Armas biológicas: China questiona moral dos EUA no assunto

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, publicou dois tuítes hoje de manhã mostrando que os EUA perderam a autoridade moral para denunciar as intenções de uso de armas químicas ou biológicas por outras nações
Secretário de Estado estadunidense Colin Powell mostrando na ONU evidências falsas de armas químicas no Iraque em 2003

Há cerca de duas semanas, como reportado pelo jornalista Gleen Greenwald (veja matéria em https://jornalistaslivres.org/victoria-nuland-ucrania-tem-instalacoes-de-pesquisa-biologica-e-teme-que-sejam-confiscadas-pela-russia/), Estados Unidos e Rússia têm trocado acusações sobre a possibilidade de uso das chamadas “armas de destruição em massa” na guerra na Ucrânia. Apesar de proibido pelo Direito Internacional Humanitário, o conjunto de regras que rege os conflitos armados desde as Convenções de Genebra, de 1949 (https://www.icrc.org/pt/doc/war-and-law/treaties-customary-law/geneva-conventions/overview-geneva-conventions.htm), esse tipo de armamento tem sido utilizado de fato ou como retórica pelos EUA em várias oportunidades, como cita Chunying no primeiro post: 

Alguns funcionários dos #EUA afirmam que a Rússia pode usar armas biológicas contra a #Ucrânia. As pessoas estão perguntando: não foram os EUA que usaram o Agente Laranja no #Vietnã, armas bacteriológicas na #PenínsulaCoreana, invadiram o #Iraque com evidências falsas de #ArmasDeDestruiçãoEmMassa…

Quem acompanhou a escalada dos discursos belicistas dos EUA depois dos ataques de 11 de setembro de 2001, jamais vai esquecer as imagens do então Secretário de Estado estadunidense em 2003, Colin Powell, mostrando no Conselho de Segurança da ONU fotos, vídeos, gráficos e segurando um pequeno frasco com algo branco (que seria o agente biológico Antraz) para “provar” que Saddam Hussein teria um programa de desenvolvimento de armas de destruição em massa. No final, o Conselho de Segurança não autorizou a guerra preventiva pretendida pelos EUA, mas isso não impediu Washington e seus aliados, como a Inglaterra, de invadirem e destruírem o país, da mesma forma como a Rússia faz hoje na Ucrânia. E, claro, as tais armas nunca foram encontradas. Para mais detalhes dessa operação, vale a pena assistir o documentário A Guerra que Você não Vê, do jornalista australiano John Pilger (https://www.youtube.com/watch?v=7Q38XOzC5cI).

Em um segundo tuíte do fio, Hua Chunying segue apontando a hipocrisia da diplomacia estadunidense:

… e invadiram a #Síria com um vídeo falso de Capacetes Brancos mostrando o suposto uso de armas químicas? Dada a pouca credibilidade do governo dos EUA nesses assuntos, como as pessoas poderiam confiar nele novamente?

Chunying se refere nessa parte a um dos eventos mais controversos da Guerra na Síria (https://pt.euronews.com/2017/04/13/ataque-quimico-e-uma-hitoria-forjada-pelos-eua-acusa-o-presidente-sirio), que, aliás, segue fazendo vítimas e refugiados todos os dias mas está tão escondida na mídia hegemônica quanto as guerras no Iêmen e Somália, (Sobre isso é interessante ler artigo do Brasil de Fato em https://operamundi.uol.com.br/politica-e-economia/73450/guerras-pelo-mundo-siria-somalia-e-iemen-tambem-registram-ataques-aereos-nos-ultimos-dias) além dos conflitos sem fim na Palestina, Caxemira, Líbia e dezenas de outros territórios pelo mundo. 

Matéria escrita a partir das traduções do Twitter feitas por Adão Filho (@AdaoFilhosilvei)

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode