Rico ri à toa

Em palestra a investidores de seu banco, o BTG Pactual, André Esteves mostra intimidade com poderosos, mente sobre golpes de 1964 e 2016, faz piadas e fala do Brasil como se não estivéssemos em meio a uma das maiores tragédias sociais e econômicas de nossa história

É duro ouvir uma hora de banqueiro falando sobre dinheiro como se estivéssemos todos numa estação de esqui na Suiça. Mas também é didático do fosso sem fim em que nos enfiamos e da boa e velha luta de classes. Tá lá, no áudio do bate-papo com investidores-clientes do BTG Pactual, banco que teve entre os fundadores o ainda sinistro da economia Paulo Guedes (com US$ 9.5 milhões nas Ilhas Virgens), divulgado pelo Brasil 247. Nele, o banqueiro André Esteves diz que orientou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (aquele que também tem offshore em paraíso fiscal), sobre taxas de juros (informando que a Selic deve chegar esse ano a quase 10%). Ele disse também que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (aquele sentado em mais de 130 pedidos de impeachment), ligou perguntando o que ele achou da demissão de secretários do Ministério da Economia e que o fascista que ocupa a presidência da República pode conseguir se reeleger se “ficar calado”.

E o Lula, e o PT? Podem até ganhar, também, porque têm “ recall” , mas só se fecharem com o Centrão e entregarem a economia a liberais tipo Guedes. De qualquer forma, ainda teriam que se conformar com dois anos de Campos Neto no BC, para cuja independência ele se gaba de ter contribuído muito. O ideal mesmo, pra ele, no entanto, é um nome que já esteja na direita que ele chama de centro e que poderia atropelar a disputa nas redes sociais e mídia hegemônica “em três meses”.

Compromisso com maioria da população, histórico político, trânsito com movimentos sociais? Nada disso vem ao caso. Para Esteves, quem manda mesmo é O Mercado! Problemas sociais? Convulsões? Revoltas pela condução das políticas que levaram à queda histórica do real, uma das maiores inflações dos países em desenvolvimento, recessão? Mais de 600 mil mortos pela Covid num governo que ainda luta contra a vacina? Nada disso! Para ele, isso não é da índole do brasileiro, que não se revoltou com o golpe de 1964 e nem com o golpe de 2016, que ele compara, mentindo, sem citar os problemas da quebra do regime democrático: “não teve um tiro, ninguém foi preso, as crianças foram para a escola, O MERCADO FUNCIONOU NORMALMENTE”.

Dilma Roussef, aliás, para ele era terrível. Bom foi o Temer, que passou as “reformas” e dolarizou o preço da gasolina (que aliás vai subir novamente amanhã, 7%). Desigualdades sociais? Imagina, isso tem até no Chile, aquela maravilha de país onde o Guedes aprendeu a implantar o ultra-neoliberalismo durante a sangrenta ditadura de Augusto Pinochet. Fome, desemprego, desespero, dezenas de milhares em situação de rua? Nada disso vem ao caso para os investidores que riem de piadas sobre judeus apegados ao ouro e perguntam sobre criptomoedas. Enquanto isso, nós choramos os mortos, os crimes, a deturpação e cooptação das instituições.

Ache uma cadeira confortável, tome um comprimido pra enjoo e ouça com discrição. Se tiver estômago pra isso. (https://youtu.be/vwrSOb3m3sE)

COMENTÁRIOS

  • Pra quem ainda tinha Dúvidas de como Funciona as Influências neste Governo e o Golpe contra Dilma Rousseff …

  • Por trás da lógica plutocrata desse banqueiro está a ideia de meritocracia – o tal levanta cedo e corre atrás, there’s no free lunch e coisas do gênero – que faz a cabeça de milhões de pessoas que, embora sofram a consequências da descomunal concentração de renda de nosso país, acreditam que existe alguma coisa parecida com justiça nesse sistema. Enquanto a elite organiza palestras e jantares, sobra ao povo o “salva-se quem puder”. Como diz aquela música: se corre o guarda bate, se ficar o banco toma!

  • POSTS RELACIONADOS

    >