A ALEGRIA DE CONTAR A HISTÓRIA JUNTOS

Foto: Bruno Miranda

Foto: Vinicius Carvalho

Por Maria Carolina Trevisan

A rede Jornalistas Livres não nasceu de um plano. Surgiu do desejo de narrar as histórias desde outro ponto de vista: o olhar dos movimentos sociais, a defesa dos direitos humanos e sociais, o jornalismo democrático, a luta por um país mais justo. Não cabem o ódio e a intolerância no trabalho que fazemos. Jornalistas Livres germinou, cresceu e ganhou relevância porque encontrou um público sedento por um novo noticiário, que se mantém fiel e crescendo. Tive o privilégio de participar de reportagens sensíveis — e fortes, ao mesmo tempo — que trataram de temas como a redução da maioridade penal, o racismo, a violência contra jovens negros, a resistência das mulheres negras, a busca por moradia digna, o movimento dos estudantes secundaristas, a escalada do ódio e da intolerância e a resposta de quem não abre mão da democracia. Foram matérias que marcaram essas coberturas e, muitas vezes, acabaram por pautar a mídia corporativa. Por acreditar nos princípios do jornalismo como peça fundamental no xadrez que garante um Brasil livre é que seguimos dedicados a esse trabalho. Tem sido uma honra.

Moradores de Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana, desesperam-se ao ver suas casas soterradas pela lama da Samarco. Foto: Gustavo Ferreira

Por Laura Capriglione

“E é um crime ainda terem se apoiado na imprensa imunda, terem se deixado defender por toda a canalha de Brasília, de modo que é essa canalha que triunfa insolentemente, diante da derrota do direito e da simples probidade. É um crime terem acusado de perturbar o Brasil aqueles que o querem generoso, na vanguarda das nações livres e justas… É um crime confundir a opinião pública, utilizar para uma sentença fatal essa opinião pública que foi corrompida até o delírio. É um crime envenenar os pequenos e humildes, exasperar as paixões de reação e de intolerância… É um crime explorar o patriotismo para as obras do ódio.”

O texto é de Émile Zola. Está no artigo “Eu Acuso!”, publicado no jornal “L’Aurore” do dia 13 de janeiro de 1898. Apenas troquei Paris (como estava no original) por Brasília; e a França pelo Brasil. Estranhamente atual neste 2015, não é? Pois os Jornalistas Livres nasceram inspirados nos ideais de uma outra imprensa, aquela mesma de Zola, que ousou unir a informação de qualidade à defesa apaixonada da democracia, da liberdade e dos direitos. Foi um remédio dos mais eficazes contra o cinismo e a acomodação. Garanto que nenhum Jornalista Livre sofreu de tédio neste ano. Que venha 2016!

Foto: Sérgio Silva

Por Larissa Gould

2015: o ano que não será esquecido

Daqui a alguns anos, quando os professores de história e geografia entrarem em suas salas e encontrarem adolescentes secundaristas, irão narrar lutas históricas dos abolicionistas, contarão da bravura de Zumbi, e dos valorosos militantes do período da ditadura; contarão da conquista da democracia, explicarão como um metalúrgico virou presidente e uma guerrilheira a primeira presidenta do Brasil.

Eles irão falar também das jornadas de junho de 2013, quando milhões tomaram as ruas e de 2015.

Muita coisa terá mudado. Espero que o sistema de ensino seja uma delas. Espero que o jornalismo seja uma delas.

2015: um ano que não falou oi, nem tchau.

Um ano que começou com a posse da presidenta Dilma Rousseff em Brasília, no dia 1º de janeiro. Que começou com muita esperança, para todos nós. Eu estava lá.

Um ano marcado pelo avanço conservador, pela ameaça constante de retrocesso. O ano no qual barramos o golpe.

Nos bares, nós já não tão jovens, lembraremos de um 2015 marcado por mobilizações. O povo nas ruas, às vezes diariamente, para defender os direitos populares conquistados a duras penas.

Lembraremos de um janeiro ao lado da juventude, nas ruas contra o aumento do transporte. Um fevereiro em que os sem teto tomaram as ruas em protesto pela falta de água, fruto da má gestão do governo tucano.

Falaremos de março, e quem sabe, falaremos de um grupo chamadoJornalistas Livres. Não sei se ele ainda existirá, se terá mudado o nome, o formato, as pessoas. Mas eu poderei contar com orgulho que estive lá, naquele 12 de março de 2015, quando algo em torno de 30 comunicadores se reuniram e decidiram montar uma rede de comunicação colaborativa.

Poderei contar então uma outra história, uma outra narrativa do Brasil. Uma diferente dos grandes veículos corporativos.

Contarei como a juventude protagonizou a luta contra a redução da maioridade penal. Contarei da greve dos 92 dias dos professores da rede estadual de São Paulo em defesa da educação. Lembraremos de um abril vermelho, quando a capital paulista acordou ocupada pelos movimentos de moradia. Das mobilizações dos indígenas em defesa do pouco que ainda possuem. Da organização dos trabalhadores contra o ajuste fiscal e a terceirização. Falarei dos petroleiros e da defesa da soberania nacional da principal empresa do país, a Petrobras. Lembrarei das mulheres, que durante todo ano tomaram redes e ruas contra o machismo. Poderei falar da luta dos estudantes secundaristas, contra a reorganização tucana do ensino.

Da reedição da marcha dos 100 mil em defesa da democracia. Poderemos até rir de um homenzinho que se achava rei, um tal de Cunha.

Daqui a alguns anos, muita coisa terá mudado. Espero que o sistema de ensino seja uma delas, fruto também da luta de professores e estudantes em 2015. Espero que o jornalismo seja uma delas, com uma pequena ajuda de uma rede chamada Jornalistas Livres.

Jornalistas Livres surgiram em resposta ao avanço conservador e como uma proposta de um novo jornalismo possível. 2015 será um ano marcante para todos, para mim será o ano que eu me tornei uma Jornalista Livre.

Foto: Ennio Brauns

Por Léo Moreira Sá

Tornei-me Jornalista Livre porque acredito que só uma mídia alternativa pode fazer o enfrentamento ao retrocesso democrático que se tenta impor ao Brasil, apoiado pela grande mídia dominada pelas máfias de direita.

Tornei-me Jornalista Livre para livremente poder expressar minha indignação com as injustiças sociais e meu total apoio à defesa dos Direitos Humanos.

Tornei-me Jornalista Livre para denunciar toda forma de violência baseada nos discursos de ódio, e também para poder trazer as narrativas e denúncias da comunidade LGBT , em especial da comunidade de travestis, mulheres transexuais e homens trans à qual pertenço.

Tornei-me Jornalista Livre para ser LIVRE !!! Destaco, dentre as matéria que assinei, a denúncia do espancamento e exposição da travesti Verônica Bolina por policiais militares nas dependências de uma delegacia do centro de SP, e a sórdida tentativa do governo Alckmin de isentar os policiais de seus crimes.

Nós, os Jornalistas Livres, estivemos entre os primeiros que denunciaram essa violência, e cobrimos outros crimes, como o assassinato de Laura Vermont. Mesmo com as represálias e os assédios morais por parte de pessoas poderosas ligadas ao governo de SP, continuarei nas denúncias de todos os crimes cometidos contra nossa comunidade no Brasil.

Infelizmente, este país a quem muitos julgam gentil e cordial, é o país que mais mata travestis e pessoas transexuais do mundo. Mas eu acredito que possamos mudar essa realidade se conseguirmos formar uma grande rede de todas as populações socialmente vulneráveis. Porque só a construção de uma luta coletiva pode desconstruir o estado opressor em que vivemos.

Considerado “herói” por manifestante de direita, Carlos Alberto Augusto, o “Vovô Metralha”, foi um dos executores do Massacre da Chácara São Bento, ocorrido em 1973 em Pernambuco, quando seis militantes da Vanguarda Popular Revolucionária foram executados por policiais comandados pelo delegado Fleury. Foto: Jornalistas Livres

Por Adriano Diogo

Foi um ano para os bravos. Para os de coração forte e alma guerreira. Logo para o dia 15 de março, um domingo, foi marcada uma manifestação contra a presidenta Dilma Rousseff, que acabara de ser reeleita e mal iniciara o seu segundo mandato. Rapidamente ficou claro o sentido dessa movimentação: uma tentativa de golpe contra a vontade popular, contra a nossa democracia.

Assim, sindicatos e militantes corajosos, apoiadores do governo ou não, marcaram para o dia 13 uma grande marcha em defesa dos resultados das eleições. A postura da mídia tradicional diante dos dois atos era descaradamente clara: o ato do dia 15 de março tinha de ser um sucesso, o do dia 13 de março tinha de ser escondido.

Aos poucos, quem achava que aquilo tudo era muito estranho foi se juntando para entender o que estava acontecendo. Éramos uns poucos jornalistas e militantes. Eu ainda estava zonzo com perda da minha a eleição para Deputado Federal e também com a força que os partidos de direita haviam conquistado no Congresso Nacional, onde o famigerado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) já ocupava a cadeira mais importante.

Para o dia 12 de março, véspera da manifestação da esquerda, a jornalista Laura Capriglione organizou uma grande reunião, juntando jovens e não tão jovens jornalistas e militantes que já previam uma cobertura tendenciosamente golpista nos dias seguintes. Os convidados foram convidando mais e mais jornalistas independentes, e a sala, numa casa charmosa no Bixiga, lotou.

De cara, foi apresentada a proposta: realizar, com a força de uma série de coletivos de jornalistas e ativistas e de sites independentes uma cobertura livre da pressão da grande mídia. Uma cobertura que se aproveitasse da velocidade e da capilaridade das coberturas ao vivo de junho de 2013, da capacidade de análise de sites já estabelecidos, da experiência de jornalistas que, com passado na grande mídia, podiam organizar a potência que vinha de jovens estudantes, que sabem tudo de mídia digital e de compartilhamentos em redes sociais.

Houve uma rápida discussão sobre o nome que a rede teria. Alguém falou em Jornalistas Pela Democracia, mas era um nome muito grande. As sugestões foram pululando, até que um nome se estabeleceu: Jornalistas Livres. Uma síntese do que deveria ser a cobertura, livre e jornalística. Parece redundante, mas é justamente o que estava faltando na grande mídia, em que o cerceamento ao trabalho dos jornalistas independentes é cada vez maior.

Começou então a organização das coberturas. Grupos se dividiram e se integraram: reportar, dividir tarefas e estabelecer meios de comunicação com os outros grupos, difundir uma narrativa independente. Era preciso defender a verdade e os direitos humanos, a vontade do povo, a democracia. Só jornalistas realmente livres poderiam fazer uma cobertura real dos acontecimentos, sem preconceitos, sem ideias reacionárias. Uma outra narrativa.

A cobertura do dia 13 foi excelente. Evitou que a mídia escondesse a presença de pelo menos 50 mil pessoas nas ruas. Mas ela foi apenas um aquecimento.

Dia 15 de março, os Jornalistas Livres simplesmente arrasaram: mostraram a fragilidade dos argumentos contra Dilma, as ligações perigosas dos jovens golpistas com os criminosos da ditadura militar — um deles, Carlinhos Metralha, apareceu na Paulista usando um chapeuzinho ridículo dos paulistas de 1932 e gravata borboleta, a mesma indumentária com que se apresentou em dezembro de 2014 no lançamento do livro “A casa da vovó”, de Marcelo Godoy, na Assembleia Legislativa, durante uma sessão que eu presidia da Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva.

Eduardo Nunomura fez uma foto emblemática: um casal que foi protestar com a babá, que cuidava do filho, expondo o caráter classista e patriarcal do protesto da direita. Além disso, falou com diversos manifestantes, e demonstrou todo o seu incômodo com a desenfreada vontade de todos os entrevistados de enganar o jornalista.

Mas esse foi só um caso. Os JLs, dezenas nas ruas naquele dia, deram a tônica e frearam o golpe contra a democracia no dia 15. De lá para cá, o movimento não parou. Tivemos reuniões em quase todas as semanas, discutindo e organizando coberturas de movimentos populares e estudantis, defesa de direitos humanos — e, claro, protestos e manifestações da direita antipopular e da esquerda democrática.

Para mim também foi uma libertação participar dos encontros e reuniões dos Jornalistas Livres. Aos poucos, e ao longo do ano, eu, que sou geólogo de formação, também me senti no direito de me chamar de Jornalista Livre. Pude contribuir com minha experiência e minha luta contra a ditadura militar, escrevi textos, discuti organização, o papel da mídia corporativa, o papel dessa imprensa alternativa que se tornou tão importante nos dias de hoje quanto foi nos anos de chumbo. Fui ficando animado e lutando novamente.

Nesse ano difícil, os Jornalistas Livres e a mídia independente cumpriram um papel essencial em defesa da nossa democracia.

Foto: Ana Carolina Barros

Por Ana Carolina Barros

No começo de 2015 fui para Angola pela segunda vez. Convivi muito proximamente com as comunidades periféricas, pessoas que lutam diariamente para sobreviver aos extremos da pobreza e da opressão. Décadas de guerra pela independência seguida pelas guerras civis foram fatais para o povo angolano: devastação e sofrimento por todos os cantos do país. Mesmo assim, tive a oportunidade de conhecer pessoas que encontraram formas de transmitir esperança, de acreditar que uma transformação é possível e de lutar por um futuro menos desigual, mais democrático e livre. Esses olhos cheios de luz e determinação me marcaram profundamente.

Retornei ao Brasil convicta de que minha militância política precisava ser ainda mais incidente, que embora em fase turbulenta da minha vida acadêmica, eu gozava de uma situação privilegiada e que podia, desde esta posição, fazer alguma diferença. Aos poucos fui percebendo que a distância entre Angola e Brasil é grande apenas no mapa. Me envolvi, por ter aprendido com os angolanos a utopia, de uma forma irreversível nos movimentos populares (Levante Popular da Juventude e Marcha Mundial das Mulheres).

Sendo psicóloga (psicanalista, comunista e feminista) meu consultório também se transformou em símbolo de militância e resistência, assim como o trabalho com crianças em clínica institucional e o tema do doutorado (dificuldades no processo de alfabetização de crianças angolanas) se tornaram causas a serem defendidas. Me encontrei com os Jornalistas Livres neste processo, durante a IV Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres, no Rio de Janeiro.

Fui convidada a escrever e não parei mais. Me tornei Jornalista Livre em 2015 porque acredito na relevância de defender a democracia e os direitos humanos. Porque acredito na transformação social e na revolução que pode acontecer dentro de cada ser humano. E porque tudo isso nunca foi e nem nunca será transmitido pela grande mídia no Brasil, enquanto vivermos sob um sistema onde o capital vale mais do que a liberdade.

Foto: Sato do Brasil

Por Sato do Brasil

Cena 1. O suor estava molhando meus olhos. Mas sabia que em um click, a porra toda ia cair. Não dava tempo pra enxugar, passar o braço, tirar o óculos. Não deu outra. O portão se abriu. A linha de frente cumpriu. Sem titubear, peguei a Tati, gritei pro Pedro e pro William e entramos.

Cena 2. Abrimos o tecido. Qual a frase? Decidido. A redução é roubada. Branco sobre retalhos. Tudo seco. Levantamos, subimos a escada, paramos no meio do viaduto. Cada um em um ponto, preparamos. Sinal dado, uma bandeira tremulando sobre o vale.

Cena 3. Levaram ela. Segui os caras, me juntei a uns 5, 6 fotógrafos. Viatura parada, porta aberta. Espaço pequeno. Dei a volta. Tava sozinho. Grudei na janela. Ela foi jogada pra dentro, olhou pra fora. Pedi um sinal. Ela abriu o peito. Luta.

A nossa vida é cheia de sonho e fúria. Nada menos que tudo. O copo sempre cheio. Oxigênio. Transborda.

Populações atingidas pela lama da Samarco, e que vivem ao longo do rio Doce. pedem socorro e água. Foto: Eviton Araújo

Por Egle Bartoli

Quando recebi o convite para participar da reunião dos Jornalistas Livresconfesso que não fiquei muito empolgada, afinal de contas, após anos trabalhando na mídia tradicional, conservadora e hierarquizada, não acreditava mais que fosse possível fazer um jornalismo de qualidade e comprometido com a realidade deste país. Mas como a curiosidade faz parte da minha natureza lá fui eu e para minha surpresa encontrei pessoas, das áreas mais diversas, empunhando a bandeira dos Direitos Humanos, dando voz aos movimentos sociais, condenado toda forma de preconceito e racismo, valores que defendo.

Jornalistas, fotógrafos, palhaços, atores e outros tantos profissionais que fazem jornalismo de rua, apuram os fatos, denunciam, que levantam bandeiras, sim levantam bandeiras porque a imparcialidade é para os falsos. Este grupo renovou em mim a esperança de que é possível fazer um jornalismo sincero, transformador e de qualidade. Hoje sou Jornalista Livrede carterinha e coração porque acredito que um mundo melhor é possível e os JL lutam neste sentido, em busca de transformações. Também sou porque, afinal de contas, caminhar junto é sempre melhor que caminhar sozinha.

Manifestantes exigem a punição dos culpados pela chacina de Osasco, que ocorreu em agosto de 2015. Foto: Adolfo Garroux.

Por Adolfo Garroux

Estava indo para a Paulista filmar mais uma manifestação daqueles que usam o brasão da CBF no peito e gritam contra a corrupção, daqueles que cantam o hino nacional e pedem a volta da ditadura militar quando trombei com um amigo de longa data, Alex Veja, que me convidou ali, no meio da Brigadeiro Luis Antônio para somar na cobertura através de um coletivo,Jornalistas Livres.

Topei sem saber do que se tratava, mas confiando no meu parceiro. Ao final da cobertura fomos para a base descarregar e entregar para edição o material da filmagem. Lá encontrei um grupo de cerca de 30 pessoas, entre jornalistas, artistas, fotógrafos, cineastas, ativistas. Sem saber estava entrando numa das experiências de comunicação mais interessantes e inovadoras de 2015.

Não sabia naquele momento quem eram os Jornalistas Livres, fui descobrir aos poucos, depois, participando das reuniões, mas o que soube desde o primeiro momento era de qual lado estavam. Do lado dos sem voz, da juventude negra, pobre e periférica, do lado dos que lutam por moradia digna, do lado dos que lutam contra a exploração sexual, o machismo e a homofobia, do lado dos que lutam por um Brasil mais justo e democrático.

Ser Jornalista Livre é lutar por tudo isso. 2015 foi um ano de luta contra o retrocesso na política e Jornalistas Livres tiveram um papel importante nessa batalha — sinto muito orgulho de ter participado disso.
E que venha 2016, a luta continua!

Foto: Hélio Carlos Mello

Por Hélio Carlos Mello

Era 2014 e o ano acabava, bem como água também anunciava seu fim. Sentíamos que nosso copo estaria vazio em 2015 e a sede ameaçava a todos. Alguns amigos me convidaram para conversarmos sobre a crise da água que se anunciava para 2015 e entendermos essa conta, a conta d’água. Fora do eixo tudo parecia ser mentira na grande imprensa, era necessário falar o que acontecia na Cantareira e em nossos mananciais. De repente o jornalismo independente aflorou, como chuva boa e pura, e muitos e muitos estavam indo para a rua, e a grande mídia não tornaria a verdade pública.

Estávamos consternados com o que víamos publicado na mídia e o que sabíamos que eram os fatos, e em grande número nos reunimos certa noite na rua Conselheiro Ramalho e deu-se o Jornalistas Livres contra o susto e a vergonha que se mostrava na rua, no levante da direita.

Ser livre. Ser cidadão. Ser jornalista. Fotógrafo, artista, ativista era necessário. Nossa preocupação, que era a água em pauta, agora inundava a avenida, a terra, os edifícios, os índios, os negros, os transexuais e tudo o mais. Tudo seria nossa pauta a partir de março, e o pequeno grupo agora se fazia uma grande família espalhada por todas as regiões, Jornalistas Livres, nosso manifesto, nossa atitude com a verdade e a democracia.

2015 foi um parto. O que era olho d’água, mina fresca, hoje é mar, oceanos. Não passarão navios negreiros ou lama vermelha em metais pesados em nossa dignidade de manancial. Sou Jornalista Livre porque sou brasileiro, e isso me basta. Avante.

Foto: Bruna Duarte

Por Bruna Duarte

Todos sabem que 2015 foi um ano meio maluco. Ainda assim, foi um ano em que muitas coisas incríveis aconteceram justamente pelas surpresas e situações inesperadas que ele trouxe, e entrar nos Jornalistas Livres para mim se encaixa no rol dessas surpresas agradáveis.

No decorrer do ano vinha acompanhando as diversas coberturas que traziam um ar diferente da grande mídia, um ar muito necessário e quando começou o movimento dos estudantes secundaristas em São Paulo comecei a acompanhar as ocupações e os atos ajudando como podia.

Nesse envolvimento conheci alguns Jornalistas Livres que, como dizem, “me sequestraram do ato pra reunião”. Decidi me tornar uma Jornalista Livre por enxergar esse trabalho como algo que possui uma importância fundamental em dar voz às pessoas e causas que geralmente não tem voz, e em dar uma outra perspectiva mais humana e realista às narrativas.

Obrigada pelo sequestro e obrigada por me permitir ajudar a cobrir esse movimento que provavelmente mudará os rumos de muita coisa.

Festa do Dia das Crianças no Edifício Cambridge, ocupação vitoriosa feita pelo MSTC (Movimento Sem Teto do Centro). Foto: Lina Marinelli

 

Por Lina Marinelli

Por que me tornei — e serei pra sempre — Jornalista Livre

Porque, no Brasil, quem ainda decide o que as pessoas vão ou não saber são os ricos. Porque quem ouve rádio, assiste TV, lê jornal, e sabe um pouco das coisas, vê que não está tudo ali e que o que interessa aos ricos é contado de forma alterada e mentirosa. Porque, na grande imprensa, os Movimentos Sociais são criminalizados e a propriedade privada é mais importante do que o ser humano. Porque a grande imprensa não respeita a Democracia. Porque, em 15 de Março, a TV Globo suspendeu toda a programação de um domingo para “mostrar a manifestação do povo indignado ”, e a gente viu que o representante do povo indignado que estava nas ruas era branco, e rico, e agressivo com os pobres, e ainda havia defensores da ditadura.

Porque não foi a Globo quem mostrou isso, foram os poucos jornalistas honestos de alguns veículos que estavam lá, foram alguns blogueiros, e foram os Jornalistas Livres — trabalhamos sem parar, sem hora para comer, sem hora para ir embora, até de madrugada, com a única missão de desmascarar a narrativa da Globo e do resto da imprensa de que ali estaria o “pacífico povo brasileiro”.

A grande imprensa continua sua narrativa mentirosa, continua atacando a Democracia. Nós seguimos trabalhando duro, ainda sem hora para comer, sem hora para dormir, lutando muito para chegar o mais perto possível da verdade. Sou Jornalista Livre por que é um dever.

Foto: Hélio Beltrânio

Por Kátia Passos

Um Jornalista Livre não se cria, não se forma. Já nasci Jornalista Livre.
Todos os dias acordo (quando durmo, rs), pensando na primeira pauta, no primeiro furo e como a narrativa vai entrar e transformar a vida das pessoas.

Ser dos JL’s não é tarefa fácil, é como se um sangue mais pulsante que o comum corresse em nossas veias. É a busca pelo justo, pela informação legítima, pelo desejo de ser real, democrático e sobretudo, de assumir o verdadeiro papel que todos os jornalistas deveriam ter.

Ser dos JL’s não é tarefa fácil, mas é sem dúvida, uma condição da qual muito me orgulho e que fará parte da minha vida para sempre.

Especialmente, neste ano, fiz muitas outras descobertas no Jornalismo. Destaco a cobertura das Escolas em Luta, em SP, pois foi quando, realmente eu tive que me dividir no papel importante de jornalista e mãe, tudo ao mesmo tempo, no mesmo local.

Não foi fácil presenciar a repressão da polícia militar contra os alunos na Ocupação da EE Maria José, onde minha filha estuda. Mas ali, realmente fui testada na racionalidade e na emoção.

Amanhecer na Escola João Kopke, ocupada pelo movimento contra a “reorganização” escolar. Foto: Henrique Cartaxo

Por Henrique Cartaxo

Percebia já há um tempo que a mídia é um dos terrenos fundamentais na luta pela nossa democracia. Quando os Jornalistas Livres começaram, fiquei admirando de longe: um megafone, um farol. Chegou em Outubro a oportunidade de ir a uma das reuniões abertas. Me apresentei como editor de vídeos e no outro dia já publiquei meu primeiro. Na semana seguinte mais um, na terceira foram dois, e aí começou a a luta das escolas públicas de São Paulo. Atos, passeatas, ocupações. Fiquei amigo de um monte de adolescentes que eu jamais conheceria na vida, virei videorrepórter, passei noite na ocupação, virei noite em casa editando vídeo… Já tinha militado como universitário e sempre achei importantes as lutas da educação, da moradia, da terra, mas acho que nunca na vida tinha me dedicado tanto a algo de uma realidade tão distante da minha própria.

A idéia de liberdade combina bem com o que temos feito e pra mim vai muito além da liberdade editorial. Combina com uma definição de Tarkovski, meu cineasta favorito, que eu sempre releio de vez em quando: “… liberdade significa aprender a exigir apenas de si mesmo, não da vida ou dos outros, e saber como doar: significa sacrifício em nome do amor.”

Pois pra mim, me tornar um Jornalista Livre foi o aprendizado de uma nova forma de amar.

E para 2016 estamos aqui, de coração.

Foto: Sato do Brasil

Por Jeniffer Mendonça

Dizem que o segundo ano de faculdade é decisivo para x estudante de Jornalismo: ou elx permanece no curso ou o abandona por não ter se identificado, de fato, com a escolha. Conheci os Jornalistas Livres em meio a essa crise interna, de universitária, e externa quanto ao mundo cujo levante conservador se tornava mais visível. Desde a primeira reunião, no dia 31 de julho, passei, aos poucos, a me identificar com o coletivo, sem saber ao certo o que me movia. Essa identificação se intensificou com o movimento dos secundaristas contra a “reorganização” do ensino, imposta pelo Governo Estadual paulista.

A primeira cobertura que fiz, me autodenominando Jornalista Livre, foi em outubro, período em que os atos das escolas começavam a ascender. De lá para cá, a relação com as pautas em prol da democracia e dos direitos humanos se tornou não apenas uma bandeira que passei a levantar, mas um sentido que pulsava, que transbordava. Foi nesse pouco (e difícil) tempo que descobri a responsabilidade social e a importância que a profissão e o coletivo carregam. Ser Jornalista Livre foi e está sendo um aprendizado infinito e agradeço eternamente a cada pessoa que contribuiu e contribui para o que sou e o que somos hoje — e seremos em 2016.

Ato da primavera das mulheres em São Paulo. Foto: Giovanna Consentini

Por Giovanna Consentini

15 de março de 2015, acordei sozinha em casa com o hino nacional tocando a cada cinco minutos. A Globo já tinha tornado a Av. Paulista “o grande palco da democracia” e a vizinhança toda compareceu. Tudo mais parecia uma bad trip de 2013 que bateu atrasada. O mundo lá fora simplesmente não fazia sentido.

Mas, como dizia Chico, amanhã há de ser outro dia, e foi. Nas primeiras
horas do dia minha timeline já havia sido invadida pelos compartilhamentos
de uma página, os Jornalistas Livres. Dentro do mar de dúvidas que vivi
desde que me formei de jornalismo, tive uma certeza: eu preciso conhecer
esse pessoal. Da primeira reunião de pauta até hoje, o ritmo acompanhou a
loucura de 2015.

Não foi nada fácil. Entre outras mil coisas, ocupamos com os movimentos de moradia, vimos a juventude barrar a redução da maioridade penal, defendemos a democracia acima de tudo, lutamos pela vida das mulheres, marchamos juntos das mulheres negras, choramos com a dor de Mariana, revelamos a guerra do Alckmin contra os estudantes, respiramos muito gás lacrimogêneo usado contra quem exigia seus direitos, ouvimos pedidos de volta ditadura em pleno aniversário do AI-5, até fomos presos por exercer nossa profissão, mas continuamos: Jornalistas Livres.

Na capital paranaense, a PM de Beto Richa (PSDB) massacra professores em luta no dia 29 de abril. Foto: Leandro Taques

Por Eduardo Nascimento

Me tornei Jornalista Livre porque depois de 6 anos na graduação na USP eu não tinha a menor vontade de exercer a profissão, pelo menos não nos lugares que via como possíveis. Nos JLs, desde a primeira reunião de pauta, senti que o grupo buscava o mesmo que eu queria no jornalismo: contar as histórias que não estão sendo ouvidas.

Não acredito em imparcialidade em nenhuma produção humana, seja artística, jornalística etc. A parcialidade do jornalismo mainstream é defender um projeto de sociedade elitista e antidemocrático; com o JL eu sei que minha parcialidade é dar voz aos grupos oprimidos, e a democracia só acontece de fato se todos tiverem voz.

Foto: Allan Ferreira

Por Allan Ferreira

Após alguns anos trabalhando como consultor e professor na área de inteligência de negócios, constatei que o discurso do meio corporativo, de modo geral, não corresponde às suas práticas. Cursar Ciências Sociais da Universidade de São Paulo era uma vontade antiga e só foi possível depois de deixar de lado o trabalho de consultor. Nas duas situações há o trato com dados, proposições, informações que serão utilizadas em algum grau em processos de tomada de decisão. Bem, e o que isso tem a ver com jornalismo?

O jornalismo é das faces ao mesmo tempo mais evidentes e mais naturalizadas do trato com a informação. Do mesmo modo que um dirigente pode tomar decisões catastróficas quando se baseia em informações distorcidas, um cientista pode também colocar a perder anos de trabalho quando se baseia em premissas erradas. O que ocorre quando boa parte da sociedade toma suas decisões diárias com base em jornalismo tendencioso que não hesita em distorcer fatos em favor de interesses inconfessáveis?

Os Jornalistas Livres representam uma renovação de forças que tem ajudado a apontar alguns dos principais problemas do jornalismo tradicional, que omite e distorce. Sou Jornalista Livre, pois acredito que é possível transformar a sociedade ao levar para as pessoas informações mais precisas e relevantes.

Por Frederico Elias

00110010 00110000 00110001 00110101 00101100 00100000 01101111 00100000 01100001 01101110 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 01101101 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01101101 01100101 00100000 01110100 01101111 01110010 01101110 01100101 01101001 00100000 01101010 01101111 01110010 01101110 01100001 01101100 01101001 01110011 01110100 01100001 01101100 01101001 01110110 01110010 01100101 00111010 00001101 00001010 00001101 00001010 01010100 01101111 01110100 01100001 01101100 01101101 01100101 01101110 01110100 01100101 00100000 01100100 01100101 01101101 01100001 01101001 01110011 00101100 00100000 00100011 01001010 01110101 01101110 01110100 01101111 01110011 01010011 01101111 01101101 01101111 01110011 01000110 01101111 01110010 01110100 01100101 01110011 00101100 00100000 00100011 01001110 01100101 01101101 00110001 01010000 01100001 01110011 01110011 01101111 01000001 01110100 01110010 01100001 01110011 00100000 00100011 01101111 01010011 01100101 01100011 01011000 01011000 01001001 01000011 01101000 01100101 01100111 01101111 01110101

Grupo de artistas que integram os Jornalistas Livres presenteia o pessoal de direita, vestido de verde e amarelo, com corações vermelhos e prova que esta é a cor da emoção. Foto: Márcia Zoet

Por Maira Natassia

Num mundo onde me sentia sozinha, dentro de uma sociedade que me reprimia por eu não aceitar as suas próprias ações repressoras, eu encontrei a esperança. Num gesto de entregar um coração, forma de expor a face ridícula dos atos fascistas, ou por poder compartilhar a vontade de mostrar a verdade do que realmente acontece no Brasil. O aprendizado é todo dia, a luta é constante e não pode parar. Por aqueles que são esquecidos, pela verdade que não é mostrada, pela consciência de classes que cada vez deve ser mais presente. Hoje eu sou completa, sei que não estou sozinha e sei o quanto juntos podemos mudar. Por isso, para sempre, sou Jornalista Livre.

Foto: Bruno Miranda

Por Bruno Miranda

Pela necessidade de construir uma contra narrativa ao que vejo estampado nos meios de comunicação tradicional.

Por acreditar que qualquer um com um celular e uma motivação honesta pode ser mais jornalista (porque descreve a verdade) do que qualquer medalhão global.

Por acreditar que a única forma de mudança real vem com a participação popular, e a internet é o único canal para a democratização dos meios de comunicação, uma vez que mesmo com um governo dito de esquerda não conseguimos uma revisão da nossa lei de meios.

Depois deste ano de experiência em mídia colaborativa adquiri a certeza que a mudança não vai vir de fora para dentro, como eu antes acreditava. Os estudantes provaram isso.

Foto: Ana Trevisan

Por Ana Trevisan

Meu primeiro contato com os Jornalistas Livres foi durante a cobertura das ocupações das escolas pelos estudantes secundaristas — assunto de extrema importância para a sociedade e para os próprios jovens e pais, bombardeados por informações distorcidas e pela degradação da imagem dos colegas que corajosamente defendiam os seus direitos.

Há muito cansada de apenas me indignar com a grande mídia, sinto que é urgente e essencial colaborar com pessoas engajadas em informar a sociedade sobre a realidade dos fatos, agindo com total independência do sórdido financiamento privado. Cuidar para que cada texto seja bem revisado e resulte em matéria clara, inteligível e agradável para o leitor é uma grande satisfação! Estar no meio dos fatos, estar do lado de dentro dos acontecimentos e sentir a confiança das pessoas pelo trabalho dessa rede, sem dúvida, nos enche de esperança na força de uma nova mídia, com o real propósito de informar, educar e libertar quem antes não tinha acesso à verdade.

Sou Jornalista Livre porque quero que todos sejam livres para estar do lado da verdade.

Ocupação do MTST em Mauá, na Grande São Paulo; o terreno, no Jardim Oratório, tinha 300 mil metros quadrados de área improdutiva. Foto: Sato do Brasil

Por Oscar Neto

Eu nunca fui militante, nunca fui ativista, nunca estive literalmente nos braços do povo. Minha admiração pelos movimentos e reivindicações populares sempre foi pela internet, pelos livros e artigos. Por qualquer motivo, não frequentava o C.A. da faculdade de jornalismo, não participava das manifestações de rua, não colava tanto com a galera que curtia discutir política e questões sociais a fundo. Mas tudo isso sempre esteve dentro de mim e, de repente — graças as redes sociais -, recebi um comunicado de uns tais Jornalistas Livres que iam cobrir no dia seguinte uma manifestação pró-impeachment da presidente Dilma com uma linha editorial diferente do que costumamos ver pela grande imprensa. Ali, finalmente, eu entrava para o mundo do jornalismo real, na rua, e ancorado nas premissas da democracia, dos direitos humanos e dos movimentos sociais. Basicamente tudo o que eu esperava poder fazer com o poder da voz que têm os comunicadores.

De lá pra cá, já virei a noite em ocupações de terrenos abandonados, conheci por dentro a realidade dos refugiados que vivem nos movimentos de moradia de São Paulo, subi o morro pra ver como a galera da periferia via a questão da redução da maioridade penal, e até encenei ter tomado um tiro durante um grande ato de rua, em referência à grande chacina ocorrida dias antes em Osasco que matou injustificadamente dezenas de pobres — e até hoje permanece à sombra de um esclarecimento.

Isso pra mim foi o máximo que já vivi como jornalista e a prova de que o trabalho dos Jornalistas Livres é uma ruptura na forma de retratar e participar do dia a dia do povo brasileiro. Nada do que você já viu na TV se compara a essa experiência e nenhuma leitura feita pela mídia tradicional te trará elementos tão reais e humanos dos acontecimentos do mundo.

Jornalistas Livres é a forma mais autêntica de mostrar a realidade como ela é, sem vícios. Nosso único interesse é contextualizar os fatos com a dura realidade das pessoas que têm seus direitos básicos sequestrados todos os dias. E essa leitura só pode ser feita de dentro para fora. Jornalistas Livresfaz e fará parte da minha vida para sempre.

Foto: Ennio Brauns

Por Ennio Brauns

Ser jornalista é mesmo uma função fundamental quando se pensa que o mundo precisa saber, cada vez mais, de suas potencialidade para melhorar o conhecimento e o bem estar.

Aos vinte anos entrei numa Escola Superior de Teatro, no Rio de Janeiro, achando que estava entrando numa Escola de Artes. Passei lá dentro quatro anos tentando entender como a “direção teatral” cabia na minha vida. Virei fotógrafo logo nos primeiros anos. Fotografava as peças e exercícios que fizemos lá dentro. Acho que isso foi o mais importante que aprendi ali. Fotografar a cena teatral é quase como documentar o sentimento de quem exerce a vida na plenitude do outro.

Em 1977 saí de lá e, apesar de já fotografar, fui escrever no 2º Caderno de “O Globo”. Poucos meses depois começava em São Paulo o jornal “Em Tempo”. Foi aí que o Marcelo Beraba, que era editor do 2º Caderno, me perguntou se eu gostaria de colaborar com o Jornal. Eu vim.

Mas o que essa história tem a ver com o Jornalistas Livres?

Por incrível que pareça tem sim. O “Em Tempo” era, em 1978, mais ou menos (bem mais do que menos) uma experiência muito parecida com osJLs de 2015.

A intransigente luta contra o arbítrio, a defesa exigente dos direitos humanos, a indeclinável certeza de que precisamos dar voz aos excluídos pelo sistema. Ditatorial, como na época, ou em fase de consolidação democrática, como agora.

Ao longo dos últimos quase 20 anos tomei consciência do crescimento e da importância que o assunto GÊNERO tem numa sociedade que acredito ser a mais justa, e também, a mais necessária.

Essa foi a pedra de toque que me fez aceitar imediatamente a sugestão da Marlene para ser parceiro do Leo Moreira Sá nas coberturas sobre os movimentos de emancipação e por direitos das comunidades LGBT.

Foi a certeza de que poderia estar dentro de uma luta em que, na verdade, sempre estive.

Por isso, a LUTA CONTINUA e nos Jornalistas Livres também.

Cada vez mais, ao longo desse infindável 2015, (vai acabar daqui a pouco, mas tá renitente), o JORNALISMO se mostrou fundamental e a LIBERDADE, ah!, essa sempre foi.

Evoé, essa mistura de gerações fundamental ao avanço dos direitos e da democracia!

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>