Comunidades indígenas são impedidas de votar por falta de logística e ameaças

Comunidades indígenas não conseguem exercer sua cidadania por falta de transporte, infraestrutura e ameaças a suas vidas
[Imagem: Divulgação/PF – Maio 2022]

Denúncias acerca de operações policiais impedindo o eleitorado de votar estão sendo divulgadas nas redes socias por todo o país. Comunidades indígenas do município de Novo Repartimento, no Pará, e do Parque Indígena Xingu, em Mato Grosso, também estão sendo impossibilitados de exercer sua cidadania neste segundo turno. De acordo com informações preliminares, 3.500 mil indígenas foram impedidos de votar até o momento.

Na Terra Indígena (TI) Parakanã (PA), 500 eleitores não conseguem transitar até a cidade, por ameaças a suas vidas ou pela ausência de transporte. “Atualmente encontram-se prisioneiros em seu próprio território, um tipo de ‘cárcere privado’. (…) Os Awaetés não puderam exercer seu direito ao voto no primeiro turno e certamente não o farão no segundo turno, dia 30. Não obtiveram segurança, transporte ou mesmo a alteração de suas zonas eleitorais para espaços mais próximos das aldeias ou condições mínimas de participação”, relatam docentes da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), que mantém vínculo com o povo Awaeté-Parakanã.

Eleitores das etnias Kawaiwete, Kisidjê, Kalapalo, Matipu, Nafukuá e Kuikuro, residentes do município de Querência (MT), não conseguiram votar neste domingo (30/10) por conta da ausência de ônibus para realizar o deslocamento dos indígenas. Vale destacar que o prefeito da cidade é o empresário do agronegócio e bolsonarista Fernando Gorgen (União Brasil) e suspendeu o transporte público em terras indígenas em Querência.

“No primeiro turno eles viram que nós povos indígenas votamos mais para o Lula, por isso que eles não queriam, estão botando essa dificuldade que a gente não vá votar no segundo turno, estamos muito bravos e nervososos”, disse o cacique de Siraium Kayabi, de uma comunidade de etnia Kawaiwete na região. Segundo o cacique, pelo menos 3 mil indígenas do Xingu foram afetados pela decisão criminosa de suspenção do transporte pelo prefeito do município.

“Um dos municípios que tem a maior população indígena do Xingu, que é Querência, está dizendo que não vai buscar o pessoal, não”, afirmou o líder indígena Watatakalu Yawalapiti. O juiz auxiliar da presidência do TRE-MT, Bruno Marques, declarou ao jornal O Globo, que a logística dos ônibus foi prejudicada pelas chuvas que atingiram a região.

Informações recebidas pelo portal MidiaJur colocam que os ônibus só foram disponibilizados depois que advogados indígenas foram até os cartórios eleitorais registrar as denúncias.

Saiba mais sobre as eleições AQUI.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Craque dentro e fora do campo

O centroavante Richarlison ganhou cerca de 4 milhões de seguidores em seu Instagram após fazer os dois gols na vitória do Brasil contra a Sérvia.

Poder Para o Povo Preto

Por Tchê Tchê, no The Players Tribune em parceria com o Observatório da Discriminação Racial no Futebol Irmão, eu carrego na alma e no corpo