Menino negro é encontrado morto sob tortura em São Paulo. Investigação aponta Sargento da PM

Assassinato de adolescente negro provoca rebelião em São Paulo

Por Karina Iliescu

Guilherme Silva Guedes, estudante, sumiu na madrugada desse sábado, 14. Depois foi encontrado no IML com sinais de tortura e tiros na cabeça e nas mãos. De acordo com seus familiares, ele foi morto por um Policial Militar que trabalhava como vigilante em um galpão na Zona Sul de São Paulo.

Dois policiais militares já foram apontados como suspeitos pela Policia Civil de São Paulo e segundo reportagem da UOL, Adriano Fernandes de Campos, 41, do Baep (Batalhão de Ações Especiais) de São Bernardo do Campo foi o autor do assassinato junto com outro soldado da PM. A investigação está em andamento pelo DHPP. O sargento ainda não foi encontrado.

Guilherme foi levado, segundo vídeo da câmera de segurança, por dois homens armados. Ele estava em frente da casa de sua avó e alguns minutos antes teria acontecido um assalto em um galpão próximo ao local do desaparecimento. A suspeita é que esses policiais que trabalhavam como vigilantes, teria confundido o Guilherme e levado-o. Segundo informações que chegaram para a família, o mesmo carro que levou o Guilherme teria entrado neste galpão e duas viaturas esperavam na porta com as luzes apagadas.

Aconteceu uma manifestação na segunda-feira, quando a família soube que o menino estava morto. PM, Força Tática e o batalhão do Choque reprimiram com bomba e tiros de borracha. O protesto foi nas proximidades da avenida Cupecê, Zona Sul, realizado por moradores e amigos. O protesto começou onde ele foi visto pela última vez. A Tropa de Choque reprimiu os manifestantes e a revolta popular provocou o incêndio de quatro ônibus.

Ontem, 16, houve mais uma manifestação pela memória de Guilherme e por justiça. A PM e a Tropa de Choque reprimiu os manifestantes e alguns foram detidos.

 

 

Fotos de Marcelo Rocha do protesto que aconteceu na tarde do dia 16 no Jardim Miriam.

Veja o vídeo da revolta popular do dia 15 de junho.

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Nota de escurecimento: por um natal sem racismo

Nota de Escurecimento

No Café com Muriçoca deste Natal, Dinha fala sobre os casos de racismo envolvendo o Jornalistas Livres e explica porque seguirá como colaboradora do Portal.