Presidente do Cade pede abertura de inquérito contra institutos de pesquisas eleitorais

Alexandre Cordeiro Macedo, presidente do Cade, pediu pela investigação de institutos de pesquisas eleitorais

O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) indicado por Bolsonaro, Alexandre Cordeiro Macedo, solicitou a abertura de uma investigação contra institutos de pesquisas eleitorais para averiguar supostos erros nas sondagens feitas no primeiro turno “com intuito de manipular o mercado e os consumidores”. O pedido, publicado nesta quinta-feira (13/10), foi enviado ao superintendente-geral do órgão, Alexandre Barreto. Houve também a determinação de uma investigação paralela dos institutos Ipec, Ipespe e Datafolha. Alexandre Macedo sugere que houve uma violação da Lei de Defesa da Concorrência, de ordem econômica.

A lei citada pelo presidente do Cade discute a limitação ou falseamento de informações que prejudiquem “a livre concorrência ou a livre iniciava” na esfera econômica. “As análises servem para demonstrar que é improvável que os erros individualmente cometidos sejam coincidência ou mero acaso, ou seja, que mesmo valendo-se de metodologia conhecida e supostamente segura não se espera que um instituto de pesquisa possa apresentar uma discrepância tão grande entre a sua pesquisa e a realidade, sem que haja um viés”, coloca Macedo.

No pedido são citados resultados de pesquisas eleitorais divulgados pelos principais veículos de comunicação do país. Alexandre Macedo destaca a discrepância desses resultados com os números das urnas e diz que “diante da improvável coincidência, especialmente em relação os erros cometidos em um mesmo sendo e idênticos quanto a diferença entre os candidatos, e, ainda, frente a ausência de qualquer racionalidade (pelo menos por hora) […] pode-se concluir que há indícios de suposta conduta coordenada ou conclusiva e também de efeitos unilaterais por parte dos institutos”.

Poucas horas depois, o ofício foi retirado do sistema de consulta pública. Contudo, em nota enviada ao portal UOL, a assessoria de imprensa do órgão afirmou que a abertura de inquérito não foi cancelada. “O documento foi retirado para ajuste de cores e estará disponível em breve”.

Após o dia 2 de outubro, a transparência e a imprecisão dos institutos de pesquisa foram questionados por muitos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL). Levantamentos divulgados pré-eleições mostravam uma diferencia percentual entre Lula (PT) e Bolsonaro de 14 pontos, com o candidato petista obtendo entre 47% a 50% dos votos e o atual presidente com 37% a 40%. O resultado oficial mostrou uma diferença de apenas 5 pontos entre os políticos, com Lula com 48,43% e Bolsonaro com 43,20%.

Em uma nota divulgada posteriormente a divulgação dos resultados oficiais das eleições presidenciais, o DataFolha reafirmou seu “caráter de diagnóstico das pesquisas, e não de prognóstico, e a total imparcialidade e transparência nas fases de captação e divulgação das opiniões e preferências dos eleitores brasileiros”. O Instituto Ipec também se pronunciou, reforçando seu “compromisso de buscar soluções que eventualmente possam ser agregadas ou consideradas em conjunto com a sua metodologia e procedimentos operacionais”.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS