Jornalista é ameaçado por matérias investigativas sobre família de governador do MT

Diretor do site Isso É Notícia denunciou à Polícia Federal complô para flagrantes falsos e deixou Cuiabá para se proteger

O jornalista Alexandre Aprá de Almeida protocolou na semana passada na Superintendência da Polícia Federal na capital de Mato Grosso uma notícia crime com vasta documentação sobre ameaças que estaria sofrendo devido a uma série de reportagens sobre contratos de publicidade sem licitação no valor de R$ 54 milhões com empresa que tem como sócio o filho do governador Mauro Mendes. Depois de fazer a denúncia, o profissional deixou o estado.

Captura de tela da denúncia à Polícia Federal

Em áudio de WhatsApp enviado ao jornalista, uma pessoa que se identifica como Ivan Cury Barbosa, supostamente um detetive de Campo Grande, avisa que Aprá deve parar de “esculachar” diretores de emissoras associadas à Rede Globo em Mato Grosso (Grupo Centro América) e Mato Grosso do Sul (TV Morena). Se não o fizer, o suposto detetive informa que sabe de crimes que o jornalista teria cometido. 

“Eu acho que era melhor você deixar meio quieto isso aí porque se você for fazer graça… Cê tá querendo acusar os outros, cê tá querendo jogar merda do ventilador, certo? Eu sou detetive eu posso fazer isso. (…) Agora, você também não vai continuar com esse seu jornalzinho marrom seu aí, esculachando todo mundo em Cuiabá. (…) Eu acho que você é um cara inteligente. Você não vai fazer isso mais não. Você vai parar com isso, certo?. Então vê bem o que você está fazendo pra depois não ter reclamação. (…) Se você quiser tocar pra frente, nós vamos pra frente, não tem problema não”.

O áudio foi enviado depois que tal detetive percebeu que Aprá achou um dos aparelhos de rastreamento que ele havia colocado em seu carro. Segundo a denúncia do jornalista à PF, após ouvir falar que um detetive estaria procurando algum ex-amigo seu que pudesse ajudar a forjar flagrantes falsos, Aprá pediu a uma pessoa identificada apenas como “anjo” para se apresentar a Barbosa e conseguir mais informações. O amigo conseguiu áudios e vídeos do detetive explicando como montaria os falsos flagrantes e que poderia ir além. Todo o material foi entregue à polícia, assim como os aparelhos plantados pelo suposto detetive.

Imagem de vídeo registrado por “Anjo” do encontro do “detetive” Barbosa com o publicitário Ziad Fares

De acordo com Aprá, apesar de Barbosa ter mencionado no áudio matérias sobre executivos de outros meios de comunicação, as ameaças teriam ocorrido de fato devido às reportagens sobre negócios com o poder público de familiares do governador do estado, Mauro Mendes, e teriam sido encomendadas pelo dono da agência ZF Comunicação, Ziad Fares.

Na última quinta-feira, a Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ e o Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso publicaram nota de solidariedade ao profissional, denunciando as ameaças e reforçando que:

“As ameaças ocorreram depois que o jornalista publicou uma série de reportagens sobre os gastos do governo estadual com publicidade e propaganda. Entre os fatos noticiados estão a contratação, com dispensa de licitação, de quatro agências de publicidade para gerir uma verba de cerca de R$ 53 milhões.”

Após fazer as denúncias e entregar as provas das ameaças, o jornalista saiu do estado de Mato Grosso, pois afirma não ter “estrutura de segurança” em Cuiabá para se proteger. 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Censura NÃO! Cuiabá luta pelo direito de ensinar e aprender

Enquanto berram nas redes por seu “direito” de mentir, ofender e ameaçar, grupos bolsonaristas contam com apoio explícito da Secretaria de Segurança para reprimir a liberdade de cátedra, constranger publicamente uma professora e “mandar recado” a quem não aceita a imposição reacionária

“Vão matar eles dois!!!”

Rita Piripkura, sobrevivente há décadas do genocídio que seu povo sofre, relata em vídeo as constantes invasões que suas terras tem sofrido e a possibilidade iminente de assassinato de seu irmão e sobrinho

>