Levante da Juventude e MST lideram Fora Bolsonaro em Cuiabá

Na capital nacional do agronegócio, movimentos sociais cruzam a cidade levando o grito de Fora Genocida
Fotos: Francisco Miguel Alves

Enquanto os grande latifundiários lucram bilhões exportando a comida que os brasileiros não têm dinheiro para comprar, Mato Grosso está entre os estados brasileiros com a menor cobertura vacinal até agora. Terra de capangas pagos para destruir matas, povos indígenas e quilombolas, o estado viu no ano passado recordes de temperaturas, seca, queimadas e desmatamentos. Nada disso, contudo, abala a elite local, que aplaude oficialmente na Assembleia Legislativa e na Câmara de Vereadores da Capital as chacinas de pobres, pretos e periféricos, como aconteceu recentemente nas monções de aplauso à polícia que fez o massacre do Jacarezinho, no Rio de Janeiro.

Fotos: Francisco Miguel Alves

A resistência, contudo, segue forte no Pantanal, no Cerrado, na Chapada e nas cidades. Nesse #29M, com o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra e o Levante da Juventude à frente, dezenas de manifestantes percorreram as ruas de Cuiabá gritando Fora Bolsonaro, Comida no Prato e Vacina no Braço. Saindo da Universidade Federal de Mato Grosso em carreata e passeata, a população seguiu até o bairro popular de Pedra 90 recebendo às vezes vaias, às vezes apoio de quem estava em isolamento social nas janelas ou se protegendo atrás dos vidros dos carros.

Um pouco dessa história você pode conferir agora nas fotos do fotógrafo ativista Francisco Miguel Alves

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    Bolsonaro sem máscara no hospital em São Paulo

    Chega de horror! Fora, genocida!

    Um genocida desfila sem máscara e comanda a orgia da Covid em hospital de bacanas, um fascista analfa comanda a Cultura, o jurista Merval Coalhada Pereira impõe verdades de sarjeta ao STF durante anos…

    CNBB reforça a luta por direitos e pela democracia

    Na avaliação da CNBB, a sociedade democrática brasileira está atravessando um dos períodos mais desafiadores da sua história. “A trágica perda de mais de meio milhão de vidas está agravada pelas denúncias de prevaricação e corrupção no enfrentamento da pandemia da COVID-19”, diz um trecho da nota.

    >