Diário do bolso: fundei o “edaísmo”. E daí?

Diário, fundei o “edaísmo”. É uma mistura de filosofia, religião, teoria econômica, política de governo e comportamento social. Ele consiste em não ligar para as coisas ruins. Só para as boas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero* Diário, fundei o “edaísmo”. É uma mistura de filosofia, religião, teoria econômica, política de governo e comportamento social.E daí?

Ele consiste em não ligar para as coisas ruins. Só para as boas.

1-)Por exemplo, o meu governo optoupela menor cobertura possível na aliança mundial de vacinas, a Covax. Cada país podia pedir vacinas que pudessem atender de 10% a 50% da população. Nós escolhemos a menor opção. Só 10%. Ou seja, vai morrer mais gente por causa disso. Mas e daí?edaísmo

2-)Outra: o Ministério da Saúdeparou de fazer exame de genotipagem no SUS em pessoas com Aids. A gente deixou vencer o contrato com a empresa. E o teste serve para definir o tratamento mais adequado para cada um. Ou seja, vai morrer mais gente por causa disso. Mas aí eu pergunto: e daí?

3-)Vinte e duas crianças foram mortas por balas perdidas este ano. A maior parte em operações policiais. Mas e daí?

4-)Hoje faz mil dias da morte da Marielle. Até prenderam um vizinho meu. Mas ainda não se sabe quem mandou matar a esquerdista. E daí?

5-)Estamos preparando um “revogaço” de umas 100 portarias sobre saúde mental. Vamos acabar com umas bobagens, tipo o Serviço Residencial Terapêutico e a Comissão de Acompanhamento do Programa de Volta para Casa. E daí?

6-) Tem país que já começou a vacinação contra a covid, mas aqui a gente tá em passo de tartaruga. E assim vai morrer mais gente. E daí?

E daí que, com todas essas coisas acontecendo, ontem eu inaugurei uma exposição com as roupas que eu e a Micheque, digo Michelle usamos no dia da minha possessão como presidente.  E isso foi manchete em tudo quanto é lugar.

O edaísmo faz a gente se concentrar no que realmente interessa. Não vamos perder tempo com doente, louco, criança, aidético e Marielles. Vamos pensar em roupas bonitas, pô!

Viva a Cloroquina Fashion Week!

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

PS: https://www.catarse.me/diariodobolso4

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do bolso: o jacaré e dez desabafos

Essa história de jacaré provocou a maior gozação nas redes sociais. Todo mundo tirou sarro de mim. Mas pode acontecer, pô! E, se o meu gado virar jacaré, como é que eu vou chamar ele? Jacagado?

Diário do bolso: É uma mamata do bem

Descobriram que uma empresa de vídeo (que já ganhou mais de um milhão no meu governo) fez a cobertura da festa da empresa do Renanzinho de graça. E que o freguês da empresa do Renanzinho é o governo federal. Mas e daí? É uma mamata do bem, pô!

Diário do bolso: As quentinhas do Jair

Uma juíza aí, grande jurista!, proibiu a Globo de mostrar qualquer documento do processo das rachadinhas do Flavinho. É isso aí, pô, tem que censurar mesmo. Se forem mostrar tudo de errado que tem nas contas do Flavinho, não vai sobrar tempo pra novela, kkk!

2-) E um delegado, grande homem da lei!, intimou o William Bonner e a Renata Vasconcelos a irem na delegacia depor sobre “desobediência a decisão judicial”. É isso aí, agora falou do Flavinho, vai pra delegacia, kkk!

>