Roberto Jefferson e Bolsonaro: uma história de amizade e proximidade política

Enquanto Bolsonaro alega não ter contato com Roberto Jefferson, registros de encontros e postagens nas redes apontam o contrário

“O Bolsonaro é o meu amigo pessoal. Guardamos isso do passado”, disse Roberto Jefferson em entrevista ao portal UOL, em 2020. O ex-deputado atirou contra policiais federais que cumpriam um mandato de prisão em seu nome na manhã deste domingo (23/10). Ele foi responsável por arremessar 3 granadas e dar 2 tiros de fuzil contra o grupo, assim ferindo dois agentes, logo após declarar em vídeo: “Eu não vou me entregar”. Depois do incidente, o presidente Jair Bolsonaro (PL) se pronunciou sobre o assunto na TV Record, alegando que “não tem nada de amizade” com o ex-parlamentar – mesmo com múltiplas evidências mostrando o contrário.

Em uma falha tentativa de desvincular sua imagem da de Jefferson, Bolsonaro mentiu: “Não tem uma foto dele comigo”. Existem, contudo, várias imagens do presidente na companhia do ex-deputado. Em setembro de 2020, o perfil do PTB no Facebook publicou registros de um encontro de Jefferson com Bolsonaro no Palácio da Alvorada, na qual é possível vê-los abraçados. Segundo as redes sociais do partido naquele dia, “Roberto Jefferson reforçou o convite ao presidente Bolsonaro para que se filie ao PTB, com objetivo de disputar as eleições de 2022”.

Essa não foi a única vez que Roberto Jefferson visitou o presidente em sua residência oficial. Em 3 de agosto de 2021, dez dias antes de ser preso pela PF por sua participação em um esquema que utilizava das redes sociais para realizar ameaças à democracia e a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Jefferson visitou o Palácio da Alvorada. O encontro até foi registrado na agenda oficial do presidente.

No dia 14 de abril de 2021, o Jefferson publicou em suas redes sociais: “Meu presidente encarna todos os meus credos. Prometo defendê-lo enquanto pólvora tiver”. Em entrevistas, o bolsonarista classificou Bolsonaro como um “homem correto, sério, simples” e disse que se sentiu “indignado” e na “obrigação de defendê-lo” após “vê-lo apanhar como estava apanhando” durante seu governo.

“Não existe qualquer ligação minha com Roberto Jefferson, nunca se cogitou em trabalhar na minha campanha”, diz Bolsonaro. Enquanto isso, registros da lealdade de Jefferson e fotos de múltiplos encontros entre os dois são facilmente achados na internet. Isso escancara a tentativa da campanha do presidente de fugir de associações a figura de Jefferson – uma tarefa impossível para duas figuras políticas que andaram lado a lado e que defendem os mesmos valores e ideais.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS