O aspecto positivo do discurso de Bolsonaro

Com sua imagem fedorenta, o presidente foi à ONU, tomou o microfone e mostrou ao mundo quem é o homem médio brasileiro

ARTIGO

RODRIGO PEREZ OLIVEIRA, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia

Terça-feira, 24 de setembro de 2019.

Jair Bolsonaro protagonizou aquele que talvez tenha sido um dos maiores vexames da história da diplomacia. Em aproximadamente 30 minutos de discurso, o presidente do Brasil vomitou no púlpito da ONU todas as bobagens que vem falando desde o início da década de 1990, e que durante muito tempo foram lidas como devaneios sem importância.

Erro grave. A democracia brasileira subestimou o potencial destrutivo de uma fenda autoritária. A fenda foi crescendo, crescendo, até fazer desaparecer o chão sob nossos pés.

Na ONU, Bolsonaro falou do Foro de São Paulo, do projeto socialista dos governos petistas, de ideologia de gênero e tudo aquilo que circula no submundo do Whatsapp.

Confesso que não sei se o presidente acredita mesmo no que diz ou se isso faz parte da estratégia de constante excitação de sua base social orgânica. Pode ser que sejam as duas coisas. Acho mais provável que sejam as duas coisas.

Não vou comentar o conteúdo do discurso. Muitos já o fizeram. Quero mesmo é mostrar o lado positivo do evento, acompanhado com atenção pelo mundo inteiro, que tenta entender o que está acontecendo no Brasil.

O discurso mostrou ao mundo que a narrativa que desde o século XIX afirma o lugar do Brasil no concerto internacional das nações é, simplesmente, mentirosa.

Mas que narrativa é essa?

Em 1843, foi publicado um texto de autoria do botânico alemão Karl von Martius, onde o autor prescreve um modelo para aqueles que no futuro tentassem escrever a história do Brasil. Para Martius, qualquer um que se dedicasse ao empreendimento não poderia deixar de ressaltar aquele que seria o aspecto fundamental da formação histórica brasileira: a mistura pacífica entre as raças branca, negra e indígena.

A tópica da mistura racial pacífica atravessou o pensamento social brasileiro, ganhando seus contornos mais conhecidos no livro “Casa Grande e Senzala”, de Gilberto Freyre, publicado pela primeira vez em 1933. A “democracia racial” se tornou a principal ideologia de autoapresentação brasileira no mundo.

Em todas as exposições universais realizadas ao longo do século XX, lá estava no stand do Brasil um índio trajado de nu e com o corpo pintado, uma baiana fritando acarajé ou uma mulher negra sambando de biquíni.

Durante muito tempo a narrativa colou, a tal ponto que na década de 1950, a ONU enviou uma missão ao Brasil para estudar como se dava a convivência pacífica entre raças diferentes. Naqueles anos, a ONU investia em uma agenda multiculturalista e estava convencida de que o Brasil tinha algo a ensinar ao mundo.

O futebol ajudou a alimentar essa imagem positiva: Pelé, os Ronaldinhos, Romário. O Brasil seria tão tolerante e pacífico a ponto de monumentalizar heróis negros.

Se é possível ver o copo meio cheio e encontrar algo de bom no discurso de Bolsonaro na Assembleia Geral das Nações Unidas, eu diria que foi a revelação ao mundo de uma verdade sobre o Brasil.

Manifestações racistas, ataques aos direitos das comunidades indígenas, ofensas às mulheres. Os absurdos ditos por Bolsonaro ecoam na imprensa internacional desde o segundo semestre do ano passado, quando ele pintou como candidato forte na corrida presidencial.

O discurso na ONU foi a cereja do bolo e jogou pá de cal na representação que durante quase 200 anos definiu o Brasil no imaginário internacional.

Bolsonaro, com sua imagem fedorenta (a imagem de Bolsonaro fede, sou capaz de sentir o mal hálito exalando da TV), foi lá, tomou o microfone e mostrou ao mundo quem é o homem médio brasileiro.

Bolsonaro é a representação perfeita do homem médio brasileiro, como já disse com astúcia Eliane Brum: autoritário, violento, deselegante, feio.

Mesmo com todo o vexame, o discurso de 24 de setembro de 2019 serviu para globalizar o homem médio brasileiro e dar fim à farsa que durante muito tempo enganou o mundo, incluindo nós mesmos.

Agora, talvez, diante do grotesco manifestado em espelho, sejamos capazes de entender quem somos e melhorar. Essa tragédia toda precisa servir pra alguma coisa.

Categorias
AnáliseArtigoGeopolíticaOpiniãoPolítica
2 comentários:
  • Kelly Scherer
    1 outubro 2019 at 15:51
    Comente

    Muito bom

  • Fatima Piva
    2 outubro 2019 at 2:51
    Comente

    Espetacular análise , concordo com tudo e muito interessante e o fato de o Professor dizer” ele fede”. Fiquei espantada pq sempre que tenho “a não sorte” de ver a cara do sujeito penso na hora: ele tem mau hálito, que cabra mais feio, é deselegante, asqueroso. Nossa, penso igualzinho ai Professor.

  • Deixe uma resposta