Bem querer o Brasil

uma fotografia humanista

Andei com João alguns cantos, país grande.

Fotografia e poesia são margens do mesmo rio, compreendi bem com ele.

João é desses homens grandes, fortes, que fala manso, quase música de câmara, rígido como um pássaro a ver um descuidado peixe sob a água, e cirurgicamente pega o alimento vivo no bico, lindo, plano e pleno, sobrevivente às quedas.

Exato como são os poetas nas manhãs de domingo, o fotógrafo João Roberto Ripper, é um escritor das luzes escassas, pois ilumina em branco e preto a boniteza da vida e um mundo recluso que sofre, uma gente que pena e sorri, suor que escorre na pele seca de um povo periférico.

Ripper é desses homens que não age para enterrar seu povo, pois os seus é uma gente sem fama, sem posses, sem sucesso no banco ou bolsas.  Sua foto semeia o grito das alcovas que não ecoa, o afago que não se vê.

João é o esmero do ser, sufoco que não cede, grito que encanta.

https://benfeitoria.com/bemquererobrasil

Imagens por Helio Carlos Mello©

Categorias
crônica
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta