Empresário é multado em R$150 mil após coagir funcionários a votar em Bolsonaro

"Vou fazer uma proposta pra vocês aqui (...) se o presidente ganhar a eleição cada um vai ter R$ 200 no bolso.", disse o empresário
Empresário tenta comprar voto de seus funcionários - Foto: Reprodução
Empresário tenta comprar voto de seus funcionários - Foto: Reprodução

Um vídeo viralizou nas redes nesta terça (4) após o primeiro turno das eleições. Nele, um empresário chamado Maurício Lopes Fernandes coage seus funcionários a votar em Jair Bolsonaro no segundo turno. Nesta sexta (7), foi determiando pelo Ministério Público do Pará (MPT-PA) que Maurício terá que pagar indenizações de mais de R$ 150 mil por dano moral coletivo. Além disso, deverá pagar R$ 2 mil a cada empregado, com vínculo formal ou não, e assinar a carteira de trabalho dos funcionários sem registro.

Por Emanuela Godoy

Maurício Lopes Fernandes é dono de uma empresa de tijolos e telhas em São Miguel do Guamá, nordeste paraense. No vídeo, ele aparece ameaçando seus trabalhadores dizendo que caso Lula seja eleito suas fábricas terão que fechar e promete R$ 200 para todos os seus funcionários se o atual presidente Jair Bolsonaro vencer as eleições.

“Nós temos que se unir para que Lula não ganhe. Por que? Porque se Lula ganhar vocês podem ter certeza que mais da metade dessa São Miguel vai fechar. Eu sou um que tem 3 cerâmicas aqui e já vou fechar as três se ele ganhar, porque ninguém vai aguentar o pepino que vem. (….) Vou fazer uma proposta pra vocês aqui (…) se o presidente ganhar a eleição cada um vai ter R$ 200 no bolso.”

O empresário também foi indiciado por crime eleitoral. Segundo o artigo 299 do Código Eleitoral, é crime “dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita”.

Empresário Maurício Lopes Fernandes se desculpa pelo assédio eleitoral:

O MPT-PA determinou que o empresário Maurício Lopes Fernandes deveria publicar um pedido de desculpas dentro de 48 horas. Ne sexta (7), o vídeo já havia sido divulgado:

“Boa tarde pessoal, vim aqui primeiramente pedir desculpa a vocês que são meus funcionários da minha empresa. E em segundo, vim pedir desculpa a sociedade brasileira pelo ocorrido que aconetceu na terça-feira passada. Que eu simplesmente pedi aos meus funcionários que votassem em meu candidato. Ocorreu um erro, e estou dizendo a vocês o seguinte: estou me retratando.”

Empresário Maurício Lopes Fernades se desculpa por crime elitoral

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS