Paulo Galo, dos Entregadores Antifascistas, é investigado por fogo no Borba Gato e se apresenta à polícia

Paulo Galo se apresenta nesta quarta (28), às 14h, no 11º DP de Santo Amaro, que investiga o incêndio da estátua de Borba Gato
Líder do grupo Entregadores Antifascistas, Paulo Galo
Líder do grupo Entregadores Antifascistas, Paulo Galo

O fundador do grupo Entregadores Antifascistas, Paulo Roberto da Silva Lima, que tem o apelido de Paulo Galo, se apresentará nesta quarta-feira (28), às 14h, no 11º Distrito Policial de Santo Amaro, que investiga o incêndio contra a estátua de Borba Gato, no bairro de Santo Amaro (zona Sul de SP).

Segundo o advogado André Lozano de Andrade, entrevistado pela reportagem dos Jornalistas Livres, Paulo Galo se apresentará à polícia e dará sua versão sobre os fatos ligados à ação assumida pelo coletivo “Revolução Periférica”, e que envolveu dezenas de jovens moradores das periferias de São Paulo. Paulo Galo está sendo investigado como um dos supostos participantes do ato.

A polícia indiciou no dia seguinte ao incêndio no Borba Gato Thiago Viera Zem, apontado como sendo o dono do caminhão que usado para o transporte de pneus até o monumento do bandeirante genocida Borba Gato.

Paulo Galo decidiu se apresentar para colaborar com as investigações sobre o incêndio, a pedido dos policiais. O advogado André Lozano de Andrade dirigiu-se hoje à delegacia para agendar o comparecimento dele para prestar declarações. Lá, o representante tomou conhecimento da existência de pedido de decretação de prisão temporária contra Galo.

Os advogados pedem acesso ao inquérito para poder exercer o direito de defesa. E afirmam que, mesmo ciente do risco de prisão, o entregador antifascista prestará declarações e colaborará voluntariamente com as investigações “através de todos os meios possíveis”.

COMENTÁRIOS

18 respostas

  1. Que falta de respeito com o ser humano. O cara invade a terra escraviza e mata os indígenas e aí vem outros e ainda manda fazer estátua para homenagear um Genocida e Assassino .

    1. Pois e. Gracas a esse invasor de terras indigenas e que vice mora na sua casa. Pois a terra era do indio. O que ele fez voce nao concorda…mas morar numa casa que a terra era do indio voce mora? 2 pesos duas medidas? Se voce nao concorda mesmo com o que ele fez. Devolva sua casa para uma tribo indigena. Ai voce estara realmente sendo autêntico..

      1. Quem roubou as terras foi Borba Gato. Quem mora e construiu suas casas, não comprou do Borba Gato. Arrume outra desculpa para proteger o escravagista…

    2. É de chorar as atitude das autoridades desse país, ignoram nossa história, zero de nacionalismo, bom senso, raciocínio, posicionamento político. Parece haver intenção em delegar autoridade para amebas somente.

    3. Temos que mostrar a verdadeira face do extermínio dos índios e negros no início da colonização. Basta de homenagear assassinos!

  2. Em vários países, estátuas de tiranos fascistas, nazistas, traficantes/promotores da escravidão humana foram destruídas sob aplausos da população, mas, aqui, a elite do atraso, a ignorância reinante e patrocinada pela corja política que se beneficia da mentalidade retrógrada de parte de brasileiros, não permite que passemos “à limpo” páginas vergonhosas da nossa história! Pasmem! Querem punir quem nada mais fez que chamar a atenção para as nossas podres verdades!!!

  3. Se existe algum vereador ou deputado estadual a favor da permanência dessa estátua, não merece o respeito do povo do estado de São Paulo

  4. Força Galo! Estamos com você!!
    Uma afronta à sociedade a estátua de um Genocida e Etnocida da pior categoria como esse monstro Borba Gato

  5. Essa polêmica toda por causa de uma estátua que do ponto de vista estetico é de mau gosto, representa um escravagista, uma figura nefasta, que não representa nada de importante para nossa história. AÍ numa medida desproporcional prendem o cara….

Deixe um comentário

POSTS RELACIONADOS

Quem vê corpo não vê coração. Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental na classe trabalhadora.

Desigualdade social e doença mental

Quem vê corpo não vê coração.
Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental. Sobre como a população pobre brasileira vem sofrendo com a fome, a má distribuição de renda e os efeitos disso tudo em nossa saúde.

A nova fase do bolsonarismo

Por RODRIGO PEREZ OLIVEIRA, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia O ato de 25/2 inaugurou um novo momento na história da

Cultura não é perfumaria

Cultura não é vagabundagem

No extinto Reino de Internetlândia, então dividido em castas, gente fazedora de arte e tratadas como vagabundas, decidem entrar em greve.

O silêncio dos nada inocentes e a coragem de Lula

Em coletiva de imprensa na África, o presidente brasileiro disse o que muitos governantes têm medo de dizer: que o Estado de Israel comete, com cumplicidade da mídia e dos líderes ocidentais, um genocídio comparável ao dos nazistas