Futebol feminino do Brasil: uma história de luta

Hoje o Brasil perdeu nos pênaltis para a Suécia, mas não foquemos nas derrotas e sim nas vitórias.

Pela primeira vez nossas meninas da seleção feminina de futebol receberam tanto apoio e força. Pela primeira vez fomos colocadas como alvo da fé e do entusiasmo brasileiro.

Trocaram Neymar por Marta na camiseta da seleção. Pela primeira vez sentamos numa mesa de bar e pudemos ouvir os comentários sobre todas as jogadoras, com nome e trajetória dentro do futebol. Barbara virou ídola, Formiga recebeu a atenção que merecia e foi elogiada por seu desempenho formidável aos 38 anos. Andressinha virou referência, e Andressa Alves estava na boca do povo. Raquel jogou pela primeira vez uma olimpíada. Cristiane deu um show e Beatriz ganhou todos os olhares. Poliana estava na boca de todos os comentaristas. Aline, Mônica, Rafaelle, Bruna, Érika, Fabiana, Tamires, Thaísa, Debinha, todas elas ganharam a atenção, o carinho, a força do povo brasileiro.

Pela primeira vez foi dito “jogue como uma mulher” com uma conotação positiva.

Vale ressaltar que esta frase é utilizada há muito tempo pelo feminismo, mas que sempre ganhou uma conotação negativa quando era usada pelos comentaristas e por toda a essa sociedade machista. Hoje, mesmo não chegando à final, vencemos.

Vencemos porque fizemos história, e venceremos a cada vez que lembrarmos desses jogos olímpicos. Nós não esqueceremos e não vamos deixar o mundo esquecer.

As mulheres do futebol do Brasil são referência, merecem apoio e força, mas não só isso. Não esqueceremos e cobraremos. Cobraremos patrocínio, investimento, estrutura, visibilidade.

Cobraremos o que nos é nosso de direito, porque, aqui no Brasil, provamos que pra jogar bem, tem que jogar como uma mulher.

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

POSTS RELACIONADOS

Catástrofe nuclear?

Estamos diante da maior ameaça de guerra nuclear desde a crise dos mísseis soviéticos em Cuba, no início dos anos 1960.