Diário do bolso: mais pé-frio que o Mickey Jeguer

Diário, eu sou mais pé-frio que o Mickey Jeguer, aquele vocalista dos Ex-Tones. Os três caras que eu apoiei na eleição de foram derrotados.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero*. Diário, eu sou mais pé-frio que o Mickey Jeguer, aquele vocalista dos Ex-Tones.

Os três caras que eu apoiei na eleição de foram derrotados. Sou pé-frio.

Em Fortaleza, o Capitão Wágner perdeu do candidato do Ciro Gomes. E isso é muito triste, porque o Wágner é capitão que nem eu, então dói mais ainda. Lá fizeram uma aliança gigante pra derrotar o coitado. Do DEM ao PSOL. E os irmãos Gomes deram as mãos para o Tasso Jereissati. Pô, a esquerda e o centro não podem se juntar. Assim não vale!

Em Belém, o Edmílson, do PSOL, o novo partido queridinho da canhotagem, derrotou o Delegado Eguchi. Pô, dois anos atrás era só o cara ter “Delegado”, “Major” ou “Capitão” no nome que era eleito. Tem que ver isso aí.

E o meu terceiro candidato derrotado foi o Crivella. Desse eu nem quero falar, porque fizeram pó-de-rabiola do sujeito. Trucidaram mesmo. Ele teve só 36% dos votos. O Paes ficou com 64%. E o pior é que só uns 4% gostam do Paes. Os outros 60% votaram nele porque odeiam o Crivella.

Assim a coisa vai mal, Diário, assim a coisa vai mal…E me consolido como pé-frio.

A maioria das vitórias foi do pessoal de centro-direita. Será que eu vou ter que virar um moderado pra ter chance em 2022? E será que eu consigo isso? Difícil, difícil…

Essas eleições também complicaram o tema da campanha da minha reeleição. Como é que eu vou pregar o antipetismo se o PT não ganhou nenhuma capital?

Eu podia usar de novo o discurso anticorrupção. Mas é difícil, porque o Flavinho está entalado na rachadinha. E ainda tem o Queiroz, os 89 mil da Michelle e os imóveis que o Dudu, o Carluxo e as minhas ex-mulheres compraram com dinheiro vivo. Não, esse papinho não vai colar. O roto não fala do esfarrapado.

O assunto pandemia também não vai dar pé, porque esses fracotes sem histórico de atleta vão continuar morrendo. E nem adianta pensar em recuperação econômica, que o Guedes e a turma dele vão continuar em passo de tartaruga.

Diário, acho que o melhor é começar a dizer que a eleição será fraudada. Aí já tenho uma desculpa para a derrota. Ou, se os militares toparem, a gente dá um golpe em nome da “verdade das urnas”.

É, pode ser, pode ser…

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

O grande pé-frio desta eleição de 2020

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do bolso: o jacaré e dez desabafos

Essa história de jacaré provocou a maior gozação nas redes sociais. Todo mundo tirou sarro de mim. Mas pode acontecer, pô! E, se o meu gado virar jacaré, como é que eu vou chamar ele? Jacagado?

Diário do bolso: É uma mamata do bem

Descobriram que uma empresa de vídeo (que já ganhou mais de um milhão no meu governo) fez a cobertura da festa da empresa do Renanzinho de graça. E que o freguês da empresa do Renanzinho é o governo federal. Mas e daí? É uma mamata do bem, pô!

Diário do bolso: fundei o “edaísmo”. E daí?

Diário, fundei o “edaísmo”. É uma mistura de filosofia, religião, teoria econômica, política de governo e comportamento social.

Ele consiste em não ligar para as coisas ruins. Só para as boas.

>