Coalizão Negra convoca “13 de maio de lutas”

Veja onde haverá ato no dia 13 de maio e o manifesto. Coalizão Negra Por Direitos convoca “13 de maio de lutas” em manifestações em todo o Brasil pelo fim do racismo, do genocídio negro, das chacinas e pela construção de mecanismos de controle social da atividade policial

Do site da Coalização Negra por Direitos. Neste 13 de maio, Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo, a Coalizão Negra Por Direitos convoca manifestações em todo o país para exigir justiça para as vítimas do massacre na Favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, e de todas as operações policiais que resultaram nas mortes nas favelas e comunidades do Brasil.

“NEM BALA, NEM FOME, NEM COVID. O POVO NEGRO QUER VIVER!”. A reivindicação por Auxílio Emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia, o direito da população negra à vacina contra o coronavírus pelo SUS e o Fora Bolsonaro compõem as reivindicações que estão descritas em manifesto divulgado pelo movimento:

LEIA AQUI O MANIFESTO DA COALIZÃO NEGRA SOBRE JACARÉZINHO-RJ E PELO FIM DO GENOCÍDIO DO POVO NEGRO

Os atos do “13 de maio de lutas” são realizados por organizações que compõem a Coalizão Negra Por Direitos e entidades parceiras. Devem ocorrer manifestações em todos os estados, mais Distrito Federal. As ações levarão às ruas pautas do movimento negro contra a violência do Estado e o genocídio negro. As organizações dos protestos orientam quem for participar para comparecer de máscaras, higienizar as mãos com álcool gel constantemente e manter, o quanto possível, o distanciamento social seguro.

Nas redes sociais, fortaleça, utilizando as hashtags para o 13 de maio de lutas:

#ChacinadoJacarezinho
#CoalizãoNegraPorDireitos
#ForaBolsonaroGenocida
#13DeMaioNasRuas

Confira a programação dos atos pelo país do 13 de maio de luta:

º Rio de Janeiro – Candelária, Centro
Concentração: 17h

º Acre – Esquina da Alegria, Rio Branco 
Concentração: 7h

º Rio de Janeiro – Portal de Entrada da Cidade – InoãMaricá –
Concentração: 7:30h

º Ceará –  Estátua de Iracema, Fortaleza
Concentração: 10h

º São Paulo – Rodoviária de AtibaiaAtibaia
Concentração: 10h

º Bahia – Praça da Piedade, Salvador 
Concentração: 11h

º Santos (SP) – Praça José Bonifácio
Concentração: 12h

º Goiás – Av. Anhanguera, 7364, Setor Aeroviário, em frente à Secretaria da Segurança Pública de Goiânia
Concentração: 13h

º Paraná – Londrina – Em Frente a GAECO
Concentração: 13h

º Piauí – Praça da Liberdade, Teresina 
Concentração: 15h

º Alagoas – Praça Marechal Deodoro, Centro, Maceió 
Concentração: 15h

º Rio de Janeiro – Praça Veríssimo de Melo, Macaé
Concentração: 15h

º Rio de Janeiro – Av. Ernani do Amaral Peixoto, 577Niterói – Em frente ao Fórum de Justiça e 76º Delegacia de Polícia
Concentração: 15h

º Paraíba – Lagoa, João Pessoa 
Concentração: 15h

º Pará – Altamira – Ato Virtual às 15h
Transmissão: Coletivo de Mulheres Negras “Maria Maria” Comunema

º Amazonas – Praça da Polícia, Centro, Manaus
Concentração: 16h (17h no horário de Brasília)

º Amapá – Fortaleza de São José de Macapá, Macapá
Concentração: 16h

º Rio Grande do Norte – Shopping Midway Mall, Natal
Concentração:16h

º São Paulo – Av. Paulista – Vão livre do MASP 
Concentração: 17h

º São Paulo – Praça Dom Pedro IIBauru – Em Frente à Câmara Municipal
Concentração: 17h

º São Paulo – Praça do Pimenta de Cheiro – Ilha Bela
Concentração: 17h

º São Paulo – Pátio dos Trilhos – Jacareí
Concentração: 17h

º Minas Gerais – Praça Afonso Arinos – Belo Horizonte
Concentração: 17h

º Rio Grande do Sul – Esquina Democrática, Porto Alegre
Concentração:17h

º Espírito Santo – Praça Costa Pereira – Centro, Vitória
Concentração: 17h

º Maranhão – Praça Dom Pedro II, em frente ao Tribunal de Justiça, São Luís
Concentração: 17h

º Rio de Janeiro – Praça Dom Pedro, Petrópoles
Concentração: 17h

º Rio de Janeiro – Praça do Porto, Angra dos Reis
Concentração: 17h

º Pernambuco – Praça do Derby, Recife
Concentração: 17h

º Sergipe – Rua Abolição, Aracaju
Concentração: 17h

º Distrito Federal – Praça dos Três Poderes, em frente ao STFBrasília
Concentração: 17h

º Paraná – Calçadão, Escadaria da Pernambucanas, Londrina
Concentração: 17h

º Pará – Santarém – Praça da Matriz
Concentração: 17h

º Pará – Praça da República, Belém 
Concentração: 18h

º Mato Grosso – Praça da Mandioca, Cuiabá
Concentração: 18h

º Paraná – Praça Santos Andrade, Curitiba
Concentração: 18h

º São Paulo – Largo do Rosário, Campinas 
Concentração: 18h

º Paraná – Ponta Grossa – Praça dos Polacos
Concentração: 18h

º Paraná – Curitiba – Praça Santo André 
Concentração: 18h

Atos internacionais:

º USA – Union Square, New York
Concentração: 11h30 am

º USA – Austin/Texas – Capitol
Concentração: 7h30 pm

º London – Brazilian Embassy
Concentração: 15th May at 12h am

*Programação sujeita a atualização e alterações.

Racismo e Genocídio sem fim: Manifesto da Coalizão Negra por Direitos sobre a Chacina do Jacarezinho – Rio de Janeiro – Brasil

Em 1951, o movimento pelos direitos civis nos EUA acusava aquele país de genocídio de sua população negra por meio da histórica petição “We Charge Genocide”. O documento fazia um paralelo entre “o assassinato bárbaro de milhōes de judeus” e “os negros mortos por causa de sua raça”. Também na África do Sul ativistas negras e negros sul-africanos chamaram a atenção do mundo por mais de quarenta anos para o terror racial do Apartheid, levando a ONU a condenar o regime em 1973 e declarar sanções econômicas nos anos seguintes.

 O movimento negro brasileiro tem sistematicamente pedido a solidariedade do mundo para denunciar o genocídio antinegro colocado em curso pelo Estado brasileiro. É genocídio! Tomando a definição da ONU, da qual o Brasil é signatário, “entende-se por genocídio (…) atos cometidos com a intenção de destruir no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso”.

Quando se olha para o número de mortes de negros pelo Estado brasileiro, evidencia-se esse processo. Somente no ano de 2020, mais de 5.600 pessoas foram mortas pelas polícias no Brasil. Há mortes sistemáticas de jovens negros e negras nas periferias brasileiras. Pelo menos 75% das vítimas do terror policial pertencem a esse grupo racial.

 A Chacina do Jacarezinho contabiliza, até o momento, ao menos 29 mortes. Vidas e histórias exterminadas pelas forças do Estado, sem respeito e nenhum direito previsto em lei. Corpos cuja humanidade e cidadania são negadas na vida e na morte. Assassinatos resultantes de uma operação policial ilegal e proibida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Desde junho de 2020 até março deste ano, mais de 823 pessoas foram mortas em operações policiais, mesmo com a proibição da Suprema Corte (ADPF das Favelas).

 Vivemos em um país no qual amanhã poderemos estar mortos pelo fato de sermos negros. Seja pelo coronavírus, seja pela fome, seja pela bala, o projeto político e histórico de genocídio negro avança no Brasil. Mas a sociedade não acredita nisso, ou não se importa. Em 1994, um grupo de pastores de uma pequena comunidade no interior de Ruanda escreveu uma carta ao líder de sua congregação pedindo ajuda frente ao perigo iminente. A carta, imortalizada em publicação de Philip Gourevitch, intitulada “Desejamos informar-lhe que amanhã seremos mortos”, foi ignorada.

Todos foram assassinados. Mais tarde, o apelo se transformaria em uma denúncia do desprezo do mundo frente às mais de 800 mil vítimas do genocídio de Ruanda. Até quando as racial. A cor dos mortos nesta e nas inúmeras operações policiais nas periferias urbanas do país revelam a prática sistemática do genocídio da população negra brasileira. A situação exige um posicionamento da sociedade civil brasileira, da comunidade internacional, do sistema ONU e da sociedade civil global acerca do que vivemos.

 Neste 13 de maio, Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo, a Coalizão Negra por Direitos, uma aliança que reúne mais de 200 organizações de todo país, convoca manifestações em todos os Estados pelo fim do genocídio negro, das operações policiais assassinas, das chacinas de todo dia e pela construção de mecanismos objetivos de controle social da atividade policial. Exigimos:

I – Que se informe os protocolos empregados para prevenir o uso de força letal e a vitimização da população civil, especialmente de pessoas negras, nos termos da resolução;

II – Que seja garantida uma investigação independente, célere, transparente e imparcial, conduzida por órgão independente, alheio às forças de segurança e instituições públicas envolvidas na operação, nos termos da obrigação;

 III – Que seja formado um corpo pericial independente, que garanta a imparcialidade e transparência para investigar os assassinatos, observando-se os termos do Protocolo de Minnesota;

IV – Que os familiares das vítimas e todas as pessoas que sofreram violações sejam devidamente reparadas;

V – Que haja uma enérgica atuação por parte do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro e Ministério Público Federal para que haja a responsabilização das forças policiais;

VI – O imediato afastamento das forças policiais dos responsáveis pela Chacina de Jacarezinho; VII – Que seja cumprida a decisão do STF na ADPF das Favelas;

 VIII – Que seja implementada a condenação internacional recebida pelo Brasil no caso Favela Nova Brasília, também localizada no Rio de Janeiro;

 IX – Que seja criado pelo estado do Rio de Janeiro um plano de redução da violência e letalidade policial, conforme já recomendado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos; X – Que sejam adotadas políticas de proteção à segurança e integridade das testemunhas que vivem na comunidade de Jacarezinho, bem como das defensoras e defensores de direitos humanos que estão atuando na comunidade e na denúncia desse caso.

 Nem bala, nem fome, nem Covid. Queremos viver! Não esqueceremos a Chacina do Jacarezinho. Vidas Negras Importam.manifestações, a elaboração e os apelos do movimento negro brasileiro serão ignorados? O que vimos no Jacarezinho foram execuções sumárias de indivíduos eleitos como inimigos públicos por sua origem

13 de maio de luta

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    >