Por que eles querem tomar o poder: Bolsa Família

Ilustração por Joana Brasileiro

As cenas mais chocantes da história do Brasil no século XX são aquelas da seca, especialmente no Nordeste. Fome, morte, subnutrição e migração para o Sudeste compunham o triste quadro. Revisitar essas cenas é indignar-se com a desigualdade que sempre foi, e ainda é, marca do nosso país. Embora a seca no Nordeste chamasse mais nossa atenção, a fome esteve espalhada por todo o território brasileiro.

 

Esse povo é pobre por que é vagabundo, dizem alguns. A verdade é que há um nível de pobreza, um nível de miséria, do qual é impossível sair sem alguma ajuda externa. Uma condição que passa de pais e mães para filhos e assim por diante numa reprodução sem fim da penúria. A criação e a disseminação do Bolsa Família foi a ajuda que fez o quadro mudar radicalmente nesses últimos anos. Foi a quebra do ciclo vicioso.

Dona Zabé da Loca, tocadora de pífanos, em Monteiro, Cariri, 2001. Foto de Hélio Carlos Mello.

Pesquisas mostram aumento na altura média de crianças no Brasil: quem passa fome na primeira infância cresce menos. Censos do IBGE demonstram com toda clareza a passagem de milhões de brasileiros para cima da linha de pobreza. O mapa da fome da ONU retirou, em 2014, o Brasil de sua lista de países que não conseguem garantir o mínimo de alimentos à seus habitantes. Órgãos das Nações Unidas, governos de outros países e imprensa internacional reconhecem a efetividade do programa adotado pelo Brasil a partir do governo Lula. Quem quiser, encontrará inúmeros dados comprovando esse fato.

O custo do Bolsa Família quebrou o país, repetem outros. Nada mais falso do que atribuir as dificuldades no orçamento do governo federal ao Bolsa Família. Para termos uma idéia: o pagamento de juros sobre a dívida do governo consumiu R$ 513 bilhões, nos 12 meses terminados em fevereiro de 2016, segundo o Banco Central do Brasil.

Se dividirmos esses 513 bilhões por 12 meses, concluímos que o governo federal gastou, em média, R$ 42 bilhões por mês de juros. Em março de 2016, o Bolsa Família pagou R$ 2,2 bilhões a 13,8 milhões de famílias.

Compare 42 bilhões de reais de gastos com juros e 2,2 bilhões de reais com o Bolsa Família e diga qual dos dois pode quebrar o país.

Dos dois dados do Bolsa Família podemos tirar outros dois.

O primeiro é que se as famílias têm em média 4 pessoas, o Bolsa Família ajuda 55 milhões de pessoas, ou seja, um quarto da população brasileira.

A segunda informação é que o Bolsa Família paga, na média, R$ 160 por família, um valor muito baixo, mas que pode ser a ajuda que se precisava para quebrar o círculo da miséria.

Em matéria sobre o programa Ponte para o Futuro do PMDB, o jornal O Estado de São Paulo de 27/03/2016 disse que: “ Segundo o Estado apurou, o combate à desigualdade será mantido, mas vai se concentrar no atendimento nos 10% mais pobres, que estão abaixo da linha de pobreza (por critérios internacionais, quem vivem com menos de US$ 1 dólar por dia)”.

Se hoje 25% da população é assistida pelo Bolsa Família e o PMDB quer restringir aos 10% mais pobres, haverá um corte significativo no programa mais barato e que mais tirou gente da miséria. O golpe quer cortar direitos, não quer apenas depor a presidenta Dilma ou incriminar o ex-presidente Lula.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Cada um com sua prioridade

Já os mais pobres têm urgência. Sua sobrevivência depende de comida na mesa e o futuro governo precisa agir imediatamente, mesmo que seja obrigado a provocar um desarranjo no “mercado”