Estudantes de Porto Alegre realizam live com falas preconceituosas e xenófobas

Alunos do Colégio Israelita Brasileiro realizam uma live com falas preconceituosas, xenófobas e em defesa de Jair Bolsoanro

Trechos de uma live realizada no TikTok por três alunos do Colégio Israelita Brasileiro, localizado na cidade de Porto Alegre, ganharam as redes nesta sexta-feira (04/11). Nas gravações, os estudantes emitem falas extremamente preconceituosas, xenófobas e elitistas, xingando moradores da região Nordeste e defendendo o candidato derrotado nas urnas, Jair Bolsonaro (PL). As opiniões são proferidas em tom de deboche e acompanhadas de muitas risadas pelos adolescentes. “Se tu está achando que os mercadinhos de esquina eram caros na tua favela, tu não tem noção de como é nos supermercados que a gente vai, amore (sic) […] R$ 600 não é nada, a gente faz uma festa”, declarou uma das meninas presente no vídeo sobre o valor do Auxílio Brasil.

Por Camilla Almeida

Em resposta a um usuário que alegava que Bolsonaro trabalhava para os grandes empresários, as garotas respondem, questionando: “E quem paga os trabalhadores? Não é o patrão? Exato. Ele [Bolsonaro] gera emprego. Ele dá para vocês empregos para vocês terem oportunidade de ser gente”.

Em outro momento da live, uma das meninas diz que “não parecia” ter água no Nordeste antes da conclusão da transposição do Rio São Francisco “pelo desespero das crianças correndo atrás de uma mangueira” de “água podre e com vírus”. Quando os jovens foram alertados sobre suas falas serem denunciadas ou “tiradas do contexto”, elas respondem não ter preocupação, de forma debochada. “Vai mostrar pra quem [a live]? Para a professora que faz greve a cada 2 meses do colégio público deles? Coisa chata essa gente” completa a menina.

Quando recebem um comentário sobre a necessidade de elas “aceitarem” a derrota de Bolsonaro, uma das garotas adota um tom agressivo e responde: “Não muda nada na minha vida sua pobre, v*. E outra coisa, não vem reclamar depois que meu pai te demitir”.

O Colégio Israelita Brasileiro, instituição privada localizada em um bairro nobre de Porto Alegre, publicou uma nota em suas redes sociais, repudiando as falas de seus estudantes. “Estas ações em nada refletem nossos princípios filosóficos e nossa prática pedagógica. Nenhuma escola é uma ilha. Estamos inseridos em uma sociedade que se encontra em parte contaminada por dinâmicas disfuncionais. Mas vamos agir”, coloca a escola.

Procurado pelos Jornalistas Livres, o Colégio Israelita Brasileiro afirma que o vídeo ao vivo não foi transmitido nas dependências da escola, mesmo com os estudantes utilizando os uniformes no momento. A instituição afirma ainda que irá marcar uma reunião na próxima segunda-feira (07/11), na qual serão decididas as providências com relação à situação dos alunos. Até o momento, nenhuma deliberação foi tomada.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode

Craque dentro e fora do campo

O centroavante Richarlison ganhou cerca de 4 milhões de seguidores em seu Instagram após fazer os dois gols na vitória do Brasil contra a Sérvia.