Dançando sobre a recusa

Ouço as maracas, sofisticado instrumento, simples na intenção de percussão e oração, como chocalho de cascavel, dançando no fronte ao STF, ao vivo, tão distantes estando nós da Praça dos Três Poderes. Contra o Projeto de Lei 490, dança e canta essa gente de nosso sangue, misturam, revelam, tornam lúdica a ciência, saber de quem anda em país infundo.

Não é só ritmo ou fluxo da mente, guerreiros na vontade do porvir, é a atitude que define, como ensinou Hannah Arendt, a vida do espírito que não desiste.

Querem fechar a janela dos povos indígenas, tirar seu chão, essa milícia que governa tão infinita nação.

Não desistem, a vida não é breve, sabem.

Pisam e dançam,

firmes.

Até quando o Brasil será indecente em seus poderes?

https://www.facebook.com/apiboficial/videos/528856871485762

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O eterno retorno do encontro

Esta é uma boa oportunidade para reportar algumas das narrativas antigas de muitas das nossas tradições, das diferentes tribos que vivem hoje nesta região da

>