Secretário de Movimentos Populares do PT-RJ pede a unidade das candidaturas do estado, para derrotar o bolsonarismo

Guilherme Ribeiro, Secretário Estadual de Movimentos Populares do PT-RJ, divulgou uma nota pessoal, onde pede a unidade dos setores progressistas no estado do Rio de Janeiro, berço do bolsonarismo, após resultado da pesquisa IPEC (Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica) divulgada hoje, 24/5.

Na pesquisa, Castro e Freixo aparecem tecnicamente empatados, com 18% e 17% respectivamente. Rodrigo Neves, do PDT, aparece em terceiro com 8% e Eduardo Serra (PCB) com 6% das intenções de voto. Brancos e nulos somam 30% e 13% não sabem ou não responderam à pesquisa.

Leia, abaixo, nota do Secretário Estadual de Movimentos Populares do PT-RJ

Vencer no primeiro turno, para derrotar o bolsonarismo

A pesquisa IPEC divulgada hoje, comprova que o segundo turno é agora.

Seja a nível nacional ou estadual, a pesquisa feita entre os dias 19 e 22 deste mês mostra claramente a necessidade da unidade das forças progressistas e democráticas, para barrar de vez o avanço do fascismo em nosso país.

Lula lidera no Rio e isso é fundamental para a vitória do ex-presidente na corrida presidencial.

Para se confirmar essa tendência regional, é fundamental que a gente some todos os esforços para estarmos unidos, também, nas disputas estaduais, seja para o Governo do Estado, seja para o Senado Federal.

Mais de uma candidatura nessas disputas significa alimentar a estratégia bolsonarista: levar a eleição para o segundo turno e apostar na abstenção para vencer as eleições.

A pesquisa IPEC aponta uma liderança com 15 pontos de diferença em favor de Lula na disputa presidencial, entre os eleitores do Estado do Rio de Janeiro. O empate na disputa do Governo do Estado e a liderança de um candidato ligado à extrema direita, com três candidaturas da esquerda empatadas tecnicamente, mostram claramente a necessidade de as forças progressistas sentarem à mesa, colocarem de lado suas diferenças e construírem uma única via capaz de derrotar o bolsonarismo no seu berço, o Rio de Janeiro, para vencer no Brasil.

É de extrema urgência a construção de bancadas fortes nos legislativos nacional e estaduais e governos locais alinhados com o projeto nacional, para avançarmos nas reformas e contrarreformas, que tanto nosso povo precisa. Nossa divisão também não contribui em nada para isso.

Duas falas de campos diferentes resumem bem essa realidade. Os ex-senadores Aloysio Nunes e Benedita da Silva disseram, respectivamente: “o segundo turno é agora” e “nenhuma divergência nossa pode ser maior do que a necessidade de tirar esse inominável do poder central”.

É preciso ceder, colocar de lado nossas diferenças, reabrir os diálogos e, acima de tudo, lutar pelo que nos une, O DIREITO DE CONTINUARMOS DISCORDANDO.

Guilherme Ribeiro – Secretário Estadual de Movimentos Populares do PT-RJ

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A hora do voto útil

Não se trata mais de Lula ou PT. Se trata de dar um basta nesta loucura que o país se meteu

>