Novo Secretário da Cultura silencia sobre o destino da Cinemateca Brasileira

Mario Frias se esconde e não ouve trabalhadores da Cinemateca em greve

3º ato em defesa da Cinemarteca

3º Ato dos Trabalhadores da Cinemateca Brasileira

Nesta terça-feira, 23 de junho de 2020, os trabalhadores da Cinemateca Brasileira, que seguem em greve, se reuniram novamente diante da Cinemateca Brasileira, junto ao Sindicato dos Radialistas de SP e outros movimentos que apoiam a Cinemateca e os seus trabalhadores.

Video do 3o Ato dos Trabalhadores da Cinemateca Brasileira realizado no dia 23/06/2020 em frente à Cinemateca Brasileira no Largo Senador Raul Cardoso, 207.

O motivo: a realização de uma reunião com o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, na própria Cinemateca Brasileira, que decidiria o destino da instituição e dos seus trabalhadores. Os trabalhadores souberam, pela imprensa e mídias sociais, que o novo secretário Especial de Cultura, Mario Frias, esteve na reunião, e que o encontro contou com uma apresentação às autoridades federais sobre o que é a Cinemateca Brasileira, sua importância e necessidades.

No entanto, mais uma vez não tiveram qualquer resposta da diretoria da Acerp quanto ao resultado final desse encontro. Esperávamos, enfim, um desfecho minimamente positivo.

O que se soube partiu da imprensa, que reproduziu informações vindas de fontes não oficiais: teria ficado decidido que o vínculo da Acerp com a Cinemateca seria formalmente restabelecido. Consequentemente, todas as pendências seriam sanadas e a instituição receberia um aporte para sua continuidade a curto e médio prazo, ao menos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No entanto, sem uma informação oficial confirmando esse futuro da instituição, o que de certa forma nos traria certo alento, o que se vê na prática é que o destino da Cinemateca Brasileiro e dos seus 62 trabalhadores segue indefinido, de forma agoniante. Já são três meses de salários, benefícios e notas de prestação de serviços atrasadas – situação que também se estende aos trabalhadores da TV Escola.

Até quando os trabalhadores terão que esperar? O limite de suas forças está chegando, para não falar do limite econômico, ultrapassado já por várixs delxs.

“Desrespeito”, não há outra palavra para descrever a forma como estão sendo tratados os profissionais da Cinemateca Brasileira e da TV Escola.

Até quando o governo federal seguirá adiando a sua responsabilidade com as instituições que contribuem para manter e levar adiante a história e a cultura do nosso país?

Sem trabalhadores não se preservam acervos!!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Conheça mais sobre a Cinemateca Brasileira: http://cinemateca.org.br/

Colabore com a rede de apoio financeiro aos trabalhadores da Cinemateca Brasileira – faltam apenas 10 dias para o fim da campanha:

https://benfeitoria.com/trabalhadoresdacinemateca

Categorias
Cinema
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

Relacionado com