas.